Editorial

Se trata de una editorial de alta calidad en el mundo editorial, integrada especialmente por publicaciones de autores portugueses.

Sobresalen las siguientes colecciones, entre otras:

  • Poesía
  • Ficción e historias reales
  • Ficción moderna y contemporánea
  • Prosa: no ficción
  • Literatura
  • Religión

Catálogo: Descargar PDF

CATÁLOGO

VIDAS GASTAS

VIDAS GASTAS

Enquanto descobria a sua faceta de lutador contra a ditadura e a guerra, Paulo Mendes vivia a sua primeira grande aventura, com a Clara, na paixão e no amor. Soube, por acaso, da Revolução de Abril de 1974, no próprio dia, na sua cidade ? o Porto – e festejou-a na rua; entregou-se de corpo e alma ao combate que se seguiu durante o PREC; contudo, a política partidária foi uma desilusão superável. Ao contrário do amor por Clara. Este pregou-lhe uma partida que lhe condicionou gravemente parte da vida. Alguém disse que não existem amores eternos; se existissem, para Paulo Mendes seria uma tragédia. A luta antifascista, as traições, ciúmes, amores e desamores cruzam-se na época de mudança da ditadura para a democracia em Portugal.

SOLSTÍCIOS E EQUINÓCIOS

SOLSTÍCIOS E EQUINÓCIOS

Fernando Pessoa escreveu um dia, … o homem sonha, a obra nasce”. Creio que este famoso verso consegue explicar, de forma sucinta, o aparecimento de “Solstícios e Equinócios”. “

SENTIDOS DESPERTOS

SENTIDOS DESPERTOS

Ser Poeta Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! É ter de mil desejos o esplendor E não saber sequer que se deseja! É ter cá dentro um astro que flameja, É ter garras e asas de condor! É ter fome, é ter sede de Infinito! Por elmo, as manhãs de oiro e cetim? É condensar o mundo num só grito! E é amar-te, assim, perdidamente? É seres alma e sangue e vida em mim E dizê-lo cantando a toda a gente! (Florbela Espanca, «Charneca em Flor», in «Poesia Completa»)

ROSA AZUL

ROSA AZUL

Marlene Canela encontrou o seu primeiro e verdadeiro amor ao lado de Sérgio Irma, mas tudo muda quando os seus pais lhe dizem que tem de terminar esse namoro e terá de casar com outro homem: Dinis Bessa. Sete anos mais tarde, já casada e com um filho, Marlene reencontra Irma e tudo muda. Este reencontro inesperado não mexe apenas com Marlene, mas também com todas as outras pessoas à sua volta. Marlene manterá o seu casamento ou regressará ao seu amor antigo? Rosa Azul conta a perspetiva de várias personagens no que diz respeito ao sentimento que nos une: o amor. Será que se poderá identificar? Leia e descubra.

POLÍTICA DE ENSINO

POLÍTICA DE ENSINO

Esperemos que o Povo, o legítimo detentor do poder democrático consagrado na Constituição, saiba e queira impor ao poder político a organização de um Sistema de Ensino capaz de assegurar um futuro dignificante aos seus jovens e de pugnar activamente pelos princípios e valores culturais que subjazem à fundação de Portugal e à sua afirmação no Mundo. Ana Vieira da Silva

PERDOA-ME MÃE

PERDOA-ME MÃE

Sara regressa a Portugal para tentar encontrar os seus filhos gémeos raptados no Brasil. No meio dum vazio por preencher, da ausência, da dor, do desespero, da certeza que fez a escolha certa, em trocar um grande amor pelo amor que tem aos filhos, renasce o amor apagado entre ela e o pai, no dia em que encontra um dos gémeos. O Miguel. Pai e filha acabam por se tornarem grandes amigos. Lutando juntos para encontrarem Gabriel, vão descobrindo segredos horripilantes escondidos pela mãe. Quando Sara descobre o paradeiro do outro filho, e sai para o encontrar, tudo pode acontecer?

CAMINHOS TORTUOSOS DE UMA TRANGÉNERO

CAMINHOS TORTUOSOS DE UMA TRANGÉNERO

Caminhos tortuosos, liberdade restrita à vontade alheia, vida em cativeiro, sem culpa, sem crime. Injustiça, frustração, procura incessante. Estereótipos massacrantes, dignidade da pessoa humana moribunda, atingida a cada instante. A guerra para a libertação, travada durante décadas, sozinha. Enfim, terminara, início do caminho sempre sonhado, a vontade própria conseguiu prevalecer. – Agora, em liberdade, já o podia dizer bem alto!!!… – Em todos os caminhos percorridos durante toda a minha vida, não pretendia ser Psicóloga! Não queria ser Jurista! Advogada ou Historiadora! Nem tão-pouco Pensadora ou Escritora! queria ser, apenas e somente, Uma Mulher!!!!!… Finalmente eu. Própria ? A Francisca Solange

ACÁCIA E OS FANTASMINHAS

ACÁCIA E OS FANTASMINHAS

Ana Catarina, Luana, Zé, David e Luísa são muito travessos, mas também muito unidos. São os Fantasminhas. Andam sempre acompanhados de Bobi, o cãozinho preto e branco, à procura de novas aventuras. Um dia, Acácia, uma menina doce, de olhos azuis e cabelos cor de avelã, diferente de todas as crianças, chega à turma. A sua coragem e determinação vão cativá-los e levá-los a verem o mundo com outros olhos, mostrando que tudo é possível no reino da amizade.

20 ANOS DE POESIA

20 ANOS DE POESIA

?20 anos de poesia ? uma antologia do fundo da gaveta? é a súmula pessoal dos poemas que, do fundo do meu coração, precisam de sair do fundo da gaveta para serem lidos à luz do dia. É a mensagem, a polivalência, a musicalidade, a ternura, o humor, a tristeza e a alegria que deixo a quem me tem acompanhado ao longo do meu percurso virado para a Lua. Um livro (quase) aberto, no fundo, para que (quase) não fique nada por dizer. Miguel Morais

UM DIA QUE MUDOU VIDAS

UM DIA QUE MUDOU VIDAS

Este livro é baseado em vidas reais! O José dos Santos vem de tão longe, de Barrô, concelho de Anadia, em 1866, para a zona da Comporta. Desse local foge, sozinho, com apenas 8 anos e chega a Pinheiros de Azeitão. Ali sente-se renascer para uma vida de amor e carinho. Cresce naquela aldeia e mais tarde volta às suas origens para cumprir deveres cívicos. O amor que deixou em Pinheiros de Azeitão trá-lo de volta a esta nossa linda região. Cria uma grande família e os seus valores e espírito empreendedor deram os seus frutos até aos nossos dias. Sua filha mais nova, Susana dos Santos Martins, menina muito inteligente e apoiada pelo pai, faz o seu percurso escolar com muito êxito e conclui estudos em 1907. Dedica-se desde logo a ensinar outras crianças. Casa muito nova e tem uma vida plena de felicidade, mas a sorte não estaria de bem com ela e tudo lhe rouba em Dezembro de 1923. Passa pela crise financeira que grassava em Portugal, no início dos anos 20 do século XX, e que se agravou com a crise, o Crash da Bolsa de Nova Iorque em Outubro 1929. É uma lutadora e muito independente para a sua época. O neto, Albino Xavier Martins, criado desde o berço pelos avós maternos, José dos Santos e Maria José, nascido em 1918, no rescaldo da Primeira Grande Guerra Mundial, cresce e atravessa a Segunda Grande Guerra Mundial, deixando-lhe marcas profundas, mas uma enorme experiência de vida. Os valores que o avô lhe transmitiu foram de tal forma marcantes que ele, embora pobre, mas de grande inteligência e visão de futuro, tudo fez para que os seus filhos tivessem os estudos que ele, com a morte do avô, não pôde terminar. Três gerações com percursos de vida de luta, com muitos sucessos e alguns insucessos, mas vividas com muita determinação e garra. A mim, estes exemplos de vida deram-me sempre alento e força para lutar por todos os meus objetivos, sendo prova disso esta narrativa que acabo de publicar.

AFINAL É SIMPLES

AFINAL É SIMPLES

Vou contar-te a história do Ivo, um menino especial, como tu. Um dia acontece algo ao Ivo que vai mudar inesperadamente a sua vida e levá-lo a descobrir um mundo fantástico que ele desconhecia. Ele quer que tu também conheças esse mundo porque conhecê-lo torna tudo muito simples, afinal! Anda daí conhecer o Ivo e seu mundo que pode também ser o teu. Este livro pertence-te. Dá-lhe Vida com as tuas cores. ??? So it?s Simple! – Synopsis I will tell you Ivo?s story. He is a special child, just like you. One day something unexpected happens to Ivo, which will change his life and lead him to discover a fantastic world that he had no idea about. He wants you to also know this world because knowing it makes everything simple, after all! Come and meet Ivo and his world that can also be yours. This book belongs to you. Bring it to life with your own colours.

ERROS DE LINGUAGEM

ERROS DE LINGUAGEM

As palavras e expressões expostas nas páginas deste livro resultam de uma recolha aleatória de tropeções no conjunto de normas e convenções que regulam o funcionamento da língua. Figuras mediáticas ou personalidades discretas, mais e menos letradas, são escrutinadas de acordo com as aparições no espaço público e publicado. Na lista de nomes coligidos consta o cidadão comum e figuras gradas da política, do espectáculo, do jornalismo, do desporto, da intelectualidade. Sempre que possível com o recurso a exemplos do dia a dia, o autor pretende debater e promover a Língua Portuguesa a nível da fonética, morfologia, léxico, sintaxe, semântica e pragmática.

TEMPLÁRIOS EM TOMAR

TEMPLÁRIOS EM TOMAR

Não é tarefa fácil escrever sobre os Templários, quando as fontes estão dispersas e derivam essencialmente de pesquisa em templos, em fortalezas e outras obras onde eles nos deixaram sinais e indícios, que há que interpretar, correlacionar entre si, deduzir e concluir, já que grande parte do registo escrito da história destes destemidos e ?sobredotados? Cavaleiros do Templo, quer por causas calamitosas, quer por razões premeditadas, não tem sido fácil de encontrar.

SOFIA

SOFIA

Sofia é uma rapariga alegre e brincalhona, como a generalidade das crianças. Mas desde muito cedo evidencia sonhos e desejos traduzidos em perguntas aos mais velhos que o comum das crianças não tem por hábito fazer: a Natureza, a Vida, o Amor, a Energia, o Universo, Deus. Por isso, é considerada uma rapariga estranha. Mas ela reconhece que tem de conviver com a euforia e a compreensão dos que a rodeiam como também com as críticas dos que não a compreendem. Acontece que na vida de Sofia cruzam-se personagens também elas marcadas pelas questões que a trazem profundamente inquieta. Com uma diferença: trata-se de personagens carregadas de experiências diversas, vividas de maneira intensa e apaixonada. Sobretudo, são personagens que apostam em Sofia e na sua capacidade de amar e transformar o mundo. O leitor assiste, a partir daqui, a um complexo processo de aprendizagem ao longo da vida de Sofia, que culminará na exigência com que ela se irá debater: decidir seguir os seus mestres e concretizar, em favor dos outros, os ensinamentos que recebeu, começando por si própria. A autora conduz-nos pelos labirintos de uma novela de viagens de caráter físico, onde a Índia predomina enquanto espaço mítico, como de caráter espiritual, onde o mundo interior de Sofia está em revolução. Neste trabalho literário, despretensioso e de fácil leitura, somos confrontados com lugares, personagens e situações que podemos encontrar na realidade de cada um, desafiando os leitores para o prazer de ler.

SAUDADE E NOITE ESCURA

SAUDADE E NOITE ESCURA

Escrever sobre saudades é relembrar memórias e histórias que já passaram. Saudade e Noite Escura é um relato no tempo de algumas histórias, recordação de quem passou e da Saudade que a sua ausência deixou. Na Noite Escura vagabundeiam alguns fantasmas dum passado recente, que convém exorcizar para sempre, para que não voltem a assombrar este país para que ele atinja novamente a dimensão a que tem direito. No fim ainda há lugar para a família e os amigos em dias de felicidade.

POEMAS-CARTA A UM MENINO-LUZ

POEMAS-CARTA A UM MENINO-LUZ

Partindo duma situação concreta, e pessoalmente testemunhada, o autor procura sensibilizar a sociedade para um dos maiores e difíceis desafios do nosso tempo, e que por todo o mundo se tem vindo a multiplicar: o autismo. De facto, e durante dez anos, Severino Moreira refugiou-se como que numa subtil purga emocional, redigindo e idealizando enviar cartas a um menino (seu neto), assolado por uma perturbação do espectro autista, talvez assim exercendo a sua própria catarse – esta consabidamente definida como terapêutica psicanalítica para a erradicação dos sintomas? Por esses textos, foi dando conta das várias vertentes do problema, e consequentemente, das dores e preocupações que naturalmente daí advêm, após um diagnóstico que é obviamente recebido com surpresa, mágoa e estupefacção. Frisa o autor, todavia, que em nenhum momento o núcleo familiar se permitiu esmagar o futuro por tal facto (obscurecendo-o de tristeza, e sombreando-o de infelicidade), bem pelo contrário: desde a primeira hora considerando o afecto como a mola essencial e transformadora (desde logo para/ e por parte dos pais), esse sentimento vem sendo transversalmente exercido e puramente vivido, a cada passo revelando-se como a chave” para se suplantar o peso das perplexidades e a descodificação das interrogações, lembrando e sublinhando, que todos os dias e em todas as situações, vence invariavelmente o amor: o amor que tolera e abre caminhos, o amor que inclui e compreende, o amor que perdoa e aceita, o amor que se apaixona e se torna cúmplice, o amor que não se fatiga nunca e tudo vence. “

PERMITE-TE SER

PERMITE-TE SER

Vivemos numa sociedade que é definida pelos acontecimentos do dia a dia. Esse tipo de ?prisão mental? é a raiz de tanto sofrimento. São poucos os que conseguem quebrar esse padrão e encontrar o verdadeiro caminho da felicidade. O primeiro passo para viver uma vida extraordinária passa pela conexão com o nosso ?Eu Interior?. Esse elo é fundamental para que possamos agarrar, com as duas mãos, o leme da nossa vida. A partir do momento em que identificamos a nossa essência mais pura, e respeitamos a sua voz, descobrimos uma nova realidade. Um universo de infinitas possibilidades que sempre esteve disponível e que ignoramos vezes e vezes sem conta. Nesta obra encontrará importantes reflexões que promoverão uma intensa expansão da sua consciência. Esta partilha do autor será fundamental para que possa mudar a forma como vê a vida e assim conquistar maior equilíbrio. Lembre-se sempre que não são as circunstâncias da vida que nos definem. O que nos define é a forma como decidimos reagir a essas circunstâncias. Mude a forma como vê o mundo e mudará a sua vida. Coach Luís Alves.

O JARDIM DO AVESSO

O JARDIM DO AVESSO

Todas as formas de vida estão em perigo. A humanidade corre o risco de ver as suas memórias apagadas pelos medos” e imergir numa Segunda Idade Média. Só os “doze do carvalho”, um grupo de cavaleiros especiais, com a ajuda da menina da profecia, serão capazes de impedir que “aquele-cujo-nome-não-se-pode-pronunciar” se aproprie ?d’O Livro das Raízes?, salvando assim todos os mundos. Será que o Bem vai triunfar sobre o Mal? “

MELODIAS DA MINHA ESSÊNCIA

MELODIAS DA MINHA ESSÊNCIA

?Melodias da minha Essência? é composto de textos escritos em momentos de serenidade interior. Palavras que ecoam e dão forma a mensagens para o nosso dia a dia, como flores que acordam em cada amanhecer. Livro que pode ser folheado, página a página, ou aberto simplesmente onde o coração precisa de ir nesse momento. Brisa de paz e tranquilidade que envolve cada linha e as entrelinhas também.

INSURREIÇÕES E LIRISMOS

INSURREIÇÕES E LIRISMOS

Colhidos da vida alguns frutos, uns podres e venenosos, outros amadurados, mas não doces ou adoçados ao sabor do teu aprendizado e do meu, leitor, trata-se de uma obra de lirismos e rompantes porque qualquer experiência humana é ardor e altas marés revoltosas onde muitas vezes aos náufragos só lhes resta olhar um pedaço de céu negro sem as cores fabulosas do sol poente… E aqui, nestas preces magoadas, não há máscaras nem de conveniência nem de fingimento ? os textos são uma ablução catártica, um mergulho na observação e um grito de alma. Aflita. Sem censuras mostro a virgindade da minha nudez… ai, que obscenidade? E não tenho vergonha!

ANGÉLICA

ANGÉLICA

É a saga da jovem Angélica que procura, no mundo fechado do século em que vive (XVI), respostas para tantas perguntas que vai formulando e às quais ninguém quer responder. A fuga aos abutres, que espreitam por satisfazer os seus instintos sexuais, levam-na a percorrer um longo caminho da aldeia nativa até Lisboa, onde encontra outros abutres (a doença, o medo, a opressão, a fome), mas também a realização pessoal e o amor. A obra encontra-se estruturada em três momentos: o primeiro decorre na aldeia, onde Angélica é marginalizada, não só pela comunidade mas também e inclusivamente pela família; o segundo decorre durante o caminho que a conduz à cidade e que lhe proporciona o conhecimento e a descoberta dela mesma e dos outros; o terceiro decorre na cidade de Lisboa, que fervilha com o entusiasmo dos descobrimentos, mas ao mesmo tempo se esquiva com o temor da Inquisição, ou se refugia com medo da peste, ou ainda se espanta com as atitudes de um rei jovem, D. Sebastião, a preparar-se para a batalha de Alcácer Quibir. É em Lisboa que a personagem verdadeiramente se descobre como pessoa, quando se torna Boticária no Hospital de Todos os Santos, depois de aprender a ler.

AMOR SOMBRA

AMOR SOMBRA

Amor Zero desenha uma paisagem árida e desolada, feita de desencontros, fortes paixões e vontades raramente fruídas. Move-se entre um acinzentado mundo interior e um irrequieto foco exterior. É contudo uma coletânea onde a esperança, a dádiva abnegada e a felicidade descomprometida conseguem de quando em vez espreitar por baixo das vagas escuras?

A FEIRA MISTERIOSA

A FEIRA MISTERIOSA

A vida dos animais numa quinta pode tornar-se aborrecida e monótona? Escapar para visitar uma feira misteriosa pode ser muito excitante, sobretudo para uma jovem galinha que quer arranjar noivo. Biquinho, a galinha, Chimpas, o coelho, e Roncas, o porco, irão visitá-la e viver uma aventura inesquecível. Porém, terão de enfrentar alguns obstáculos? especialmente Roncas. Quando Chica, a raposa, que por sinal também é esperta, se transforma numa inspetora das finanças e entra no espaço da feira tudo pode acontecer!… Luz, cor, ação, diversão e muitas gargalhadas são o mote desta história.

ÁGUA PÉ

ÁGUA PÉ, CASTANHAS E LETRAS

Provérbios populares sobre o S. Martinho No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o vinho. No dia de S. Martinho, castanhas, pão e vinho. Dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho. Pelo S. Martinho, todo o mosto é bom vinho.

MERINDA

MERINDA

Dois amigos vivem uma aventura inesperada e inacreditável, numa vila pacata onde, pelos vistos, tudo pode acontecer.

EMOÇÕES À FLOR DA PELE

EMOÇÕES À FLOR DA PELE, 3ª EDIÇÃO

O livro ?Emoções à Flor da Pele? é um romance que nos retrata a vida de uma adolescente chamada Elisabete com apenas 13 anos. Ela, juntamente com os pais, a irmã mais velha e a prima, que desde os 5 anos morava com os tios, mudaram-se há pouco tempo para a vila do Bombarral. Numa segunda-feira normal, ela descobre que na turma terá um rapaz novo, o que para ela significava a oportunidade de fazer um novo amigo, mas será que se ficaram pela amizade? Tempos depois, o passado dos familiares, tanto dela como de Diogo é descoberto, fazendo com que a família se separe. Semanas depois, desesperada, Elisabete corre, e ao chegar a casa começa a escrever uma extensa carta, agarra nuns comprimidos e engole-os. Felizmente Diogo chega a tempo de a salvar. Imensas coisas aconteceram ao longo dos anos que se foram passando e no dia em que Elisabete e Diogo acabaram a Universidade, todos se reuniram para celebrar. Este, bastante nervoso, levanta-se e?

AS PALAVRAS QUE SEMPRE TE DIREI

AS PALAVRAS QUE SEMPRE TE DIREI

As palavras que sempre te direi As palavras que sempre te direi Tenho-as dentro do meu coração, Saem através de mim com emoção, São levadas para onde, não sei. São o som da expressão do que sinto, São como verdades ditas em oração, São pensamentos voláteis e ilusão Com que não te iludo e não te minto. E são assim levadas pelo forte vento Para lugares que nunca existem E ficam escondidas pelo tempo. Mas se o sentido das palavras se visse Nas lembranças que ao tempo resistem Vias, amor, aquelas que nunca te disse.

AMOR E SEDUÇÃO

AMOR E SEDUÇÃO

Manuel José Cerqueira da Silva, mais conhecido por ?Zé Manel da Lixa?, nasceu na freguesia de Santão, concelho de Felgueiras, a 13 de outubro de 1949. Iniciou a sua carreira profissional ainda em tenra idade, como aprendiz de torneiro mecânico. Chegou a empresário no mesmo setor de atividade. Atualmente encontra-se reformado. O seu serviço militar foi prestado em Angola de onde regressou em 1973, fixando residência em Vila Cova da Lixa, onde constituiu família. Em 2009 publica Encantos e recantos da cidade da Lixa, sendo a sua primeira obra editada e dedicada à sua terra amada. Em 2013, edita A poesia e a vida que se encontra atualmente na 4.ª edição. Em 2016 coordenou a monografia A página do Combatente direcionada para testemunhos dos ex-Combatentes do Ultramar. Tem igualmente mantido diversas colaborações com publicações periódicas locais como o Semanário de Felgueiras ou o Jornal da Lixa. É frequente receber convites para participar em tertúlias poéticas ou para declamação de poemas, de sua autoria, em diversos eventos ou festividades.

DÚZIA E 1/2

DÚZIA E 1/2

Tal como a noite encobre o dia, também o medo atabafa aquilo que, por vezes, sentimos. Aquilo que tantas vezes pensamos dizer e por tantas se deixa de viver. Dúzia ½ é uma coleção de Historias. Confio ao leitor pequenos momentos vividos, momentos sonhados, momentos imaginados. Confio no leitor as grandes emoções que delas retirem. Todas as personagens estão à espera de serem descobertas porque têm um ponto comum: homens e mulheres que vivem plenamente com as suas fragilidades. Uns melhor, outros pior.

MIRA CAÇA

MIRA CAÇA

Este livro poderia ser mais um livro de caça mas, é muito mais do que isso! Assim, o autor deste livro, também ele caçador, lança o seguinte repto ao meio cinegético ? ou agora ou nunca mais! É uma obra com sentido didático, tendo como grande desafio o envolvimento de todos os interessados na preservação e fomento das espécies cinegéticas. Sem isso, jamais se poderá continuar a praticar um desporto, o qual esteve nas origens da sobrevivência do ser humano. Conhecer melhor as espécies cinegéticas ao longo do seu ciclo de vida, as mudanças que estão a ocorrer nos seus habitats, as principais doenças que as afetam e as formas de contrariar essas adversidades, são as grandes questões aqui presentes e nas quais todos nós podemos intervir. A arte de caçar, num ambiente puramente desportivo e saudável, é, aqui, o grande convite ou desafio aos praticantes e simpatizantes desta modalidade desportiva. Para algumas perguntas frequentes e ou preocupantes dos caçadores encontram-se, agora, as respostas. Quanto a mitos sobre caça sempre houve, faltava era a explicação para alguns deles. É, também, um desporto de estórias engraçadas transmitidas de geração em geração e, nestas páginas, estão as estórias contadas na primeira pessoa. Sabemos que a experiência de caçar e de investigar a caça no terreno, perde-se ao longo do tempo, se não ficar registo. Também, por isso, este autor quer deixar o seu testemunho, para que futuras gerações conheçam essas vivências, sejam ou não amantes deste desporto. Fica, aqui, o convite do autor para o acompanhar por paisagens e trilhos de caça ao longo desta viagem.

NÃO VOLTAREI

NÃO VOLTAREI

Viveremos nós em plena liberdade? Conhecemos de verdade, todos aqueles com quem partilhamos, a nossa vida? Partilhamos de verdade, todos os nossos sentimentos com os que nos são íntimos? Temos a certeza do que faremos e do que não faremos? Que certezas nos traz a maturidade? Até onde nos leva a incerteza, ou a certeza da vida? Seremos livres em todos os nossos atos? Com uma narrativa impressionante, muito vívida, a autora leva o leitor a mergulhar neste mundo de sentimentos, partilhas e (in)verdades, no qual descobre todo um universo próprio, com alguns rituais muito comuns, onde cada personagem é uma realidade a descobrir para lá daquilo que é exposto. Mostrando que as emoções, a liberdade, a reflexão e as vivências estão para além dos pensamentos, demonstrando que em todo o ser humano há um lado oculto, para a sociedade e para os que lhe estão próximos, talvez até de si mesmo.

ESTRADA NACIONAL 2

ESTRADA NACIONAL 2

Baseado na experiência pessoal de uma aventura em bicicleta, percorrendo a Estrada Nacional 2 de Chaves até Faro, este roteiro pretende ser muito mais do que um simples guia turístico. As referências culturais incontornáveis observáveis ao longo dos 720 km que perfazem a via rodoviária mais vertebral do país, não só foram enriquecidas com apontamentos geográficos relevantes, como também foram humanizadas pelo retrato que se procurou espelhar das gentes deste nosso Portugal interior, tão genuíno quanto diverso. Este livro ambiciona, assim, despertar a curiosidade do leitor e desafiá-lo a partir à descoberta da alma do nosso país. A viagem neste «EN 2 sobre rodas» promete-lhe um reencontro com o Interior do país, onde o passado robusto e autêntico se alia a uma inabalável confiança no futuro.

SAMUEL

SAMUEL

Samuel é o relato de uma sessão de hipnoterapia a que o autor se submeteu. A ação centra-se na Historia de amor de Sara e Samuel. A aldeia em que viviam é brutalmente atacada e, entre a defesa e a fuga, Sara e Samuel separam-se para bem das suas gentes. Apesar de capturado e escravizado, Samuel não deixa de iniciar uma busca dramática e desesperada por Sara…

VIDA COM VIGOR NA TERCEIRA IDADE

VIDA COM VIGOR NA TERCEIRA IDADE

O Envelhecimento tornou-se um fenómeno muito relevante nas sociedades desenvolvidas, devido à sua implicação na esfera socioeconómica, para além das modificações que refletem a nível individual, e em novos estilos de vida. ?Vida com Vigor na Terceira Idade não é apenas mais um livro sobre o envelhecimento. É um poema à vida com mais experiência, no acumular de múltiplas vivências ao sabor do tempo. A Autora releva a atividade física distinguindo-a do exercício físico, qualquer deles tendo relevante papel na rotina biológica da multiplicidade celular. Vida com Vigor na Terceira Idade é assim um manual de sobrevivência feliz para idades mais velhas.? (In Prefácio pelo Professor Doutor José Pinto da Costa) Consultor do Mestrado de Medicina Legal da Universidade do Porto e, ainda, o responsável pela cadeira de Psicopatologia Criminal do mestrado em Psicología Legal do Instituto Superior de Psicología Aplicada de Lisboa.

TODOS OS MEUS SONHOS PARA TI

TODOS OS MEUS SONHOS PARA TI

A erupção de um vulcão sobre uma ilha auspiciosa pode destruir os sonhos mais apaixonados. Contudo, mesmo de um chão de lava e cinzas, abrasador de todas as expetativas, pode sempre renascer a esperança: em forma de uma flor, de novos sentimentos e até com sonhos renovados. Mas serão os sobreviventes capazes de ultrapassar traumas e acreditar nas oportunidades de uma nova vida? E serão eles capazes de ignorar a ameaça latente de um vulcão adormecido? Ilha e vulcão é o sentido metafórico que se pretende atribuir à vida de cada um, exposta às ameaças eruptivas da fatalidade. Todos os meus sonhos para ti é uma Historia de sentimentos, de amizade e amor, de separações e reencontros, de perdas e recobramentos, e também de revelações perturbadoras. Afastados por tragédias individuais, Ricardo e Maria José reencontram-se anos mais tarde, no momento em que ambos, em circunstâncias de vida absolutamente antagónicas, precisam um do outro. O recobramento para a vida de um pode ser o necessário apaziguamento para o fatídico destino do outro. É no seio de uma amizade entre Ricardo, Maria José e Clara que se desenvolvem laços de estreita confidencialidade, se ultrapassam obstáculos impeditivos, se promovem reconciliações com a vida, se recuperam sentimentos improváveis, ou se aquieta a alma de quem está de partida. Todos os meus sonhos para ti aborda ainda a incontornável realidade da doença do cancro e a virtuosa generosidade dos voluntários que, no dia-a-dia, se entregam, incondicionalmente, em benefício daqueles que nela sofrem. É também uma Historia que faz um périplo aos vários estados de alma e viaja pelas memórias de cada protagonista, enquanto percorre algumas regiões do país. ?

EXECUTORES

EXECUTORES

Desde há vários séculos que uma linhagem de humanos, altamente especializada em combate, mantém as suas tradições e estilo de vida no anonimato. Uma Organização secreta, criada com a missão de controlar essa força letal, tem conseguido que vivam pacificamente entre nós, mas algo está prestes a mudar. A ambição desmesurada levou ao aparecimento de um homem sem escrúpulos, o Arquiteto, um ser enigmático que ninguém conhece, mas que tem um poder sombrio sobre algumas das maiores empresas da Europa. Guilherme, um simples professor universitário que nunca fez nada de perigoso ou ilegal, cruza-se acidentalmente com o Arquiteto. Um imediato pesadelo apodera-se da sua vida, transformando-o num fugitivo procurado pelas autoridades e perseguido por assassinos profissionais. No entanto, na procura por salvar a sua própria vida, Guilherme, ajudado pela jovem Lisa, descobre o segredo que enriquece as grandes fortunas espalhadas por toda a Europa. A extensão da descoberta é avassaladora para inúmeras empresas, sem excluir os governantes de vários países. Mas, para Lisa, é ainda pior, pois pode incluir o seu próprio pai. As poderosas organizações, com receio de perderem os seus rendimentos, tudo irão fazer para abafar o segredo, mesmo que isso arraste a Europa para o abismo. Algumas das consequências já se encontram, atualmente, expostas nas notícias de todo o mundo.

TEATRO 2020

TEATRO 2020

oriente médio: – Não queremos um nascer do sol à medida do despertar de quem nos tira o sono. – A guerra não nos quer, a europa não nos quer. Somos os novos leprosos do século vinte e um e andamos todos no mesmo mar. Andamos de um lado para o outro, nunca sabemos de onde vem o vento. Nisso a europa é parecida contigo, para ela não há passado. espinhos: – Quem não nos respeita o corpo não merece possuir-nos a alma. – Não sei se vais matar ou ser morta, sei é que a violência é uma cobra venenosa que tu afagas no peito, pronta para te picar. enxurradas: – Uma parte de mim foi pela enxurrada. Não sei porquê, mas a terra deixou de ser segura. O chão desapareceu para sempre. – Uma mulher não deve nunca mendigar afetos. Não se deve pedir o que é nosso. Que se enfeite quem que se queira enganar e que estenda a mão quem não tenha nada para dar. Não é o meu caso. Eu mendiguei o que sempre andei a dar. monstro: – É terrível sentir a ternura disfarçada de quem não nos ama. – A chuva é como esta minha culpa, deixa sempre marcas nos corpos de quem me aproximo. anjo: – Sou imensamente feliz, liberta de ti e de todos os que se veem ao espelho espreitando as silhuetas das vidas alheias. – O povo gosta de criar fantasmas para não ter de combater quem o explora.

POESIA 2020

POESIA 2020

A poesia de João Sevivas é única no atual universo literário. Mesmo quando utiliza o verso solto, a musicalidade dos seus poemas agrega uma densidade onde cada palavra, som e cada imagem bailam nos nossos sentidos, prendendo-nos à entusiástica magia de estarmos vivos. Abana-nos, interpela-nos, agita-nos e nunca mais seremos os mesmos após a leitura dos seus poemas. Este livro, que tive o privilégio de editar, é de uma exuberante polissemia, mas de fácil leitura, límpido e transparente, sem deixar de ser profundo na exigência de refletirmos sobre os principais problemas que a humanidade enfrenta nos nossos dias. A sua poesia não é nem superficial nem prosaica, ela alimenta-nos, faz-nos crescer, é atual e criativa, nascida das vivências e da atenção de um homem preocupado com os outros e do seu cantar, como ninguém, a nossa própria epopeia.

OPORTUNIDADES PERDIDAS

OPORTUNIDADES PERDIDAS

Quando Amélia recebe uma carta do seu primeiro amor, uma série de sentimentos levam-na a questionar o seu presente e a ela própria. Quem é realmente Amélia? Melhor: quem é que Amélia quer ser? Porque o ser humano julga sem saber ou conhecer, para a sociedade, Amélia é feliz no casamento com o seu marido. Mas será? Pois o seu verdadeiro amor é Valentina. Uma mulher.

O MENINO QUE VOAVA COM OS PÉS NO CHÃO

O MENINO QUE VOAVA COM OS PÉS NO CHÃO, 2ª ED.

Luisinho está a aprender as primeiras letras. A construção de cada nova palavra e o seu significado tornam-se um mistério para ele. Aumenta-lhe a curiosidade e estimula-lhe a imaginação. Entre os passeios com o pai e as Historias da mãe, Luisinho interroga-se constantemente. Quanto mais se interroga, mais descobre. Isso ajuda-o a compreender o mundo em que vive e a transformá-lo à sua maneira, à maneira da sua imaginação. Luisinho tem um fascínio pelo objeto livro, em especial pelo dicionário, porque sabe que é aí que vai conseguir descobrir o significado de todas as palavras. Numa sociedade digital que está a evoluir a uma velocidade estonteante, onde tudo se escreve e tudo se apaga com um clique, o livro é um objeto que as crianças devem conhecer, brincar, aprender, admirar e preservar. Faz parte do futuro. Do futuro de todas as crianças e de todos nós.

MUROS

MUROS

Perdida nas ruas da aldeia, algures na Beira-Baixa, respiro este ar único que emana da paisagem. Mons Sanctus ergue-se por entre os penedos empoleirados nas arribas… imponente, rústico, misterioso e mágico! As memórias chegam até mim… recuo ao pós 25 de abril e ainda um pouco mais atrás, época de Salazar, Estado Novo. Remontam a essa altura as minhas lembranças das férias de infância e juventude. Momentos que permaneceram no meu coração. Recordo as amizades estabelecidas num ambiente totalmente diferente para uma menina oriunda da capital e o amor da família sempre fortalecido na casa que se tornava pequena à medida que crescíamos. Os muros desse local, confidentes de simples conversas, de lágrimas, de risos e de amores, testemunharam também épocas de grande importância histórica que enriquecem o nosso olhar sob a rigidez granítica da mais bela aldeia de Portugal.

CARLOTA E OS DRAGÕES DE MADRID

CARLOTA E OS DRAGÕES DE MADRID

O avô de Carlota julgou ter visto 3 dragões no território de Madrid. A neta fez-lhe prometer que quando completasse 6 anos, ambos iriam conhecer estas maravilhosas criaturas. A expedição tomou forma e rumaram às cercanias de Madrid onde de facto não encontraram estes seres alados míticos ?, mas voltaram para Portugal sem viverem aventuras inimagináveis? Claro que não ? as histórias multiplicam-se neste conto cheio de surpresas ?, mas há dragões perto de Madrid?

O FOGO DAS HORAS

O FOGO DAS HORAS

Três casais, um magoado solteiro, um fura-vidas com apetites incendiáveis, uma solteira independente, senhora de um porte físico e mental de criar inveja. A rebeldia e insegurança dos filhos, o encontro rápido com algumas personagens desgarradas, constituem a narrativa do Fogo das horas.

DANÇAM CORPOS EM ALMAS INQUIETAS

DANÇAM CORPOS EM ALMAS INQUIETAS

Dançam Corpos em Almas Inquietas não é uma obra poética, é, com toda a humildade, um conjunto de textos que coloquei em papel ao longo dos últimos dez anos.

A MARMITA

A MARMITA

A Marmita (ou como construir um Best-Seller sem sair de casa) é uma obra constituída por 11 Historias totalmente autónomas entre si. Às referidas Historias, pretendeu o autor incutir algum sentido humorístico, ainda que algumas vezes traduzido em episódios trágico-cómicos, polvilhados aqui e ali por algum dramatismo muitíssimo ténue. As citadas Historias desenrolam-se partindo de narrativas simples, baseadas sobretudo na vivência quotidiana dos seus personagens, bem como nas suas experiências pessoais e nas relações humanas que se estabelecem ao longo das suas atuações fictícias.

PORTUGAL A RIMAR

PORTUGAL A RIMAR

A Historia de Portugal e os seus respetivos atores, estão, ao longo deste livro, semeados pelo nosso território que conta com reis, príncipes, princesas, guerreiros e o amado povo português. É meu objetivo mostrar a todos os leitores o que foi feito para tornar este país, o nosso Portugal de hoje. Mas não de uma maneira aborrecida e maçuda. Pelo contrário, de forma lúdica e didática, a brincar com as rimas, vou tentar aguçar o apetite pela nossa Historia. De quadras soltas se faz Toda a nossa linda Historia, Para que toda a gente a leia E nos fique na memória. Inicia com Viriato, o grande estratega dos Lusitanos, morto à traição pelos romanos. O Conde D. Henrique, a quem foi dado o princípio do nosso Portugal, o Condado Portucalense. Dos 4 filhos, um se destacou, de nome Afonso Henriques e que vem a ser o nosso 1º Rei. Com ele começa a 1ª dinastia e a seguir vêm outros reis, uns melhores que outros, pelos feitos que exerceram. Nunca podemos esquecer o grande D. Dinis e até D. Fernando, o último Rei dessa dinastia, 200 anos depois. Chega a 2ª dinastia. Começa pelo Rei D. João I, que nos trouxe anos de muita riqueza através dos descobrimentos, onde se mostrou a todo o mundo o poder deste país pequeno, mas com gente brava! Depois do Rei D. Sebastião ter desaparecido numa batalha (ainda hoje esperamos que regresse numa manhã de nevoeiro?), tudo se transforma. A nossa vizinha Espanha aproveita esta confusão e durante 60 anos governa como pretende, sendo esse tempo conhecido pela 3ª dinastia, a Filipina. Mas nós não éramos de nos deixar ficar parados. D. João IV e seus seguidores depressa mandam embora os espanhóis e, durante quase 300 anos, vivemos a 4ª dinastia, a de Bragança, na qual muito foi feito, e muitos foram os atores que ficaram e foram reconhecidos. Existiram, durante a monarquia, 34 Reis e Rainhas. De D. Afonso Henriques, o 1º Rei, até D. Manuel, o último, mostro aqui todos eles: todos os seus feitos, todos os seus valores e batalhas que construíram este nosso palco que é Portugal. De seguida veio a 1ª República, mas tão atrapalhada nasce, que apenas 16 anos se passam até terminar. A 2ª República, que dura até 1974, termina quando a Revolução dos Cravos acontece. O que se passou até lá é aqui descrito em tom de brincadeira, mas como o povo diz, a brincar também se aprende. E que vem depois? A 3ª República que nos acompanha até aos dias de hoje. Desde o início da monarquia até ao fim do milénio, torno mais simples, lúdico e acessível a evolução da nossa Historia a miúdos e graúdos, para que desta forma todos se sintam tocados pela sabedoria e acima de tudo pelo gosto pela Historia de Portugal, seja numa breve leitura, em partes, ou no seu todo, ou até numa adaptação da obra ao teatro ou cinema. Carlos Gomes

CONTOS DE SONHO E DE VIDA

CONTOS DE SONHO E DE VIDA

Pepé é uma criança curiosa, que leva uma vida simples e despreocupada, até ao dia em que uma figura imponente lhe surge, de espada e armadura de ouro, e lhe mostra uma existência paralela. Embarca então numa aventura fantástica, com uma missão misteriosa. Nessa viagem vai passar por oito mundos diferentes, habitados por figuras míticas e gente estranha, numa viagem de aprendizagem de vida, tanto para ela, como para todos os que encontra e ajuda. Esta é uma Historia que se insere num conjunto de vários contos que pretendem levar o leitor, seja qual for a sua idade, numa viagem ao mundo do imaginário, para recordar a sábia simplicidade das crianças e, assim, trazer algo de positivo para a sua vida.

AS CINCO CHAVES DA DESTRUIÇÃO

AS CINCO CHAVES DA DESTRUIÇÃO

Agnes, uma rapariga com 14 anos, desaparece misteriosamente. Alma, Edina, Georgino e Firmino, os seus melhores amigos, decidem apoiar Isaura, a sua irmã mais velha, indo ter com ela a sua casa, onde encontram uma página do diário de Agnes, em que ela se refere a um segredo, possivelmente o motivo do seu desaparecimento. Com essa pista, o grupo decide ir à procura de Agnes, entrando numa aventura inesquecível. Será que a conseguem encontrar? Que segredo Agnes esconderá?

PENÚLTIMA ESPERANÇA

PENÚLTIMA ESPERANÇA, 2ªEDIÇÃO

Mónica Ruivo isola-se em Porto Covo, para recuperar da dor causada pela morte do seu pai. Simultaneamente enfrenta também um desgosto de amor. Ali conhece um estranho empresário do mundo da moda que não a deixa em paz enquanto ela não aceita ser uma das suas modelos. Acabando por se envolver demasiado com ele. Deixando para trás a vida simples que levava, rapidamente se torna numa modelo famosa. Quando reencontra Alexandre, o seu grande e único amor, tudo pode voltar a acontecer. Sentimentos escondidos, numa paixão por resolver, o erotismo e o amor têm uma intensidade única. Numa equívoca contradição aos seus sentimentos mais profundos, depois de perder tudo o que tinha conquistado até ali, o amor consegue dar forças para vencer todas as batalhas. Recomeçou de novo. Numa penúltima esperança. Só que o destino tira-lhe o que ela tem de melhor na vida dando-lhe uma outra vida. Terá ela forças para enfrentar todos os desgostos?

O LIVRO DE TODOS OS PECADOS

O LIVRO DE TODOS OS PECADOS

A Historia do pecado está indissociavelmente ligada à Historia da própria humanidade e revela-se, de uma forma ou de outra, nos textos sagrados de todas as principais religiões. A doutrina cristã, por exemplo, é particularmente extrema e afirma, na sua conceção do pecado original, que na sua génese o homem é pecado. Mas o que é o pecado afinal? Por definição é uma ação deliberada contra as leis divinas mas, ao longo dos tempos, foi usado pelos poderes instalados como uma forma de tentar controlar a sociedade e condicionar as suas ações. Muitas vezes com objetivos meritórios ? quem se atreveria a questionar a bondade da lei supostamente divina que determina que o homem não deve matar outros homens? ? mas que, com demasiada frequência, teve na prática efeitos absolutamente nefastos. N’O Livro de Todos os Pecados Alves dos Santos regressa à Poesia e propõe-nos, em relação a esta temática do pecado, um novo paradigma que tem tanto de divergente como de desafiante. Em onze partes distintas o autor apresenta-nos o Homem como um ser com uma predisposição natural para o Amor. Um Amor por vezes egoísta, tantas vezes incompreendido, nem sempre correspondido e raramente vivido na sua plenitude. Mas ainda assim Amor. Um Amor que parte da inocência, mas que, nas suas deambulações através da essência da realidade humana, tem a capacidade de nos arrastar Inferno adentro ou elevar-nos a um Paraíso que tem tanto de desejado como de efémero. Ao folhear este livro o leitor será levado por uma viagem de um Herói poético, capaz de cometer todos os pecados apenas para não cometer o único verdadeiro pecado. Atreva-se a fazer esta viagem que tanto nos lança na incerteza existencial como nos liberta para vivermos a Vida e o Amor o melhor que pudermos e soubermos.

EMOÇÕES Á FLOR DA PELE

EMOÇÕES Á FLOR DA PELE , 2ª EDIÇÃO

O livro ?Emoções à Flor da Pele? é um romance que nos retrata a vida de uma adolescente chamada Elisabete com apenas 13 anos. Ela, juntamente com os pais, a irmã mais velha e a prima, que desde os 5 anos morava com os tios, mudaram-se há pouco tempo para a vila do Bombarral. Numa segunda-feira normal, ela descobre que na turma terá um rapaz novo, o que para ela significava a oportunidade de fazer um novo amigo, mas será que se ficaram pela amizade? Tempos depois, o passado dos familiares, tanto dela como de Diogo é descoberto, fazendo com que a família se separe. Semanas depois, desesperada, Elisabete corre, e ao chegar a casa começa a escrever uma extensa carta, agarra nuns comprimidos e engole-os. Felizmente Diogo chega a tempo de a salvar. Imensas coisas aconteceram ao longo dos anos que se foram passando e no dia em que Elisabete e Diogo acabaram a Universidade, todos se reuniram para celebrar. Este, bastante nervoso, levanta-se e?

CRIANÇAS E JOVENS EM PERIGO

CRIANÇAS E JOVENS EM PERIGO

Este estudo foi realizado na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo. Para melhor compreendermos o fenómeno da violência infantil, sendo o caso mais comum e em foco na Comissão, vamos referir e clarificar neste estudo algumas questões tais como: A repercussão dos conflitos conjugais origina filhos traumatizados, revoltados ou com dificuldades no desempenho e insucesso escolar? O maltrato físico e psicológico poderá levar a consequências para o desenvolvimento cognitivo, afetivo e social da criança/adolescente? A violência infantil pode ter implicações graves no desenvolvimento da criança, levando por vezes à morte ou a ferimentos graves? Nalguns casos, os efeitos estão mais ocultos, em que a violência afeta mais a saúde da criança e a sua aprendizagem. Neste estudo, procuraremos dar a conhecer a Instituição, os projetos que foram desenvolvidos e todas as áreas de intervenção. Será também apresentada a recessão teórica acerca das problemáticas, bem como todas as atividades realizadas ao longo deste trabalho.

O ENIGMA DO UNIVERSO EM LISBOA

O ENIGMA DO UNIVERSO EM LISBOA

Dois jovens antropólogos, durante um projeto de investigação sobre jazigos do Cemitério do Alto de São João, descobrem algo misterioso e guardam consigo um objeto enigmático, desconhecendo o poder de tal artefacto. A busca incessante por respostas, leva-os a cruzarem-se com uma sociedade secreta, que tudo faz para os eliminar. A cidade de Lisboa é a guardiã da salvação da Humanidade e palco de guerra entre as raças hostis que tentam obter o domínio de alguns planetas, inclusive do nosso, através das religiões, política, organizações governamentais? A limpeza planetária começará e o campo magnético da Terra será alterado. Conseguirão os jovens investigadores descobrir todo o enigma e salvar o mundo? Será a energia Vril utilizada para o bem?

RUA DOS REMÉDIOS

RUA DOS REMÉDIOS

Rua dos Remédios é um romance de ficção histórica que decorre durante a 2.ª Guerra Mundial. Com a derrota na Operação Lobo-marinho nos céus do Reino Unido, Adolf Hitler é aconselhado a conquistar Gibraltar para alcançar o domínio do Mediterrâneo ? Operação Félix, que seria completada com a invasão de Portugal e ilhas Atlânticas caso houvesse resistência pelo Reino Unido ? Operação Isabella. Franco nunca aderiu abertamente ao plano. Neste livro o autor inverte a Historia e Portugal Continental é invadido. Recheado de personagens que tentam retratar o ambiente que se viveu em Portugal nos anos da neutralidade de Salazar, como vão agora reagir? A Historia é centrada na Rua dos Remédios em Alfama. O autor pretende transmitir o ambiente da época e deixa um cheiro a sardinha assada e fado vadio na Historia da 2.ª Guerra Mundial.

ARMANDO GAMA

ARMANDO GAMA

Lembra-se de ver Armando Gama vencer o Festival RTP da Canção, em 1983? Mas sabia que ele também foi produtor? E sabia que ele até pinta e escreve poemas?! Há momentos que marcam uma vida, mas atrás de um grande momento, há sempre outros que passaram mais despercebidos e quisemos relembrar isso. Dizem que uma pessoa só se torna completa quando faz um filho (Armando Gama tem 3), planta uma árvore e escreve um livro. A ele só lhe falta publicar o último passo. Enquanto isso, fizemos nós esta biografia, para que possa conhecer o Homem por detrás da Balada!

SENTIRES DE MIM PARA TI

SENTIRES DE MIM PARA TI

?Sentires de mim, para ti? deixou de ser um livro somente de palavras, a partir do momento em que o desenho apareceu. A sua fusão dá ênfase a todo o sentir que passou a ser partilhado, transformando uma simples sensação num gigante afetuoso que nasce no coração de quem escreveu e de quem desenhou. Em cada página, o nosso ser. Coloca-te numa posição em que sossegues a tua mente e recebe o que saiu do nosso coração em forma de palavras e desenhos. Sente a melodia silenciosa. Podem ser poesias muito similares, mas quando relidas, há particularidades divergentes que cada coração recebe da sua forma tão própria. ?Sentires de mim, para ti? é uma porta entreaberta a uma viagem, por isso, permite-te sentir, permite-te expressar, permite-te ser até o que desconheces em ti.

MEMÓRIAS

MEMÓRIAS, REFERÊNCIAS E PERCEÇÕES

A educação, a vida e a profissão. Após trinta e seis anos de vida profissional intensa e multifacetada, conta-nos como se formou, por onde andou, com quem andou, o que fez e como fez. Fala-nos de sucessos e de insucessos e dá-nos a sua opinião, critica, mas construtiva, sobre temas e problemas tais como, entre outros, a educação dos jovens, o insucesso escolar, a avaliação dos alunos, das escolas e dos professores. Recorre muitas vezes a citações das suas referências culturais para melhor explicitar as suas crenças e os seus sentimentos. Entre outras influências, bem notórias, não esconde o fascínio pelo telurismo de Torga, pela Ética Kantiana, pelo construtivismo de Piaget e pela lírica de Pessoa. Ainda no que se refere a influências, diz-nos que é difícil percorrermos o caminho da realização pessoal em absoluta solidão, sem companheiros de estrada, o olhar dos outros e o afeto de alguns. Agradece aos seus colegas de trabalho, que diz serem muitos, que o incentivaram, reconheceram os seus méritos, ajudaram nas suas dificuldades e aqueceram e iluminaram os seus dias de trabalho. Confessa-se orgulhoso por ter sido professor, uma profissão que, desde a primeira hora, sempre lhe pareceu uma privilegiada plataforma de crescimento humano, de aprendizagem de tudo e de abertura a todos. Diz que foi como professor que estudou o que quis e o que gostou de estudar, e que se relacionou de forma mutuamente muito gratificante com muita gente. Segundo a sua filosofia de vida, é assim que a vida faz sentido e que faz sentido o que andamos a fazer neste mundo.

EMOÇÕES À FLOR DA PELE

EMOÇÕES À FLOR DA PELE

O livro ?Emoções à Flor da Pele? é um romance que nos retrata a vida de uma adolescente, Elisabete com apenas 13 anos. Ela, juntamente com os pais, a irmã mais velha e a prima, que desde os 5 anos vivia com os tios, mudaram-se há pouco tempo para a vila do Bombarral. Numa segunda-feira normal, ela descobre que na turma terá um rapaz novo, o que para ela significava a oportunidade de fazer um novo amigo, mas será que se ficaram pela amizade? Tempos depois, o passado dos familiares, tanto dela como de Diogo é descoberto, fazendo com que a família se separe. Semanas depois, desesperada, Elisabete corre, e ao chegar a casa começa a escrever uma extensa carta, agarra nuns comprimidos e engole-os. Felizmente Diogo chega a tempo de a salvar. Imensas coisas aconteceram ao longo dos anos que se foram passando e no dia em que Elisabete e Diogo acabaram a Universidade, todos se reuniram para celebrar. Este, bastante nervoso, levanta-se e?

A LUZ POUCA QUE NOS VÊ COM RAZÃO

A LUZ POUCA QUE NOS VÊ COM RAZÃO

Pretende colocar-nos no centro dos mundos, assumindo que cada um de nós tem o seu, alertando-nos para os restantes que nos rodeiam e para aqueles que são criados em comunhão com quem partilhamos o espaço físico ou inteligível de forma mais íntima, seja quem ou o que for. A poesia toma lugar com a finalidade de poder ser interpretada a bel-prazer de cada leitor, não deixando, porém, de o encaminhar para as questões relacionadas com o quanto se diz nas entrelinhas das palavras e das ações dos nossos quotidianos. Tal como uma luz pode ser esclarecedora, por pouca que seja. É um livro de reflexão, por vezes ornamentado, outras vezes seco e explícito. Assim como a vida, sempre.

AGARRA-ME

AGARRA-ME

O ?Agarra-me? é uma compilação de textos escritos ao longo dos anos. Advém da experiência de vida, de muitas leituras efetuadas sobre assuntos associados a uma componente reflexiva, filosófica, espiritual e carnal. Origina-se num impulso, raramente explicável, por aflorar na pele e existir nos dedos. Alerta para a importância da vida – na sua unicidade- que merece ser agarrada com todo o nosso ser. No ?Agarra-me? há um encontro com o ?eu? na vida manifestada e há o ?Eu sou? que dá alegoria à essência. Realizado para ser desfolhado a qualquer momento do dia, quer em leitura corrente, como podendo ser aberto numa página ?ao calhas?, uma vez que abrange todos os temas que compõem as camadas da vida. O ?Agarra-me? tem o lado LUZ e o lado SOMBRA, tal como qualquer um de nós o tem. Evoca-nos a perceber qual dos lados queremos abrir e reflectir em nós. Assim o espero como uma luz que toque, de algum modo, cada coração, e que cada um o coloque onde lhe fizer mais sentido para AGARRAR a Vida, concedendo-se a oportunidade de estar grato pelo seu SER. Pergunta-lhe o que precisas saber. Abre-o numa página. Procura e encontrarás. Lúcia Matias

A(BRAÇOS) COM A DISTÂNCIA

A(BRAÇOS) COM A DISTÂNCIA

Num lugar recôndito, entre densos pinhais, uma família desmorona-se quando os pais são acusados de negligência parental. O envolvimento de instituições como a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens e a Segurança Social move-se no silêncio de quem anseia ser dono da própria vida. Laura, a filha mais velha, luta para voltar para casa dos pais após ter sido institucionalizada. Uma luta inglória, até descobrir pedaços da sua vida que até aí desconhecia.

O SILÊNCIO DO MEU PERDÃO

O SILÊNCIO DO MEU PERDÃO

Sara, uma estudante universitária, nasce no seio duma lendária família, onde tinha tudo menos o amor dos pais. Sentia-se um estorvo na vida deles. De repente, vê-se sozinha quando, por vergonha, os pais não aceitam a sua gravidez e expulsam-na de casa. Em busca duma vida melhor para criar os seus gémeos, Sara é traída pela sua inocência e inexperiência de vida, sendo traficada para a prostituição. Num país diferente, acaba por se afundar na tristeza, sem coragem para lutar. A vida dá uma reviravolta quando conhece Samuel, um médico que se apaixonará por ela resgatando-a do caminho deprimente onde Sara se encontrava. Sara descobre o verdadeiro significado da palavra amor. Vive uma gravidez calma e feliz ao lado de Samuel, até ao dia do nascimento dos seus gémeos?

TRAVESSIAS DE DESCOBERTA

TRAVESSIAS DE DESCOBERTA

Arrojo e indignação são os sentimentos que gravitam à volta da poesia de António Branquinho, mas que de nada valeriam se a eles não se lhes juntassem o brilhantismo, a criatividade e o rigor da redação poética. Por mares ?muito pouco” navegados, vai António Branquinho neste soberbo trabalho, resultado de um projeto ambicioso, que acabou dividido em duas partes. Na primeira, eleva-se ao máximo Portugal, os portugueses e a Alma Lusitana. Na segunda, o autor desdobra-se em poemas diversos, mas unidos por uma organização e estrutura de um modo quase académico, das estéticas e métricas da arte poética.” “

HOJE POR TI AMANHÃ POR MIM

HOJE POR TI AMANHÃ POR MIM, 2ª EDIÇÃO

Por variadas circunstâncias, a vida de Constança transformou-se ao chegar a Moura. Ela é uma pessoa discreta genuina e descendende de uma familia real, daí surge a necessidade da procura do seu sangue para concretização da famigerada profecia que se transforma numa corrida contra o tempo, que já escassava ser possivel a sua realização, à medida que a meia-noite se aproximava a passos largos. Por entre caminhos duvidosos trava luta entre pessoas, que não têm qualquer escrupulos e ainda acreditam em algo que ao concretizar-se seria uma autêntica hecatombe para a humanidade. Só que a seu lado impera a força da magia, que nunca a abandonou. Iva, Barbara, Francisco, Cristina, Leonardo, Rafael, João, Carminho, Sergio e David lutaram a seu lado até que a manobra orquestrada surtisse os seus efeitos. Entre a beleza de Moura, que fascina, o encanto da natureza, dos maravilhosos pratos tradicionais e da sua interessante Historia, das igrejas, dos conventos, do castelo, Moura ajudou Constança no arranque da sua vida profissional e na recuperação da sua própria fé cristã, preparando-a a comprender melhor o segredo misterioso que existe em todos nós. Alguns dos assuntos, que são debatidos pela sociedade, tais como os animais potencialmente perigosos e o bulling, que David trouxe à sua vida, são apresentados de forma clara, o que a leva a concluir que as pessoas em certos casos especificos, são o animal racional mais perigoso que anda ao de cimo da terra. A sua visão da vida transformou-se. A fé acompanhou-a e levou-a a alcançar a felicidade plena e a viver mais tranquila. Bárbara à mercê da sua arte mágica e do seu poder de imaginação, passou a fazer parte da sua vida e a magia aconteceu. Mais uma vez se conclui que a religião se mostra também envolvida pelo poder economico e pelo dinheiro mas errare humanum est”.,pois as nossas atitudes e opções, caracterizam a nossa própria vida quotidiana.. “

CRIMES D'OURO

CRIMES D’OURO

Passou um século desde que Luísa, a irmã mais velha de uma família pobre de Termas de S. Vicente, Penafiel, herdou uma das maiores fortunas do país, isto porque, Gaspar e Elisabete conheceram-se e uniram-se em busca da verdade de um dos crimes mais hediondos da humanidade. Num misto de crimes e paixões, da pobreza à exuberância, o Rio Douro – no cerne da Historia – leva-os a caminhos e trilhos jamais imagináveis onde tudo acontecerá?

AS EXPLICAÇÕES DO PONTES

AS EXPLICAÇÕES DO PONTES

Tudo começou durante a minha licenciatura, na Escola Superior Agrária de Coimbra. Aluno de Engenharia, como muitos outros, desenvolvi uma aptidão especial pela matemática (na altura, análise matemática, onde se estudava essencialmente o cálculo integral).

O ENCONTRO

O ENCONTRO

A obra ?O Encontro?, tal como o título sugere, conta, através de várias Historias, o fascínio que acontece entre um homem e uma mulher. A descoberta imediata ou descoberta que se vai gerando no dia a dia de cada um. O fascínio gerador de tranquilidade e satisfação ou fascínio que leva ao desespero. Historias realistas, umas, metafóricas, outras. Historias ligadas à Historia ou Historias da Historia de cada um. Também o desvendar de um Amor para além do amor.

ALMA IN VERSOS

ALMA IN VERSOS

Tenho Medo de Escrever Tenho medo de escrever. É tão perigoso. Quem tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto ? e o mundo não está à tona, está oculto em suas raízes submersas nas profundezas do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio terrivelmente perigoso: dele arranco sangue. Sou um escritor que tem medo da cilada das palavras: as palavras que digo escondem outras ? quais? talvez as diga. Escrever é uma pedra lançada no poço fundo. Clarice Lispector, in ‘Um Sopro de Vida’

III CONCURSO LITERÁRIO

III CONCURSO LITERÁRIO

O Nosso Livro Deixa-me dizer-te, meu caro, pode bem acontecer que vás através da vida sem saber que debaixo do teu nariz existe um livro no qual a tua vida é descrita em todo o detalhe. Aquilo do qual nunca te deste conta antes, vais relembrando aos poucos, assim que comeces a ler esse livro, e encontras e descobres… alguns livros tu lês e lês e não lhes consegues encontrar qualquer sentido ou lógica, por mais que tentes. São tão espertos” que não consegues perceber uma palavra daquilo que dizem… Mas esse livro, que talvez esteja logo debaixo do teu nariz, tu lês e sentes-te como se tivesses sido tu próprio a escrevê-lo, tal como ? como é que hei de dizer ? ? tal como tivesses tomado posse do teu próprio coração ? qualquer que este possa ser ? e o tivesse virado do avesso de forma que as pessoas o consigam ver, e descrito com todos os detalhes ? tal e qual como ele é! E como isto é simples, meu Deus! Porquê, eu próprio poderia ter escrito este livro! Porquê, de facto, porque é que eu próprio não escrevi este livro! Fiodor Dostoievski, in “Pobre Gente” “

O RUBRO PERFUME DAS ACÁCIAS

O RUBRO PERFUME DAS ACÁCIAS

Romance de iniciação, pois. Romance-manifesto, também, contra o celibato funcional imposto aos padres pela disciplina eclesiástica. Obrigado a escolher, Nuno sabe que seguir um caminho na vida significa renunciar a muitos outros caminhos elegíveis. ?Serei eu a decidir?, disse, e por fim, com mágoa, decidiu abandonar o seminário, disposto a descobrir outros mundos onde a aventura de viver pudesse ter sentido. Este olhar retrospectivo sobre os anos de 1960 e de começos de 1970, vividos no sul de Moçambique por um seminarista dividido entre dois amores, não é só uma Historia de contornos dramáticos. É igualmente uma criação literária exemplar que merece ser lida. Servida por uma arte de escrever e de conversar, ágil e sóbria, a Historia vai sendo contada em prosa elegante, precisa, transparente, muitas vezes poética. E a convidar-nos a entrar nela, oferece-nos as fragrâncias da perfumada hipálage que lhe serve de título. Luís Machado de Abreu Nuno é um seminarista sinceramente convicto da sua vocação para o sacerdócio. No decurso de umas férias apaixona-se por Guiomar, uma moça alegre, sensual e algo volúvel. A partir daqui, a vida de Nuno transforma-se num drama íntimo que lhe vai sugando as energias psíquicas e provoca angústias e desequilíbrios emocionais que acabam por levar a comportamentos de revolta, à contestação dos princípios religiosos que são a base da sua educação, à demanda obsessiva de realização amorosa e sexual e, finalmente, ao abandono do seminário. A Historia passa-se no final da década de 60 e início da década de 70 do séc. XX, no sul de Moçambique, num triângulo geográfico-social constituído pelo Colonato do Limpopo, espaço rural de gente simples e laboriosa, a vila da Namaacha, aprazível estância dos Montes Libombos onde se situa um centro de devoção mariana, e Lourenço Marques, a bela e cosmopolita capital de Moçambique. Como pano de fundo, as transformações sociais, políticas e religiosas em curso nessa época. Como temática fundamental, o romance aborda a questão do celibato dos padres católicos e as consequências psicológicas e comportamentais da sua imposição. Paralelamente, são abordadas questões relacionadas com os dogmas fundamentais do catolicismo e o problema da exclusão das mulheres do sacerdócio.

A CASA DOS AFETOS

A CASA DOS AFETOS

Luzia era uma menina franzina que não tinha nem pai nem mãe. Um dia, encontrou uma casa misteriosa? tão grande e com tantas janelas diferentes. O que será que tem esta casa de especial? A vida de Luzia irá mudar para sempre!

CASIMIRA

CASIMIRA

Casimira relata a Historia de uma prostituta moderna que só faz o que quer, e que tem no seu caderno diário o seu melhor amigo, a quem confia os seus pensamentos mais íntimos. Segura e confiante, aprendeu a controlar os homens com inteligência e sedução e é por isso respeitada por quem a conhece. De tantos interessados que entram e saem da sua vida, a paixão surgiu onde devia ser proibida. De sedutora a seduzida, o livro conta-nos as Historias desinibidas e soltas da Casimira na leitura atenta do seu maior fã.

O MEU PÁSSARO REBELDE

O MEU PÁSSARO REBELDE, 2ª EDIÇÃO

Naquela altura era de facto uma ofensa para as famílias, uma gravidez em solteira, no namoro. No entanto, quando ao fim de dois meses me apercebi que estaria grávida, dirigi-me ao meu pai e informei-o do que se passara? ? ? Dá-me um abraço, meu filho! O teu exemplo e as palavras motivadoras que me foste endereçando contribuíram decisivamente para que me sinta um novo homem, um homem recuperado da vida lúgubre que levava?

HÁ QUEM NÃO ESCREVA POESIA

HÁ QUEM NÃO ESCREVA POESIA

Imaginem um mundo onde toda a gente escreve poesia: o professor, o presidente, o CEO daquela enorme empresa de que ouviram falar uma vez nas notícias, a estudante de Biologia Molecular que vive fora do país? O que escreveriam estes improváveis poetas? Com o pretexto de expressar tudo em verso, discute-se a saudade, a razão, a religião, o patriotismo, e até mesmo a poesia em si.

O MECANISMO DE MATAR

O MECANISMO DE MATAR

Quando terminou aquela quarta-feira estava decidido que um homem deveria morrer. Porque era mau. Esse engenheiro, administrador da empresa onde Jean Pierre era o director de pessoal, propusera um plano de eliminação de trabalhadores que deixaram o francês no limbo das folhas de Excel que deveriam revelar-lhe as gorduras a eliminar. Perdido na mais terrível das questões morais, são os amigos que desenham o plano para anular o engenheiro. Mas dizer ?vamos matar um homem? é uma sentença mais fácil de pronunciar do que de executar. As semanas seguintes são feitas do jogo de sedução de Joaquim, o herdeiro de vinhateiros do Douro que procura impor esse projecto a Tomás, o assessor municipal, e Andrés, jornalista falhado numa editora para adolescentes. Pelo meio há uma planta que definha num vaso e um casamento que parece não ir a lado nenhum. Numa Lisboa adormecida pelos pequenos nadas, a fuga para Espanha pareceu-lhes por momentos uma boa solução, mas a luz da capital chamava por eles.

VITÓRIA

VITÓRIA

Este apanhado de textos é o resultado de algumas conversas, onde a partilha de sentimentos e emoções vividas foi uma constante. São retalhos de momentos que preenchem quotidianos, são lições de vida que me reforçam a ideia de que uma existência vazia de amor em nós e para os outros não tem significado. Temos sempre a necessidade de pertencer a algum lugar, de pertencer ao mundo de alguém. Não é importante o que damos, fazemos ou como somos. O que tem importância são os valores que transmitimos e a marca que deixamos naqueles que se cruzam no nosso caminho. Essa é a obra que faz parte da nossa Historia e será a forma como seremos recordados.

SUPERE DESILUSÕES AMOROSAS E PERTENÇA A SI MESMO!

SUPERE DESILUSÕES AMOROSAS E PERTENÇA A SI MESMO!

Muitas pessoas têm sofrido por questões amorosas, por ainda não possuírem autoconhecimento suficiente, tão-pouco habilidades desenvolvidas para lidar com um amor não correspondido, com a dependência afetivo-emocional, o ciúme, a possessividade, o fim de um relacionamento, dentre outras questões que são abordadas neste livro. Deceções amorosas, nunca mais! Tem por objetivo proporcionar importantes reflexões acerca de aspectos importantes da vida sentimental através de regras simples, bem como de ?princípios universais? que foram observados e constatados em minha prática clínica enquanto psicóloga. Apresenta uma leitura acessível a todos aqueles que se interessam por esta temática, expondo ao final de cada capítulo pontos de caráter reflexivo, com o propósito de fixar aspetos que necessitam de uma observação mais acurada.

DIÁSPORA VARINA

DIÁSPORA VARINA

? A Murtosa é a terra onde o avô nasceu, não é, avô? Como é que era? Como é que o avô fazia? Como é que brincava? Onde brincava? Tinha amigos? Como era a escola? ? interrogou freneticamente Maria.

CENAS E COISAS

CENAS E COISAS

estar por estar não estejas com alguém só por estar, porque aquele com quem deverias estar ? poderá passar, e ao ver que por aí estás, não sabendo que estás estando, seu caminho seguirá andando, e aí te deixará ficar. estar por estar, não é nenhum rio que te leve ao mar, é um buraco negro, do qual só tu te poderás salvar.

ESTIRADOR COM ESCRITOS

ESTIRADOR COM ESCRITOS

Chamei por ti na árvore que feri que o fogo sarou chamei por ti, escrevendo, na areia que a orgia do mar na praia apagou e quando esquecemos que a vida acontece o último dia juliano anuncia melhor dia amanhã

O MENINO QUE VOAVA COM OS PÉS NO CHÃO

O MENINO QUE VOAVA COM OS PÉS NO CHÃO

Luisinho está a aprender as primeiras letras. A construção de cada nova palavra e o seu significado tornam-se um mistério para ele. Aumenta-lhe a curiosidade e estimula-lhe a imaginação. Entre os passeios com o pai e as Historias da mãe, Luisinho interroga-se constantemente. Quanto mais se interroga, mais descobre. Isso ajuda-o a compreender o mundo em que vive e a transformá-lo à sua maneira, à maneira da sua imaginação. Luisinho tem um fascínio pelo objeto livro, em especial pelo dicionário, porque sabe que é aí que vai conseguir descobrir o significado de todas as palavras. Numa sociedade digital que está a evoluir a uma velocidade estonteante, onde tudo se escreve e tudo se apaga com um clique, o livro é um objeto que as crianças devem conhecer, brincar, aprender, admirar e preservar. Faz parte do futuro. Do futuro de todas as crianças e de todos nós.

AS DORES DE UM POETA

AS DORES DE UM POETA

Neste livro, vai encontrar-se num mundo em que o que é escuro claro se torna, mostrando a verdade dura e crua do que nos rodeia. A verdade que jamais se recusa ver, a ação que jamais se pensa fazer. Vai entrar num mundo onde tudo é possível, vai conseguir viver a realidade de uma maneira diferente, de uma maneira mais verdadeira. Neste livro vai finalmente aprender a ver, o mundo é que vai deixar de sobreviver e começar a viver. Dedico este livro à minha musa, que ajudou a tornar este sonho realidade.

UMA PAIXÃO PARA A ETERNDADE

UMA PAIXÃO PARA A ETERNDADE, 2ª EDIÇÃO

E se, repentinamente, alguém sumisse sem deixar rasto? O enigmático desaparecimento de duas mulheres, mãe e filha, em Paris, no século XVIII, é o pretexto para um encontro ficcionado entre o filósofo francês René Descartes (1596-1650) e o filósofo escocês David Hume (1711-1776). Unidos na tentativa de resolução deste mistério, Descartes e Hume confrontam alguns dos principais temas dos seus sistemas filosóficos, como a possibilidade do conhecimento humano e a sua origem, a identidade, as paixões da alma, a existência de Deus, de um génio maligno e da matéria.

ETERNO SONHADOR

ETERNO SONHADOR

Cresci mudo, calado e não ouvia o som da minha voz. Busquei a mímica como opção, mas a mímica e as tentativas posteriores foram incapazes de contornar a situação. Cresci mudo, e na mudez passei por um ser insignificante. Na mudez não podia opinar sobre as transformações devastadoras a que a humanidade se submetia, não podia declarar-me nas paixões que prendiam a minha respiração, como não conseguia fazer uma vénia a quem merecia a minha admiração. Na mudez limitei-me em crescer, e ao crescer, a sincronia da dor e sofrimento era algo inevitável. Cresci, e mesmo crescido, continuava incapaz de comunicar-me. Cresci e conformei-me estático na minha zona de conforto. Por ironia do destino, no silêncio, resolvi gritar numa folha de papel, e para o meu espanto, cheguei a mil trezentos e trinta watts de som, em pleno silêncio, sem poluir a essência sonora. Daí que nada mais podia fazer, a não ser embarcar no maravilhoso mundo da escrita, por ser o veículo perfeito para elevar a minha voz, e por permitir-me ir além dos mil trezentos e trinta watts de som, sem poluir o silêncio no silêncio.

ABRAÇAR A LIBERDADE

ABRAÇAR A LIBERDADE

Preciso duma mão para agarrar o mundo o momento. Acreditar na viagem encontrar o dia.

PALADARES DA VIDA

PALADARES DA VIDA

Talvez seja uma vontade, um sonho ou mesmo uma possibilidade? O rasto que deixamos no coração dos que se cruzam no nosso caminho ajuda-nos a sentir a vida de uma forma diferente, mais rica, mais opulenta? Será esse o propósito da nossa existência? Será que, para além da nossa tranquila vida de seres egocêntricos e cheios de certezas, existe um desígnio mais reduto, onde a dimensão deixa de ser aquela que vemos e se alonga a uma dimensão incorpórea? Assim quero? E, se assim for, aqui quero deixar a minha pegada?

MARIA COVILHÃ

MARIA COVILHÃ

Maria Covilhã, a Fiadeira – Uma Viagem no tempo é o desenrolar da vida da Covilhã desde as suas origens, contada por jovens alunos das Escolas e orientados por Professores de Historia, num teatro ao ar livre. A alegria própria da juventude e o entusiasmo com que eles fazem a recolha de dados e narram os factos conferem à narrativa uma caraterística especial que a torna leve, viva e atraente.

À PROCURA DE MIM

À PROCURA DE MIM

?À procura de mim? não é um romance, mas tem a palavra amor. Também não é uma autobiografia, apesar de o ?eu? estar presente. Poderia ser um conto de fadas, contudo o final nem sempre é feliz. É, sim, um conjunto de textos que nos fazem questionar de uma forma leve e sóbria a relação entre as pessoas e a busca do amor próprio e da nossa verdadeira essência; porque mesmo que tentemos recalcar quem somos verdadeiramente, há sempre um dia em que nos olhamos ao espelho e perguntamos: quem és tu?

OUTROS TONS DA MEMÓRIA

OUTROS TONS DA MEMÓRIA

O velho poeta escrevia O que lhe ia no coração Escrevia o que sentia Como se rezasse uma oração

KARMA

KARMA

E se lhe fosse dada a possibilidade de reviver o passado com a sabedoria do presente? Sabendo o que correu mal, voltaria a tentar? Desta vez faria tudo de forma diferente? Acompanhe a Historia de Pedro na sua procura para estas e outras respostas às perguntas com as quais tantas vezes nos deparamos. Um homem de meia-idade confrontado com as dificuldades de criar um filho adolescente e assombrado por um divórcio iminente. Um golpe do destino que reaproxima dois amantes separados durante anos e reacende um amor extinguido pelo tempo. Juntos procuram reconciliar os erros do passado sem olhar à moralidade do presente e à incerteza do futuro.

O REENCONTRO DAS ALMAS

O REENCONTRO DAS ALMAS

Um encontro das vidas passadas, que se torna um ponto de partida para um despertar de consciência, de que a vida não é só aquilo que conseguimos ver. Uma viagem entre o passado e o presente, entre a Terra e o Céu, para descobrir o verdadeiro propósito de reencontro das almas-gémeas.

O MEU PÁSSARO REBELDE

O MEU PÁSSARO REBELDE

Dá-me um abraço, meu filho! O teu exemplo e as palavras motivadoras que me foste endereçando contribuíram decisivamente para que me sinta um novo homem, um homem recuperado da vida lúgubre que levava?

PERPÉTUA DA RODA

PERPÉTUA DA RODA

Numa madrugada, corria o ano de 1884, umas pancadas fortes nas portadas de uma casa com brasão rasgam a noite. Abandonada, jaz uma seira, com um bebé lá dentro… Assim começa o longo périplo de Perpétua que, com apenas 4 dias, será levada para o hospício de Santa Clara, em Vila Real. Criada por uma ama em Lamas, cedo voltará a atravessar montes e vales para se tornar criada de servir numa casa abastada em Vila das Fontes… Aí lhe nascerá Maria Rosalina, fruto do estupro, que criará, fintando a miséria, o estigma de exposta e a visceral dor da rejeição que acabará por marcar também o destino de Rosalina, nunca reconhecida pelo pai e mal-amada pela mãe… Não obstante as adversidades, Rosalina parirá 13 vezes cuidando da sua prole com afinco e acabando sempre por renascer das muitas perdas que lhe marcarão o caminho. Esta é uma Historia que atravessa três gerações, uma Historia de revelia em busca de um destino mais clemente… É a Historia de um legado ? o legado destas mulheres que sempre aprenderam e ensinaram a arte da superação: de si mesmas e da sua condição. Esta é, ao fim ao cabo, a Historia de gente sem Historia e o retrato do Portugal rural de então: a crónica da luta pela sobrevivência de milhões de pessoas que singraram apesar de tudo e que, mal-grado a sua insignificância, se esforçaram por ser o melhor que puderam.

Marcador

COMO SER FELIZ

No livro Como Ser Feliz na Adversidade e no Mundo de Hoje, o Amor e a Felicidade estão para além de uma Historia pessoal. Trata-se de uma reflexão sobre o Homem no plano espiritual e respetivos reflexos no universo do ser humano. A Felicidade almejada pelo Homem é uma construção de cada um que supõe e determina uma atitude mental e uma atuação no meio social em que vive. Conforme é referido, uma árvore grande precisa de um tronco largo, sólido, para que se mantenha diariamente de pé. Na vida de cada um de nós, esse tronco sólido é a autoestima e autoconfiança que nos permitem viver cada dia sendo nós próprios, com as nossas capacidades e limitações, proporcionando-nos mobilizar umas e eliminar outras, numa construção do ?Eu? que é diária e singular. Sou um ser único nesta viagem passageira que é a vida, onde tenho de me valorizar mais a mim próprio, levando-me também a dar mais valor aos que me rodeiam e ser feliz através do amor, saúde, pensamento positivo, liberdade, otimismo, altruísmo, sorriso, gratidão, espiritualidade, ter um objetivo, propósito e sentido de vida, conviver com os amigos e com a família. A felicidade, bem-estar subjetivo, é também uma forma de vida, um estado de espírito, de paz interior. Tem a ver com o autoconhecimento, com a autoestima e estar atento ao que me faz feliz. António dos Santos a partir de um desamor e de uma profunda depressão, conseguiu reerguer-se, ganhar uma maior autoestima e autoconfiança e ser feliz. As reflexões que são feitas sobre a Felicidade são um precioso contributo para sermos felizes em qualquer situação ou crise em que nos encontremos ou venhamos a ter.

REVÊ A VIDA

REVÊ A VIDA

Não é um olhar abusivo, como na tua terra e no teu riso sem lugar algum, perdido numa lavadeira de mãos duras de tanto facilitar mares nunca antes encontrados, por não odiar a vida mais do que o amor nasce em nós. Não é numa guerra ignorante que não compreende o que consente e ofende sua gente, com pena de conservar o quanto e porquê de afogar o amor e a liberdade da felicidade marcada por vós ou para nós. Pedro Figueiredo

CARTAS DE APARTAMENTO

CARTAS DE APARTAMENTO

Um dia sem escrever é um dia perdido, pois há imensos detalhes que aos nossos olhos passam despercebidos. Cartas de Apartamento retratam o dia-a-dia da saudade e a vontade de viver um grande amor sem perder a doçura e a esperança. Cartas e poemas onde qualquer um pode ser o destinatário, cartas e poemas de um infinito diário!

MANUAL DE OFÍCIOS

MANUAL DE OFÍCIOS

O protagonista desta obra rememora a sua vida por via dos ofícios com os quais se cruzou ao longo da vida. O amor aparenta ser central nesta sucessão de missões na Bósnia e Herzegovina, mas depressa nos apercebemos da vacuidade desse sentimento. A reflexão impõe-se-nos como elemento fulcral desta reconstrução sucessiva de identidades por entre as diversas pessoas conhecidas, possuídas e amadas. Por entre enredos quase folhetinescos e recordações de momentos de sofrimento, perdemos o rumo às nossas crenças por momentos e reencontramo-nos com velhos preconceitos. Ficamos a saber quais os remansos do medo onde se alberga a justificação da violência contra idosos, mulheres, crianças; enfim, todos os aspetos do Outro que nos dilaceram e, por vezes, comovem. Existe mais do que uma mente na experiência de se ser humano? Como conciliar a ideia de justiça com o conhecimento cabal da injustiça? De que forma o facto de sermos parte de um império morto nos faz ambular pelo mundo fora fingindo estarmos vivos? Qual a natureza do mal e qual a relação dessa natureza com a nossa existência? Estas e outras questões emergem das experiências do primeiro-cabo cabo-verdiano, que nos guia por entre as trincheiras da manutenção da paz.

MORS-AMOR

MORS-AMOR

MORS-AMOR é um hino à morte e ao amor. Com um título inspirado num soneto anteriano, este livro, constituído por dois internamente, pretende despertar o leitor para as circunstâncias da morte, mas também para as circunstâncias sóbrias do amor. Com uma poesia de estilo próprio que o autor reconhece como verdadeiramente sua, MORS-AMOR é a apologia da vitória do amor sobre a morte. É a apologia de um sentido verdadeiramente real e absoluto para as nossas vidas.

MATELA

MATELA

Matela é uma aldeia transmontana do concelho de Vimioso, sem referências bibliográficas históricas, investigativas ou etnográficas, perdida entre as ladeiras atapetadas de giestas e estevas que bordejam os rios Sabor e Maçãs, nascidos em Espanha. Matela ? Investigar, Historiar, Contar é um manifesto contra o esquecimento imemorial, que consocia os matelenses intemporais com o passado oculto, ora relembrado: reclamando direito à Historia na pré e na pós-nacionalidade; descobrindo a sociedade rural e agropastoril isolada, dos séculos XVIII e XIX, que se infere do Interrogatório mandado fazer por Marquês de Pombal logo depois de terramoto de 1755; preservando costumes, tradições e festividades originários da Antiguidade, cristianizados, uns, mantendo as características pagãs, outros; imortalizando o Pordomingo como local mirífico de aceitação e entrada dos rapazes na adultícia e espaço venerado de encontro de rapazes e raparigas; divulgando, por fim, contos rurais protagonizados pelo autor ou escutados na puridade dos recantos solheiros, apetecíveis nos dias desocupados e frios de inverno. Matela ? Investigar, Historiar, Contar encerra historicidade surpreendente, informação enternecedora e respostas coletivas incontáveis que os descendentes da diáspora matelense, iniciada na primeira metade do século XX, desejam confrontar com as referências ciciadas por antepassados próximos, ou ambicionam conseguir para suprir a ausência de menções ou de relatos, silenciados por pais e avós na ancianidade e protérvia que marcam o fim.

BREVE HISTORIA DO DIREITO DAS CRIANÇAS E DOS JOVENS

BREVE HISTORIA DO DIREITO DAS CRIANÇAS E DOS JOVENS

O direito das crianças e dos jovens é recente. A partir do iluminismo humanista, nos séculos XVII e XVIII, começou a olhar-se para as crianças como seres em formação e não como ?pequenos adultos?, como antes eram consideradas. Desde então, a legislação foi profícua em projetos de educação e proteção das crianças. No entanto, todos estes ideais esbarravam na dificuldade de concretização devido às crises económicas e políticas, durante os séculos XIX e XX. E atualmente? Será que temos feito tudo para proteger e defender as crianças? Quando ouvimos, em pleno século XXI, casos de bebés encontrados em lixeiras, situações de fome, tráfico, escravatura e até de sacrifícios de crianças, notícias que não são exclusivas dos países menos desenvolvidos, tudo isto nos envergonha enquanto sociedade que se diz civilizada. Neste trabalho apresentamos alguns pontos de reflexão breves sobre o modo como as crianças e jovens foram considerados ao longo dos tempos até aos nossos dias.

AINDA QUE...

AINDA QUE…

Um pouco do muito que a vida nos permite viver parece transparecer das páginas deste pequeno livro. E porque «o poeta é um fingidor», refugia-se nas palavras para dizer o que lhe vai na alma. Misturando um pouco do sentir que coloca na vivência espiritual com a experiência do dia-a-dia, procura abranger aspetos da vida, tendo Deus como um Amigo sempre presente. Por outro lado, os sentimentos de amor, amizade, ternura e companheirismo (imprescindíveis à vida do ser humano) assomam expectantes ante a simplicidade das palavras, ainda que? não digam tudo o que gostariam de dizer?

CULTURA DA MODA E GLOBALIZAÇÃO

CULTURA DA MODA E GLOBALIZAÇÃO

Para a grande maioria do público poderá ser uma surpresa que a cultura da Moda e a Igreja possam ter algo em comum; contudo, a exposição no Metropolitan Museum pretende mostrar essa parceria, de séculos, através da exibição de peças de vestuário e ornamentos que pertencem ao espólio da Igreja e que têm sido uma fonte de inspiração para os grandes criadores de Moda. Mas não se fixa apenas em uma única vertente, o cardeal Gianfranco Ravasi pretende ir mais longe. Cultura da Moda e Globalização: Os sacerdotes de um novo culto, é um trabalho de investigação, realizado ao longo de quase duas décadas, entre 1991 e 2008, onde a autora demonstra a profunda relação que existe entre a cultura da Moda e o Humanismo cristão. Através de um amplo suporte bibliográfico de revistas de moda a autora desenvolve o seu tema a partir da análise de artigos e reportagens fotográficas sobre a indústria da cosmética, dos perfumes, da joalharia, da arquitectura, pelos desfiles dos grandes criadores de moda, etc., de forma a concluir que o principal objectivo da cultura da Moda é a edificação de um mundo novo e a projecção de o ideal de uma nova Jerusalém. A actualidade e pertinência desta obra são as mesmas que revestem a iniciativa de Ginfranco Ravasi ao firmar uma parceria entre o Vaticano e a Revista ?Vogue?. Não se trata apenas de fazer pontes ao nível cultural mas de conduzir os crentes e os não-crentes ao âmago da questão.

RASGOS D'ALMA

RASGOS D’ALMA

O amor não se define nem se descreve. Porque assim perde a essência, diz quem sabe. O amor vive-se. Intensamente. E, quanto menos correspondido, mais intenso e sofredor. Neste conjunto de poemas, a redenção do sujeito poético, desesperadamente em busca de um amor perdido, é conquistada através da própria escrita, esta construída com base em alegorias inimagináveis e em jogos de palavras ainda mais enigmáticos.

PEDRAS DE FOGO

PEDRAS DE FOGO

A notícia ?caiu? que nem uma bomba na Fortaleza onde estava sediada a cadeia de televisão TQtv. Esta era a notícia que ninguém queria dar? Uma equipa de reportagem tinha desaparecido sem deixar vestígios. Temeu-se o pior. A Notícia ia apresentar imagens baseadas em depoimentos referentes a uma investigação que estava a ser levada a cabo, e denunciava o envolvimento de figuras importantes do meio Realense envolvidas no negócio de pedras de diamante e tráfico de divisas sob o patrocínio de algumas mortes por encomenda. O que acontece depois, parece não ter explicação. Um dos profissionais da TQtv vê cair sobre ele a acusação da morte de uma figura proeminente da sociedade Realense, aumentando assim o suspense vivido na estação televisiva! Acidentalmente, um sem-abrigo entra na Historia e a sua descoberta fortuita acaba por ter uma importância crucial na investigação que está em curso. Aí começam a surgir surpresas de onde menos se poderiam esperar. Quem era afinal aquela misteriosa personagem ?despida de sentimentos? que consegue enganar a confiança dos seus pares e ao mesmo tempo expulsar do caminho parceiros de uma mesma luta.

ENQUANTO AS MÃOS AINDA TREMEM

ENQUANTO AS MÃOS AINDA TREMEM

Dizem que para todas as perguntas há uma resposta. Vim a acreditar, verdadeiramente, que as perguntas são as respostas. Mas há, de facto, perguntas que tornam difícil a tarefa de descobrir a resposta. PORQUÊ EU?, é uma delas. Nos últimos anos de vida da minha mãe, que partiu demasiado nova devido a complicações geradas pela doença de Parkinson, para a ajudar a passar os seus últimos dias, redigi alguns versos para que ela os ilustrasse conforme a sua própria interpretação pessoal. Ela perguntava-se muitas vezes: PORQUÊ EU? Disse-o em voz alta talvez umas duas. No entanto, eu via essa pergunta nos seus olhos o número de vezes que não contei. A minha mãe sempre nutriu um gosto pelo desenho e pintura, tendo exposto, ao longo da sua vida, alguns dos seus trabalhos em diversas exposições e galerias. Na tentativa de fazer renascer nela o gosto pela vida que estava a escorregar entre os seus dedos, encetei numa busca de reactivar o seu prazer pela arte, na esperança (na esperança…) que a sua essência viesse à superfície e isso a ajudasse a encontrar aquela alegria, enquanto caminhava para o final da sua jornada terrena, ou pelo menos era isso que eu pensava. Na antiga civilização Maia existia uma expressão que era utilizada sempre que alguém de um grupo ou ente familiar estava prestes a morrer. Antes de ser dado o último suspiro, diziam: Tem uma boa viagem!

OITO VIAGENS UMA VOZ

OITO VIAGENS UMA VOZ

Oito viagens, uma voz? são narrativas que absorvem várias tonalidades: – A inesperada reunião na Mata do Morés na Guiné. -O engenho e perseverança de uma vida. -As irreversíveis discórdias de um casal. -A rigidez da recruta militar. -As magias do tempo. -A evasão de um submisso. -O autor e leitor, juntos, num jogo de sedução. -Uma ténue viagem pela memória.

EXPRESSÕES DO SENTIR

EXPRESSÕES DO SENTIR

Luísa de Jesus Pereira Brás Pacheco nasceu a 19 de janeiro de 1962, numa pequena aldeia de nome Covanca, na freguesia de Fajão, onde não chegavam estradas, telecomunicações, nem mesmo luz elétrica, até final dos anos 70. Filha de Alberto Brás, mineiro de profissão, e Maria Celeste de Jesus, doméstica, cresceu numa numerosa família de doze irmãos. Foram os mais velhos que sempre a acompanharam quando precisou de andar a pé dezenas de Km, a fim de frequentar a Escola em aldeias vizinhas. Depois da 4.ª classe, viria a concluir o ciclo preparatório na Escola Prof. Marcelo Caetano, em Pampilhosa da Serra, no ano em que se deu o 25 de abril de 1974. De volta a casa aos doze anos, e com a morte prematura de seu pai, restou-lhe a dura vida rural, de que se abstraia refugiando-se nos livros. Através da leitura, viajava e alimentava os sonhos, escrevia alguns versos e prosa, por vezes em pedras, que logo apagava ou escondia como se fossem segredos. Após ter casado, muito nova, com um jovem empresário na área da Construção, a sua vida alterou-se. Com muito trabalho, foi agarrando algumas oportunidades: tirou a carta de condução e adquiriu formação em Contabilidade /Fiscalidade, passando a exercer as funções de condutora, contabilista e administrativa na Empresa, para além de muitas outras tarefas. Entretanto, nasceram os seus dois filhos. Conciliar o trabalho profissional com o papel de mãe preenchia-lhe quase todo o tempo. Nunca deixou de ler, mas escrevia bem menos? Logo que apareceram as novas tecnologias, fez questão de aprender a mexer num computador e, numa fase mais recente, concluiu o 12.º ano num processo de RVCC. Mais um sonho e uma etapa concluída. Com o nascimento da netinha Matilde, passou a ficar mais tempo em casa, tomando conta dela. Enquanto a pequenina dormia, aproveitava para escrever, agora já no computador, por gosto e para ocupar o tempo. Começou, então, a publicar alguns escritos na sua página de Facebook, recebendo dos amigos inúmeros elogios e incentivo para continuar. E, assim, quando deu por si, tinha umas pastas cheias de versos, poucas prosas, com muitos amigos a incentivarem à sua publicação em livro.

RAUL O ÚLTIMO PORTEIRO

RAUL O ÚLTIMO PORTEIRO

Raul Brites é o personagem principal desta Historia, da sua Historia, das Historias que viveu. Um cidadão do mundo que dedicou a sua vida ao amor, nem sempre correspondido, e ao trabalho, ou melhor aos trabalhos que desempenhou, em ambos sempre disponível para abrir portas” e mesmo quando as fechava era com um “até logo” ou “volte sempre”. É caso para dizer que o acaso o bafejou e recompensou, mas como Poirot, ele diria que não havia acasos, havia coincidências, mas era preciso procurá-las. Nas longas estepes carregadas de cheiros e cores, o vento morno do fim do dia em África vai balbuciando: ! Obrigado, Lagameças! E alguém responde: – Sempre ao seu dispor. “

VOLTADA PARA O MAR

VOLTADA PARA O MAR

Em 1896 Mestre Francisco comanda o «Senhor dos Passos» em mais uma das suas viagens comerciais pela costa Sul do País. A viagem é tormentosa e já ao abrigo da baía do Mira, em Vila Nova de Milfontes, uma inesperada confusão instala-se entre o pessoal de bordo deixando a descoberto uma estranha mulher que se infiltrara na tripulação. A partir desse momento a vida de Mestre Francisco nunca mais será a mesma? Mais de um século depois, Júlia regressa a Portugal com o marido após a recente morte dos pais. Mas a fase de perdas ainda não está completa e é na mais penosa solidão que Júlia regressa à terra onde nasceu. É aí, nessa pequena terra da qual não tinha memória, que um passado de lendas e misteriosas personagens vem ao seu encontro. Perdida e atormentada, é na amizade de um desconhecido que encontra apoio para resistir à loucura, entender o passado e reencontrar-se.

SERES DE ÁGUA

SERES DE ÁGUA, 2ª EDIÇÃO

Este livro reúne uma colecção de metáforas, algumas bem cruéis, e consubstancia-se numa alegoria daquilo que eu entendo que na vida vai acontecendo, a cada momento, a cada dia, no imprevisto que nenhum axioma ou outra lei humana pré-elaborada pode prever. Por vezes, quase que sentimos que fazemos parte de um plano, de algo que, sem o sabermos, nos direcciona para a foz de imensas surpresas, nem todas elas as que esperaríamos ver acontecer. Somos todos seres de água, todos sujeitos ao desenrolar de um guião do qual nem sempre somos autores, é a conclusão final a que o leitor poderá chegar, assim que absorver a última página deste livro, pois líquidos somos e líquidos nos entregamos aos acasos, vestidos de vicissitudes e pequenas felicidades, e ao ocaso dos nossos dias.

GRITOS DE SILÊNCIO

GRITOS DE SILÊNCIO

As tristezas são os nossos melhores professores. Um homem consegue ver mais longe através de uma lágrima, do que através de um telescópio?. (Lord Byron)

POESIA DE UM JOVEM APRENDIZ

POESIA DE UM JOVEM APRENDIZ

Poesias de um Jovem Aprendiz é um livro escrito por um adolescente Leiriense. Entre insónias e euforias, Tiago escreve, com a alma, temas como a paixão, a grandiosidade do ser, a constante aprendizagem, a sapiência, assim como temas melancólicos, sofridos e vorazes. Encontra-se, nesta obra, o inicio da linha de pensamento de um lírico contemporâneo um tanto ou quanto controverso.

NUNCA DESISTIREI DE TI

NUNCA DESISTIREI DE TI

Afonso e Inês são dois jovens que se conhecem ocasionalmente numas férias de Verão. Um toque e um olhar fizeram despertar algo que não conheciam até então, o amor. Sentimento que não escolhe idade, dia nem hora para acontecer. Será o futuro deles um verdadeiro conto de fadas, ou será que vão ter que pôr à prova o sentimento de cada um? Esta é uma Historia de interesses familiares, angústias, fracassos, dores, cicatrizes, mas acima de tudo de conquista, coragem, perseverança e de realizações. Um rio aproximou-os, mas um oceano afastou-os. NUNCA DESISTIREI DE TI? E Afonso e Inês, desistiram um do outro? A Historia conta-se nas páginas que se seguem, de forma simples e agradável.

NARRATIVAS DO LADO CONTRÁRIO

NARRATIVAS DO LADO CONTRÁRIO

As Narrativas do Lado Contrário são Historias banais de personagens vulgares e momentos quase normais, ou se calhar são Historias improváveis de personagens duvidosas em momentos quase absurdos. Depende do lado que observamos. Inverosímeis algumas, inconvenientes até, mas há mesmo uma Historia de amor igual às de todos os dias, intercalada com sonhos e pesadelos iguais aos de todas as noites (e alguns dias), e caprichos, devaneios e fantasias, iguais às das pessoas normais. Fala-se de arte, degradação, filosofia e loucura, em Historias de delírio, sedução, crime, alucinação, sempre com o tempo como protagonista. São Historias do lado da normalidade relativa, onde o que é e o que acontece, só é e acontece porque o normal não é de confiança e a realidade pode encontrar-se nos nossos momentos hipnagógicos, no seio de uma alucinação ou por detrás da noite do lado contrário. Brincar com coisas sérias e desprezar o óbvio; olhar a ruina moral e a miséria com desdém jocoso; festejar a inépcia e a imbecilidade são fórmulas estimadas, como é normal e do lodo contrário releva-se e faz-se crónica. São quinze contos que nada têm a ver uns com os outros ou têm tudo, ilustrados que são a matizado negro, perdidos nos sortilégios do tempo e sequestrados pela inconformidade do eu.

MUROS

MUROS

Perdida nas ruas da aldeia, algures na Beira-Baixa, respiro este ar único que emana da paisagem. Mons Sanctus ergue-se por entre os penedos empoleirados nas arribas… imponente, rústico, misterioso e mágico! As memórias chegam até mim… recuo ao pós 25 de abril e ainda um pouco mais atrás, época de Salazar, Estado Novo. Remontam a essa altura as minhas lembranças das férias de infância e juventude. Momentos que permaneceram no meu coração. Recordo as amizades estabelecidas num ambiente totalmente diferente para uma menina oriunda da capital e o amor da família sempre fortalecido na casa que se tornava pequena à medida que crescíamos. Os muros desse local, confidentes de simples conversas, de lágrimas, de risos e de amores, testemunharam também épocas de grande importância histórica que enriquecem o nosso olhar sob a rigidez granítica da mais bela aldeia de Portugal.

Marcador

A CORRUPÇÃO E O ESTADO

Trata-se de um livro que coloca em relação as opções político administrativas encetadas por diversos governos, ao nível nacional e internacional, e as suas consequências no que respeita à conjuntura social no que tange à corrupção. Sentida pela esmagadora maioria da população como um facto generalizado, a corrupção apresenta derivações ao nível do aparelho do Estado e da própria iniciativa privada, tantas vezes em relação umbilical, e conluio. Não sendo um mal inovador, traduz-se num fenómeno transversal à evolução societária, quer no domínio interno, quer em sede externa. Neste livro tentam os autores enumerar algumas das vertentes através das quais existe uma exteriorização da corrupção, e dos crimes que se lhe encontram conexos, sem esquecer, todavia, os dramas pessoais decorrentes de um julgamento público dos seus eventuais autores, tantas vezes sentido pela opinião pública como o único que interessa (?.).

ESTRADA NACIONAL 2

ESTRADA NACIONAL 2

Baseado na experiência pessoal de uma aventura em bicicleta, percorrendo a Estrada Nacional 2 de Chaves até Faro, este roteiro pretende ser muito mais do que um simples guia turístico. As referências culturais incontornáveis observáveis ao longo dos 720 km que perfazem a via rodoviária mais vertebral do país, não só foram enriquecidas com apontamentos geográficos relevantes, como também foram humanizadas pelo retrato que se procurou espelhar das gentes deste nosso Portugal interior, tão genuíno quanto diverso. Este livro ambiciona, assim, despertar a curiosidade do leitor e desafiá-lo a partir à descoberta da alma do nosso país. A viagem neste «EN 2 sobre rodas» promete-lhe um reencontro com o Interior do país, onde o passado robusto e autêntico se alia a uma inabalável confiança no futuro.

OUTONO DE MIM

OUTONO DE MIM

Outono de Mim é a vivência das emoções de tempos e espaços diferentes. Entre mudanças e desafios, agarrou-se a esperança de encontrar tempos melhores, mesmo quando tudo parece perdido. Onde a passagem do tempo parece conduzir à intensidade dos sentimentos em que as coisas vão acontecendo. Em cada paragem, há uma maneira de encarar o que sucede. É esse entremeio que faz continuar a querer, a desejar, a assumir que tudo pode melhorar. A persistência e a vontade de me sentir feliz aquecem a alma e acalentam a confiança no amor, na paz, nas relações. Esse é o único tempo que não passa. Acreditar em mim, que sou capaz, mesmo perante as adversidades. Este livro é o Outono de Mim porque as folhas caem, passa-se pelo inverno, mas depois vem o renascimento, com a primavera. Caímos. Mas, nessa queda, antevê-se o caminho para reflorescer.

AH É DE GRAÇA

AH É DE GRAÇA

Esse livro vem como um presente de convite à felicidade. Através da minha experiência de vida, mostro aos jovens, ou senhores jovens, que podem ser de mais idade mas que ainda assim se sintam jovens, e para todos aqueles que têm sonhos a realizar, que com Deus você pode fazer tudo e ser muito feliz. Ensino-te como cresci e consegui realizar os meus sonhos confiando em Deus, que existe alegria verdadeira. Levo-te a esperança, para ajudar, você, que está sedento de realizar seus sonhos. Aquilo que você mais quer fazer. Eu sei que você quer começar e o livro vai te impulsionar pelo Espírito Santo de Deus. Vim apresentar a si o seu melhor amigo, chamado Deus. Acredite, você pode ser amigo de Deus sem abandonar seus sonhos, porque ele ama você e seus sonhos. Ele é o único em quem se pode confiar. Nos vemos em breve! Quando os seus sonhos realizar. Até lá.

TURBULÊNCIAS

TURBULÊNCIAS

Nascimento em casa e parto feito por senhora habilidosa. Morte do meu primo mais velho, esmagado por um camião. Violência doméstica por parte do meu pai. Uma doença grave aos nove anos, internamento de nove meses. Assédio sexual aos nove anos. Apanha de papel e erva descalço e muito novo. Abandono escolar na quarta classe, quando era o melhor aluno. Observo o meu pai com mulheres estranhas. Vejo o meu pai tentar assassinar a minha mãe com um revólver. Divórcio dos meus pais. Fuga para França. Em França sofro de bulling por colegas de escola. Doença aborrecida de pele, que provoca grande tristeza. Suicídio do meu pai, com 39 anos de idade Melhor aluno, mas a minha paixão é o futebol. Proibido de praticar futebol federado. Namoro atribulado por três vezes. Tentativa de suicídio, entubado uma semana no hospital. Rompimento do noivado passados quinze dias. Regresso a Portugal para esquecer a namorada. Uma menina que faz esquecer a ex-namorada. Recomeço dos estudos abandonados. Escolho Medicina Holística. Perseguição diabólica. Durante quinze anos suporto uma paciente única Trato pessoas com doenças incríveis, Esgotamento e depressão aos 44 anos, que quase me paralisa?

SHAYLA

SHAYLA

Tudo o que Benjamin Cortez sempre quis foi conseguir realizar o seu sonho e entrar uma academia de Ballet. Após conseguir atingir o seu objetivo e se tornar um dos bailarinos prodígio de Kelly Carson, Benjamin vê-se envolvido num novo dilema que o assombra desde a sua infância. Era notório que as suas escolhas não coincidiam com as mesmas que os rapazes da sua idade, crescendo assim em dúvida da sua sexualidade. Mas depressa Benjamin percebe que o erro não está situado na sua preferência sexual, mas sim na sua mente. Os seus desejos femininos levam-no a ter a necessidade da busca de respostas, que o faz entrar no mundo LGBT, começando por se identificar com o tema da transexualidade. Decidido a quebrar todos os seus fantasmas do passado e a revolucionar as mentes da sociedade, Benjamin revela-nos todos os passos necessários durante o seu processo de transformação, fazendo surgir mais tarde a primeira transexual no mundo do ballet.

HOJE POR TI AMANHÃ POR MIM

HOJE POR TI AMANHÃ POR MIM

A vida de Constança transformou-se ao chegar a Moura. A famigerada profecia transformou-se numa corrida contra o tempo, à medida que a meia-noite se aproximava a passos largos. Por entre caminhos duvidosos trava luta entre pessoas, que não têm qualquer escrupulos e ainda acreditam em algo que ao concretizar-se seria uma autêntica hecatombe para a humanidade. Só que a seu lado impera a força da magia, que nunca a abandonou. A beleza da cidade de Moura, que fascina, ajudou-a no arranque da sua vida profissional e na recuperação da sua própria fé cristã, preparando-a a comprender melhor o segredo misterioso que existe em todos nós. Alguns dos assuntos, que são debatidos actualmente pela sociedade, são apresentados de forma clara. A sua visão da vida transformou-se. A fé acompanhou-a e levou-a a alcançar a felicidade plena e a viver mais tranquila. Bárbara à mercê da sua arte mágica e do seu poder de imaginação, passou a fazer parte da sua vida e a magia aconteceu. Mais uma vez se conclui que a religião se mostra também envolvida pelo poder economico e pelo dinheiro mas errare humanum est”.,pois as nossas atitudes e opções, caracterizam a nossa própria vida quotidiana. “

SEIS VEZES ALPHA

SEIS VEZES ALPHA

Uma tiara de seis estrelas, vislumbradas de uma cova antropoforme, que correspondem ao mesmo número de vidas de um homem (cada estrela, sua) protagonizadas em missões para encontrar e proteger alguém, no decurso de dois milénios. Uma Historia para quem acredita que a morte não é um fim, mas o reinício de um ciclo de aprendizagem culminado num destino tão enigmático como inadiável. Um romance iniciado nos prelúdios da época celto-romana, que cruza a idade média, a segunda grande guerra e chega à atualidade em seis capítulos e seis desfechos.

DEMBOS

DEMBOS

Estas crónicas foram escritas alguns anos depois do regresso de Angola, em cadernos que transportava diariamente e onde ia coligindo as memórias ainda vivas do périplo no Ultramar. Uma incerta aventura de catorze meses, iniciada ao som lúgubre e melancólico das sirenes do paquete Vera Cruz, o mesmo som que adiou a juventude a tantos mancebos dessa época. O relato pungente de um rapaz da província que não ia minimamente preparado para o que iria encontrar em África; acaso alguém estaria? mas que acabou por se desembaraçar. Afinal era a guerra, a Guerra Colonial ou a Guerra do Ultramar, consoante as convicções políticas à data. Quase uma crónica de viagem, com todos os condimentos necessários a este tipo de literatura, apimentada pelo medo do desconhecido e arriscando a vida em cada trilho ou picada. Com um final feliz para quem a leu, e para quem a viveu.

FRAGMENTOS DE LO COTIDIANO

FRAGMENTOS DE LO COTIDIANO

Fragmentos de lo Cotidiano es una obra poética que se aferra a nuestra vida cotidiana contemporánea, frecuentemente trivial, frenética, inconsecuente, inconexa, y, a través de las palabras poéticas e inspiradoras de Alves dos Santos, que nos transforman en viajantes de los terrenos desconocidos de la esencia humana y nos fuerzan a confrontarnos con nuestros miedos y a irrumpir alma adentro para descubrir nuestras verdades más profundas y nuestros secretos mejor guardados, recobra otra dimensión donde la propia existencia deja de cuestionarse y en la que nuestra presencia hoy, aquí, ahora, es imprescindible en nuestra andadura para alcanzar la plena realización, que sólo a través del más genuino y auténtico Amor se puede consubstanciar.

MESMO DE NOITE HÁ SEMPRE UMA LUZ ACESA

MESMO DE NOITE HÁ SEMPRE UMA LUZ ACESA

Uma Historia ficcionada a partir do nada, ou do ócio talvez, onde um conto se enlaça numa crónica, formando uma cornucópia de líquidos não miscíveis que apela aos sentidos dessa espiral que a vida é, cheia de improvisos, imponderáveis, enfim, de surpresas a que todos temos de fazer face, preparados ou não.

ÂNCORAS E TRIUNFOS...

ÂNCORAS E TRIUNFOS…

Qual é o propósito da nossa existência terrena? Amor. Comunicação. Potencial. Saúde. Sucesso. Ana Martins

NACIONALISMO

NACIONALISMO

Esta obra vem explicar que a democracia ocidental morreu, que vivemos uma ditadura disfarçada de democracia. O politicamente correcto, a política da inevitabilidade e da opção única vieram acabar com a democracia, por não permitirem uma verdadeira escolha. Esta é a razão do crescimento do novo nacionalismo, uma ideologia que, ao contrário do que a comunicação social pretende fazer crer, é não-radical, não-racista, não-xenófoba e não-homofóbica e que se tem revelado como única alternativa real a esta ditadura da unanimidade e de pensamento único, imposta pelas instituições internacionais. Uma ditadura que tem por objectivo último o desaparecimento das fronteiras, quer políticas, quer culturais, criando, assim, um mercado único com um povo único, com uma cultura única (ou a falta dela) por ser economicamente mais eficaz. O novo nacionalismo, pelo contrário, defende as nações, as suas fronteiras, as suas culturas, a sua soberania e a independência da sua economia. Este vai ser com toda a certeza o combate político do século XXI, o confronto entre o novo nacionalismo e o internacionalismo ultraliberal que quer ditar o fim das nações.

UMA PAIXÃO PARA A ETERNIDADE

UMA PAIXÃO PARA A ETERNIDADE

E se, repentinamente, alguém sumisse sem deixar rasto? O enigmático desaparecimento de duas mulheres, mãe e filha, em Paris, no século XVIII, é o pretexto para um encontro ficcionado entre o filósofo francês René Descartes (1596-1650) e o filósofo escocês David Hume (1711-1776). Unidos na tentativa de resolução deste mistério, Descartes e Hume confrontam alguns dos principais temas dos seus sistemas filosóficos, como a possibilidade do conhecimento humano e a sua origem, a identidade, as paixões da alma, a existência de Deus, de um génio maligno e da matéria.

UMA LUTA INCANSÁVEL

UMA LUTA INCANSÁVEL

O presente livro retrata a minha vida desde o momento do meu nascimento até aos dias de hoje, relatando as muitas dificuldades que tenho sentido ao longo dos anos, sempre lutando por fazer as mesmas tarefas que qualquer outra pessoa dita «normal». Em cada capítulo, falo de como a sociedade, incluindo os nossos atores políticos, se comporta para com as pessoas com deficiência, existindo sempre uma frase ou palavra que pode ajudar a refletir sobre certas atitudes que a nossa sociedade tem e que são de evitar ao máximo. Falo ainda sobre a minha família e da minha relação com a mesma, dando exemplos de como viver sendo portador de uma deficiência. Estou convicto de que este livro irá ajudar as pessoas com dificuldades em diversos sentidos da vida e, se assim acontecer, fico muito satisfeito por poder ajudar com o meu primeiro livro. Desfrute de uma boa leitura!

A ARCA DIVINA

A ARCA DIVINA

A ARCA DIVINA é uma Historia de ficção científica sobre tempos que poderão existir num futuro próximo. Segundo as profecias, sociedades secretas irão apoiar guerras civis por todo o mundo. Estes conflitos transformar-se-ão em guerras religiosas em que 75% da população mundial irá falecer num período estimado entre quatro a sete anos. A base destas fundamentações está no estudo de profecias. Colocamos cento e quatro profecias aprovadas sobre o futuro num computador para sintetizar comparações. O resultado destas profecias pinta um quadro perfeito da Historia, do seu passado e futuro. Tendo em conta tudo o que estes profetas anteviram, verificámos em 2006 o que poderia acontecer, os próximos anos poderão seguir este padrão. O que se segue é apenas um esboço daquilo que estes aprovados profetas falaram acerca do futuro.

PORTUGAL A DOIS TEMPOS

PORTUGAL A DOIS TEMPOS

Gosto de ler e escrever. Aquilo que escrevo tem de estar perfeito para mim. Se mais alguém gostar, então eu já iniciei a ganhar com o que escrevi. Essa é a minha recompensa. Aquilo que faço gostar. Também gosto de ler. Existem autores que gostam de escrever com mensagem. É bonito e faz-me perceber que têm conhecimento para si e ainda para ensinar aos demais, o que me deixa muito feliz. Eu não faço isso. Não faço. Assim, escrevi crónicas da minha vida ou da vida que vi viver ao redor, com a naturalidade e simplicidade que me são inerentes. Aquilo que desejo é que quem ler não se fique pelo que lê e perceba o que ficou subjetivo no que foi dito e citado. Que pense pela sua própria cabeça todo um mundo que existe ao redor das minhas palavras. É um desejo muito forte e muito sentido, pois sei que o leitor só irá perceber o título deste livro se fizer esse exercício maravilhoso, que é pensar. Ir além das aparências das minhas palavras e colocar na leitura uma parte de si mesmo. Sentir tanto prazer na leitura como eu tive na escrita. Sentir os meus sentimentos, os meus cheiros, as minhas tristezas e revoltas. Tudo, como se fosse seu. Eu não sei enviar mensagens, mas acredito que posso transmitir bons momentos, com boas leituras. Que Portugal a Dois Tempos alcance o meu e vosso objetivo. Georgina Caçador

2º CONCURSO LITERÁRIO DE EDIÇÕES VIEIRA DA SILVA

2º CONCURSO LITERÁRIO DE EDIÇÕES VIEIRA DA SILVA

Os Livros São Janelas Vi um livro no lixo e arrepiei-me pensando que há livros que nascem mortos. Pode-se viver sem ler? Quem não lê não entra no rio da Historia e quem lê é como o mar onde desaguam muitos rios. Comprar um livro é sempre como a primeira vez, como quem marca um encontro para receber uma confidência. Uma casa sem livros está desabitada, é uma pensão… Os livros são janelas. Hoje vou abrir uma delas. (Padre) Vasco Pinto de Magalhães, in Não Há Soluções, Há Caminhos” “

ERA UMA VEZ

ERA UMA VEZ

Nuvem egoísta Nuvaidosa era uma nuvem que não chovia por ser egoísta e vaidosa, esquecendo os campos que iam secando, secando? Até que um dia, alguma coisa aconteceu ? e a aldeia adormeceu feliz. Ai que confusão! Malaquias era um gato que, como todos, só pensava em ratos. Até a palavra ?rato? o punha nervoso? Mas a sorte não estava com ele! O que se passava com aquele rato que lhe conseguia tirar o sono? Fassol Fassol era um clarinete muito feliz, mas o Rodrigo era um menino descuidado que um dia o abandonou de tal forma que os sons perderam o Fa e o Sol. O que terá acontecido ao Fassol? Será que recuperou os seus belos sons que encantavam as flores do Jardim? O Boby espertalhão O Boby era um cão especial e Maria era feliz com as suas brincadeiras. Mas o dia em que ela aprendeu a escrever CÃO, descobriu que o Boby tinha um segredo que o tornava ainda mais fascinante. Queres saber porquê?

O VESTIDO COR DE CEREJA E O ÁRBITRO

O VESTIDO COR DE CEREJA E O ÁRBITRO

Quatro mulheres aguardam na sala de espera de um hospital. Não se conhecem, mas entreolham-se, e, sem se falarem, tecem considerações umas sobre as outras. Marcantes envolvimentos masculinos nas suas vidas ocupam espaço no silêncio. O treinador foi contratado pelo clube, aproximadamente a meio do campeonato. Lidera uma equipa sobre a qual paira o espectro da descida de divisão. Finalmente chega o dia. Joga-se para tudo ou nada. Em plena partida de futebol, no calor da refrega, a bancada exulta com emoções de várias tonalidades. O Árbitro vai necessitar de todos os sentidos para, perante a imprevisibilidade das acções e acontecimentos, processar em escassos segundos toda a informação recebida e elaborar decisões sucessivas. O vestido cor de cereja alberga uma sensualidade que pode ser reestruturada, no sentido do erotismo, lealdade e maternidade em convivência.

O CÂNTICO DAS BALEIAS

O CÂNTICO DAS BALEIAS

Uma intrínseca atracção principia a desenvolver-se entre olhares subtis e gestos reservados de dois estranhos num idílico vilarejo nas encostas da montanha. Se a ideia de uma paixão parece um cenário proibido, para um jovem adulto e uma adolescente, aos poucos percebem que a presença de ambos não é de todo indiferente. E entre o dilema de serem fantasmas separados ou espíritos unidos, carregando com eles pesadelos e sonhos, os dois procuram encontrar-se e reconhecer-se antes que o tempo lhes fuja para sempre.

A ESCOLA DA ÁRVORE SAGRADA

A ESCOLA DA ÁRVORE SAGRADA

Os pequenos andavam assustados, sofriam em silêncio e tinham muito receio de contar aos seus pais o que se passava, pois os traquinas poderiam fazer travessuras piores? Todos os dias, implicavam com uma criança? O eleito passava um dia de tormento, gozavam e pregavam-lhe partidas? Roubavam-lhe o lanche, escondiam-lhe as mochilas, deitavam para o lixo os lápis e canetas? Todos viam, mas não reagiam, pois tinham medo de os enfrentar! Apenas a Matilde se intrometia de forma a proteger os outros meninos e como consequência faziam-lhe as mesmas diabruras? Pobres crianças, como se iriam livrar de tais pestinhas?

MEMÓRIAS DO PASSADO

MEMÓRIAS DO PASSADO

Quando fiel à Verdade, a memória do Passado é garante da almejada construção de Futuro mais humano, mais justo e mais solidário. Daí a importância da memória como factor determinante do saber. Sem memória não há conhecimento, o que é facilmente verificável com quanto se passa connosco e à nossa volta. Pinho Neno

VOZES IMPRESSAS

VOZES IMPRESSAS

Todas as coisas do mundo conduzem a um encontro ou a um livro. Jorge Luís Borges

QUANDO A ALMA CHORA

QUANDO A ALMA CHORA

Uma obra livre de pensamentos, mas repleta de sentimentos. Neste livro são retratados sete estados de consciência, fases pessoais do ser humano que muitas vezes em silêncio deita para fora as palavras sem som, mas que tanto gritam em pedido de ajuda dentro de cada ser em quem habitam. Com este livro, quero fazer sentir num som que acalma a alma que há maneira de ouvir essas palavras, entender nelas o que se sente, podendo em seguida deixá-las partir… ou não. Cabe a cada um de nós saber até onde se quer continuar a sofrer.

JESUS DE GENEZARÉ

JESUS DE GENEZARÉ, 1º VOL

– O método exegético bíblico. – O ?mistério? e a imagem histórica de Jesus. – O baptismo de Jesus (e os 2 tipos de baptismo: da morte e da Vida). – As 3 tentações de Jesus (e o seu significado). – A Boa Nova do Reino de Deus. – O Sermão da Montanha: as Bem-aventuranças, a Torah e os 2 tipos de Lei (da morte e da Vida), a concepção do/s sábado/s, e o sentido do 4.º mandamento (e a distinção entre o pensamento hebraico-judaico e o cristão). – O Pai Nosso. – Os Discípulos e os Apóstolos. – A Mensagem das Parábolas (natureza e finalidade, sentidos e significados): do Bom Samaritano, do Filho Pródigo, e do rico avarento e do pobre Lázaro. – A questão e as imagens joaninas (da água, da videira-vinho-sangue, do trigo-pão-carne e do pastor). – A confissão de Pedro (sobre Jesus) e a Transfiguração de Jesus. – As auto-identificações de Jesus (como o Filho do Homem, o Filho, e ?Eu sou?)

ADELINA

ADELINA

Adelina é um pequeno romance inspirado num poema antigo. Relata-nos a Historia de uma família que após algumas perturbações físicas manifestadas pela filha Adelina resolveram procurar ajuda espiritual. Nesse momento, depararam- se com situações que causaram os problemas ou experiências da vida atual. Com os conhecimentos obtidos, esta família percebeu que apesar dos erros de uma vida passada, tudo pode ser reparado e reconstruído, permitindo que o amor seja o centro de toda a existência. E Assim é. Só o amor possibilita a elevação do espírito, levando-o ao patamar evolutivo tão desejado: a ascensão.

POLICROMIA PARA CEGOS

POLICROMIA PARA CEGOS

Esta imagem para mim, por si só, já é um poema. Um poema cheio de mensagens que não rimam, mas que se podem sentir, interpretar de vários ângulos. Para mim é a representação da cegueira, que apesar de parecer triste para quem vê, pode ser um mundo cheio de outros sentidos para quem não vê, para quem é cego. Esta imagem sente, ouve, tem momentos de alegria e de tristeza, atrai o que voa, não deixa de ser bela, por dentro e por fora, igual ao belo que existe para quem enxerga. Porque é que a cegueira tem de ser feia?! Não tem, e esta imagem mostra que a cegueira também pode ser bela, seja num rosto bonito, seja no som de um simples voo de uma gaivota, seja num céu cinzento e carregado de chuva…. Por vezes o cego é o que enxerga melhor, e ela, bela, enxerga tudo… ANA AREAL ? Ilustradora da capa

FORI

FORI

Se todas as ciências físicas são físicas, porque não hão de depender dos mesmos fundamentos? De facto, neste livro, a Física, a Química, a Astronomia e a Geologia são explicadas sob o ponto de vista físico, recorrendo apenas a dois fundamentos. Trata-se de um livro 100% revolucionário, que dá respostas não interrogações, e prova-se a ele próprio pelo todo. É simples e poucos conhecimentos prévios são precisos para o compreender. Na verdade, nunca me foi ministrado o ensino da Astronomia nem da Geologia. Destina-se a todos os alunos destas áreas e a todas as pessoas que queiram enriquecer a sua cultura geral.

A CASA DE OLINDA

A CASA DE OLINDA

Como consequência da erupção do vulcão dos Capelinhos, José e os pais emigram para os Estados Unidos. Em New Bedford conhece Olinda, filha de emigrantes madeirenses, com quem vem a casar. A morte violenta do filho mais velho faz Olinda entrar numa depressão profunda que conduz ao Alzheimer. Esta doença marca José tão profundamente que o leva a alterar toda a sua vida.

DA MINHA JANELA - FROM MY WINDOW

DA MINHA JANELA – FROM MY WINDOW

livro de fotografia. As fotografias que a autora vê da sua janela sobre o Rio Tejo a partir de Almada. Junto com as fotografias podemos encontrar pequenos poemas em Português e Inglês.

UMA VIDA DE AMOR

UMA VIDA DE AMOR, SAUDADES E TRISTEZA

Todos os segundos da nossa vida estão rodeados de sentimentos. Todos os segundos questionamos a nossa vida, todos os dias desde que nascemos. Porque somos assim? Porque é que o nosso coração segue aquele caminho? Porque não podemos sair da rotina maldita que nos atormenta todos os dias? A resposta pode ser encontrada em três simples palavras que, basicamente, regem a nossa vida: a Saudade, o Amor e a Tristeza.

EU VOU COM A SERPENTE

EU VOU COM A SERPENTE, 2ª EDIÇÃO

Marcel é um super apresentador de televisão, respeitado e admirado pelo grande público. Envolve-se num triângulo amoroso, de consequências imprevisíveis. Quatro crianças fogem de um colégio católico. Ao recuperá-las, a polícia é confrontada com uma rede de pedofilia de grande dimensão. Marcel é preso, acusado de ser um dos cabecilhas da mesma. Começa aí uma verdadeira descida ao inferno, para ele. Um romance que mostra a face mais negra de uma sociedade para a qual o dinheiro e o poder são os únicos valores que contam.

TRENCADIS

TRENCADIS

Um livro de contos é algo concebido com peças muito diversas, quer nos formatos, nas dimensões, no colorido das Historias que propõe. É um puzzle, sem imagem orientadora, uma figura que se constrói a cada nova página, um mosaico. Foi como corpo fragmentado que este livro se assumiu Trencadís.

QUAL O TEU PAPEL SENÃO O DE RESISTIR

QUAL O TEU PAPEL SENÃO O DE RESISTIR

escrevi qual o teu papel senão o de resistir? para que as pessoas resistam. acho que o fim é esse. escrevi para consciencializar as pessoas do que somos: resistência. escrevi com o intuito de fazer sobressair a resistência como a base de toda a condição humana e de toda a vida que a rodeia. a resistência está no rasto que deixamos, na plena origem do que somos e no avesso dos planos que fazemos. a resistência está, como nós, inata à condição em que nos encontramos. está em toda a parte. e digo-vos: há tamanha beleza primária e genuinamente nossa em resistir que vale a pena escrever o acto em si como se fosse passageiro ? mas não é. havemos de resistir sempre enquanto formos nossos. enquanto formos humanos. resistir é o verbo em torno do qual nos fazemos mover: há um pouco de nós a resistir, como numa fotografia captada, em toda a parte por onde passámos. resistir é toda a base de tudo ? de nós, do sobressalto de estar acordado, de viver continuamente, de esperar por qualquer coisa, tipo um grande amor, tipo a morte. que não nos percamos da nossa natureza. e a nossa natureza, a mais bela de todas, faz-se em alturas de combate: faz-se na resistência.

PROSA

PROSA, POESIA E SÁTIRA

ENCRUZILHADA” O que tenho eu para dar à vida e o que tem ela para me dar? Estas minhas asas, que já não sabem voar na esperança, depois de tanta esperança e embrulhada, depois de tanto tropeço neste caminhar em vão sem sentido, esta vontade de não ter ido em troca de quem tanto amei, ferido na alma e coração, este nada, que foi tudo um grito mudo de um adeus para sempre e uma saudade permanente. O que tem a vida para me dar? Uma constante repetição, uma lenta decomposição, uma carícia gelada, ou então, nesta minha meditação, a libertação. O meu coração, a minha alma e o meu pensamento dizem-me para voltar a dar um passo de cada vez numa nova estrada. Penso que é assim que começam as grandes caminhadas. Quando eu estiver naqueles momentos de encruzilhada, em que já não sei o que fazer ou para onde ir, tenho de fazer como a flor: limitar-me a brilhar onde Deus me plantou, com fé e esperança, à espera do SENHOR! F.B. “

A PERSONALIDADE JURÍDICA EM QUESTÃO

A PERSONALIDADE JURÍDICA EM QUESTÃO

A obra que vai ler-se tem, evidentemente, as suas mensagens e teses específicas, que a seu tempo o leitor avaliará, mas certamente ganhará em ser contextualizada. E é disso que trataremos, porque não se cura, como para o já em tempo muito célebre GUYAU (hoje muito esquecido, salvo nalgum ponto de arte, menos de moral), de compreender para perdoar, nem para louvar, como aconselharia um já criticado uso prefacial inveterado. Trata-se de compreender para compreender. E para compreender ao pormenor é necessário certamente haver entendido na génese, no contexto, no estilo, no sentido. (?) esta produção académica e personalista-social, é um livro que, no nosso modestíssimo entender (e esperamos que tal não seja lido como um argumento pro domo) se insere já no caminho de um novo paradigma de discussão da juridicidade (?). PAULO FERREIRA DA CUNHA Prof. Catedrático da Universidade do Porto. In ? Prefácio.

A GUERRA QUE NOS UNE

A GUERRA QUE NOS UNE

Durante a primeira metade da década de 1940, o mundo assistia impotente à devastação causada pela Segunda Guerra Mundial, deixando-se envolver por um manto de desgraças, de privações e de medo, no qual a esperança passava a residir apenas no interior de cada pessoa. Uma realidade tangível tanto na castigada city de Londres, como na distante metrópole de Nova Iorque, ou até mesmo na pequena aldeia de Apúlia. E é neste ambiente de conflito, que os destinos de Joana, Peter e de Charles, tão separados entre si, se virão a tocar, conduzindo-os até Portugal por entre jogos de espionagem e de descobertas, onde se vão entrelaçar nos seus sonhos, carregando consigo a amizade e o amor e provando que mesmo a guerra também pode unir os corações.

O QUE A MINHA CANETA ESCREVEU

O QUE A MINHA CANETA ESCREVEU, 2ª EDIÇÃO

Há quem guarde as memórias e quem necessite relembrar Historias para colocar pontos finais no passado. O QUE A MINHA CANETA ESCREVEU, é uma forma de encerrar algumas Historias, relembrar outras com saudade e retornar a locais do passado que a memória foi incapaz de apagar, numa viagem, com muitas viagens dentro, sem distâncias nem tempo.

OPIOS DE AMOR

OPIOS DE AMOR

ARCO-ÍRIS Sequência de cores que descrevo Nos amores, para mim de grande relevo E que vem da luz, refletida em brilhos De teus olhos, é de uma intensidade nos meus, e de uma vasta imensidão que me leva o coração a estar todo envolvido na descrição de tais momentos, lindos de cores, e porque não, sons e sabores, são para mim de uma eloquência! MEU ESPELHO Olho-me ao espelho, e o que eu vejo? Um relampejar de um olhar, Feliz com a vida, vejo-te em meu espelhar! O teu sorriso no meu, agravando o amor Com esses traços tão teus, que me Enriquecem o conjunto do meu eu, Vejo a mudança na idade que avança Em riscos e manchas, pontos já Sem outras mudanças, os cabelos Sabidos de amor, admirados por tuas mãos SÓ POR AMOR Feliz é aquele que vê o amor, a toda a hora Tem o seu cheiro, tem a quem dar uma flor Como estar de paixão cheio, de sentir e poder medir O seu olhar O PEDIDO peço-te um beijo tu pedes-me um desejo. Dou-te o desejado, E dás-me o beijo chantageado. Fazes-me inventar ODISSEIA DO AMOR Dás-me cheiros Dás-me o som da tua voz Dás-me cores Dás-me amores Dás-me maresias Com o tom Da tua pele, tens medos Das fantasias, Dás-me certezas de todos os dias Com a dança do bailar dos teus olhos; VII Anos luz de amor percorremos: Poeiras de beijos, universo de fascínios, sombras, dos teus cabelos enrolados nos meus desejos, voávamos estávamos na nublosa do teu centro de gravidade

DO INFERNO AO CÉU

DO INFERNO AO CÉU

… decidiu experimentar a sensação de se despedir do mundo e testar a sua coragem para por termo à vida. – …tu não sabes escrever? – Não senhor. Não sei escrever e estou a tentar fazê-lo? … ir a tribunal desculpar os inocentes com a mesma garra e sabedoria como a senhora o faz, entrou-me no sangue, daí já me ter matriculado na universidade no curso de direito? …- A diferença entre a apalpação e o fazer amor com elas ? referia-se às mamas ? é que a apalpação é mais profunda, enquanto fazer amor é suave, percebes? …- Eu sei que me desejas o melhor, mas porque estou a sentir que posso deixar de pertencer ao reino dos vivos, pretendo acautelar o futuro de quem cá fica que eu gosto? – Eu, que gostava tanto que me desses um filho! ? expressava-se Galileu com nostalgia. … Com o envelope na mão esquerda, solicitou que os dois se encostassem mais a si e pediu a Galileu que colocasse a sua mão direita no seu peito. A sentir o calor da mão do seu marido que tantas vezes o fizera noutras circunstâncias, pegou na de Maria Flor e sobrepô-la por cima da de Galileu. Os três entreolhavam-se em silêncio, enquanto Isadora carregava na mão de Maria Flor? …O testemunho que aqui te entrego, querida Maria Flor, só o faço porque pressinto que o meu fim está a chegar aos quarenta e nove anos, idade imprópria para se morrer. … Independentemente de satisfazeres o meu desejo, repito, porque amo os dois, desejo que sejais muito felizes e que a vossa vida seja muito mais longa do que a minha. Desejo ainda, se essa for a tua, a vossa vontade, lhe dês os filhos que eu não lhe pude dar” “

EU VOU SER COMO A SERPENTE

EU VOU SER COMO A SERPENTE

Marcel é um super apresentador de televisão, respeitado e admirado pelo grande público. Envolve-se num triângulo amoroso, de consequências imprevisíveis. Quatro crianças fogem de um colégio católico. Ao recuperá-las, a polícia é confrontada com uma rede de pedofilia de grande dimensão. Marcel é preso, acusado de ser um dos cabecilhas da mesma. Começa aí uma verdadeira descida ao inferno, para ele. Um romance que mostra a face mais negra de uma sociedade para a qual o dinheiro e o poder são os únicos valores que contam.

AMOR BARATO

AMOR BARATO

Amor Barato reúne dez contos escritos com um estilo simples. São Historias que, enquadradas em cenários do quotidiano, dão conta da relação do sujeito com o mundo e com os outros. Destacam-se como principais elementos o retrato social, o erotismo (na sua vertente dual paixão/desilusão) e, sobretudo, a solidão ? na medida em que nascemos sós, vivemos sós e morremos sós. Álvaro Figueiredo

SABER ESCREVER

SABER ESCREVER

«Saber Escrever» é um manual de escrita. Poderia sintetizar-se assim: da frase ao texto. Começando por nos introduzir na construção correta de uma frase simples, vai-nos guiando na elaboração de textos de maior complexidade: da frase simples passa para a construção da frase complexa, depois para a construção de um resumo, de um reconto, do desenvolvimento de um tema, até chegar à elaboração de uma síntese de vários textos. Analisa de modo aprofundado as diferenças entre a língua escrita e a língua falada, acentuando os processos específicos la língua escrita que substituem os movimentos corporais, os tons de voz, os gestos que, na fala, ajudam o nosso interlocutor a entender a mensagem que queremos transmitir. A quem se destina? A todo o público escolar que se vê muitas vezes sozinho perante a obrigação de escrever um texto sem saber como fazer. Aos professores, porque lhes proporciona todo um material teórico seguido de exercícios da aplicação, facilitando-lhes o seu trabalho de ensino/aprendizagem. E, por último, mas não menos importante, aos pais que desejam ajudar os filhos nos exercícios de escrita e não dispõem de um guia que os auxiliem.

DEPOIS DA ESCURIDÃO

DEPOIS DA ESCURIDÃO, A LUZ

Ao longo da vida, um Homem depara-se com inúmeras questões. O que deve valorizar? O que o move? O que o atormenta? O que retirar dos ensinamentos do passado? O que lhe reserva o futuro? Como encontrar o caminho que o levará das trevas para a iluminação redentora? Por vezes, na vida, é necessário encontrar o derradeiro percurso para um ensejo de esperança na incessante busca pelo sublime, purificando-se da matéria e indo ao encontro da realidade suprema.

MULHERES FERIDAS

MULHERES FERIDAS

Existem feridas da alma, que são causadas através de nossas próprias mãos, assim como existem aquelas que podem vir de quem mais amamos. Podem ser causadas pela maldade alheia, pela injustiça, e até mesmo por frustrações de sonhos. Te pergunto, alguma vez alguém já colocou as mãos sobre as tuas feridas para lavá-las e curá-las no momento em que você mais precisou? Alguma vez você chorou sozinha em teu quarto imaginando que ninguém estava a te ouvir e desejou cancelar teu passado ou presente porque a dor que habitava em teu coração era tão pesada que você não conseguia carregar sozinha? Já desejou que alguém pudesse vir e te socorrer, mas infelizmente não encontrou ninguém que o fizesse? Pois bem, se este livro chegou até às tuas mãos, aceita-o como um presente da parte de Deus para a tua vida, pois aqui você encontrará algumas mulheres que assim como você precisaram cicatrizar suas feridas um dia. São aquelas mulheres que também carregaram sobre si as marcas da dor, e que muitas vezes caíram ao chão pelo peso de todos os problemas que as circundavam sem encontrar uma solução, com suas feridas abertas e ensanguentadas elas também gritavam por socorro. Ansiavam, em silêncio, poder encontrar alguém que as ouvisse e as ajudasse. Deus as ouviu! Estendeu suas mãos para socorrê-las, transformando-as através da fé, de mulheres feridas em vasos de honra. Agora chegou a tua vez! ?E, quanto ao teu nascimento, diz o Senhor, no dia em que nasceste não te foi cortado o umbigo, nem foste lavada com água para te limpar; nem tampouco foste esfregada com sal, nem envolta em faixas. Não se apiedou de ti olho algum, para te fazer alguma coisa disto, compadecendo-se de ti; antes foste lançada em pleno campo, pelo nojo da tua pessoa, no dia em que nasceste. E, passando eu junto de ti, vi-te a revolver-te no teu sangue, e disse-te: Ainda que estejas no teu sangue, vive; sim, disse-te: Ainda que estejas no teu sangue, vive.? Ezequiel 16:4-6

A MULHER NA IGREJA CATÓLICA

A MULHER NA IGREJA CATÓLICA

O desafio foi lançado pelo Papa Francisco por ocasião do encontro com os jornalistas no voo Manila-Roma: ainda não se fez uma profunda teologia da mulher na Igreja e é necessário fazê-la. Secundando os constantes apelos que Francisco tem lançado sobre a necessidade de escutar o pensamento da mulher na Igreja Católica, este livro identifica os sólidos fundamentos dessa teologia. Através de uma ampla documentação bibliográfica, a autora analisa os obstáculos culturais e ideológicos que tem obstaculizado a missão da mulher católica na Igreja e na sociedade, dado que a sua redescoberta é central nas actuais tensões entre vanguardas progressistas e gnosticismo conservador na Igreja Católica. Um caso particular destas tensões ocorre na Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei. Sendo esta um apostolado do Papa, incrustado na hierarquia da Igreja, este livro toma como referência o lugar da mulher nesta instituição eclesiástica para ilustrar os avanços e recuos quanto ao protagonismo da mulher na viragem epocal que vivenciamos. No contexto da reforma litúrgica, bíblica e ecuménica da primeira metade do século XX, o sacerdote Josemaría Escrivá promoveu activamente a mulher e o diaconado feminino permanente. Avança na linha da Reforma a par de iminentes teólogos progressistas como Romano Guardini, Yves Congar, Hans Urs von Balthasar, Henri de Lubac, Jean Daniélou, Joseph Ratzinger, para de imediato recuar, no movimento pós-Vaticano II. Nesta obra identificam-se os obstáculos que aí se interpuseram, explica-se de que modo Francisco avança na reforma da Igreja – e, indirectamente, também da Prelatura – e abre amplas perspectivas à consolidação da identidade da mulher na Igreja, face ao feminismo radical e às ideologias de género. 30 de Janeiro de 2017 Eugénia Tomaz

O CANTE ALENTEJANO NO CANCIONEIRO DO PADRE MARVÃO

O CANTE ALENTEJANO NO CANCIONEIRO DO PADRE MARVÃO, 3ª EDIÇÃO

Clara Santana Rita, natural de Amareleja, conhece os hábitos e tradições do Baixo Alentejo; ama e sente o Cante Alentejano como coisa sua. Neste livro ? resumo adaptado de um trabalho universitário ??revela-nos um dos primeiros cancioneiros alentejanos veículo do reportório do Cante: O Cancioneiro do Padre António Marvão, distinto etnólogo e musicólogo amarelejense (1903-1993). Com formação em Línguas e Literaturas Modernas / Românicas, a autora esteve ligada durante duas décadas à Universidade Autónoma de Lisboa, quer como docente, quer como investigadora no Centro de Estudos Linguísticos, Comparados e Multimédia. Leccionou diversas unidades curriculares nas áreas de Literatura e Cultura Portuguesas e Francesas, bem como o Seminário de Metodologia do Trabalho Científico. Além de várias participações em conferências e colóquios nacionais e internacionais, publicou mais de uma dezena de artigos em revistas da especialidade: nos Anais de Línguas e Literaturas da UAL, na revista da Sociedade da Língua Portuguesa e, ainda, na revista electrónica E-scrita. A autora integrou o júri do Grande Prémio Internacional de Linguística Lindley Cintra em 2000; pertenceu à Direcção da Sociedade da Língua Portuguesa de 2002 a 2008; pertence ao Corpo Editorial Consultivo da revista electrónica E-scrita, UNIABEU, Brasil, desde 2010.

OS TRILHOS FERROVIÁRIOS DO DOURO

OS TRILHOS FERROVIÁRIOS DO DOURO

Este livro apresenta um conjunto de Historias partilhadas pelo Sr. Morais, sobre a construção dos trilhos de ferro do Douro, ao seu neto, num belo dia de pesca. Antigo maquinista, filho de um fogueiro e obreiro que ajudara a construir a linha. Acompanhado pelo seu neto Tomás, que regressara de Lisboa para passar com ele as suas férias escolares, os dois vão viver e recordar momentos memoráveis?

TANTO E NADA

TANTO E NADA

Desde o lançamento do seu primeiro livro, em Março de 2014, aos 11 anos de idade, que a autora tem continuado a escrever os seus poemas, revelando um crescimento e um amadurecimento para além do expectável para esta faixa etária, privilegiando sempre os sentimentos e as emoções. Este livro retrata esse processo de mudança, por vezes simples, por vezes complexo, mas, acima de tudo, tal como ela refere no seu prefácio «Tanto e nada são duas palavras simples, mas que defendem e separam decisões, sonhos e mundos contrários», sugerindo ainda a reflexão sobre aquilo que cada um de nós valoriza.

PARA ALÉM DO MAR

PARA ALÉM DO MAR

Poemas que revelam sensibilidade quando descreve as envolventes mágicas de Cabo Verde, a terra que o viu nascer ? o mar, a ilha de Santiago, a doçura do clima, o firmamento. Experimentação direta de vivências da sua juventude marcada por uma grande espiritualidade. Forte ligação aos entes queridos na sua diversidade antagónica de sentimentos: alegria e angústia, felicidade e tristeza. Retrato de uma vida que procura respostas e inquietude com o amanhã.

O VALOR DA VIDA

O VALOR DA VIDA

Esta Historia relata a vida de Sílvia, uma menina que, por força de uma gravidez precoce, em plenos anos 70, se torna mulher. Com receio da opinião dos seus pais, pois naquele tempo era muito recorrente o aborto nas jovens, por vergonha por parte dos seus progenitores, contou com o inquebrável apoio do seu amado e ambos assumiram a gravidez. Desde a constituição da sua vida independente, uma vez que inicialmente ambos viveram perto dos seus pais, aos estudos, passando pelo flagelo do desemprego e, por consequência, uma nova atividade profissional, que culminou com o bater do coração por outra pessoa, a um destino impensável, todos os seus dias ela procurou viver o que considerou ser para si o ?Valor da vida?, sentimento que definiu numa única palavra, a última desta Historia envolvente.

O AMANHÃ PODE ESPERAR

O AMANHÃ PODE ESPERAR

As palavras têm a força de um ombro amigo, de um sorriso de alguém que nos diz muito e até de um abraço que nos protege do mundo. «O Amanhã Pode Esperar» é a voz que está dentro de cada um de nós e que não ouvimos ou temos medo de ouvir. É a força que todos temos, mesmo nos momentos mais difíceis da nossa vida, sobretudo nos momentos mais difíceis da nossa vida. É uma aprendizagem que só o tempo nos pode dar, uma libertação que surge apenas quando percebemos que não temos todo o tempo do mundo. Este é um livro que pretende inspirar, fazer bem à alma e ao coração, mexer com as emoções. As palavras, quando vão de um coração para outro, têm a força que, por vezes, nos faz falta, têm a coragem que, por vezes, receamos não ter, têm a alegria que, por vezes, o nosso sorriso deixa de ter. «O Amanhã Pode Esperar» coloca-nos em perspetiva e lança-nos um desafio: Vamos ser o melhor de nós, hoje?

FAZ DE CONTA DE GENTE FELIZ

FAZ DE CONTA DE GENTE FELIZ

A culpa não é tua, eu sei, a culpa não existe, existem apenas as horas passadas sem que te pudesse dizer o quanto te amo. É que às vezes parecia não amar-te, como se te desvanecesses na bruma que se aproximava em pequenas gotículas Transparentes, de repente, Nada. Apenas uma aliança no dedo, Duas crianças em comum e a obrigação de me deitar todos os dias na tua cama, a sonhar com a minha identidade perdida, o segredo escondido da minha liberdade entre quatro paredes conjugais e o automóvel na garagem, para o passeio de fim-de-semana? como se me apetecesse a rotina do café com leite ao fim da tarde de domingo, na Boca do Inferno??

O HOMEM É O HOMEM DO HOMEM

O HOMEM É O HOMEM DO HOMEM

Homem é o Homem do Homem, além de uma Obra literária, como um objectivo e um compromisso com a Arte, é também um salão de espelhos, isto é, um testemunho de alcance sociológico e também em parte político, no âmbito da moral (não está em causa a questão moralizante a que a obra não se propõe, nem o seu Autor). Em resumo, um livro de poesia em que o sentimento humano é o centro universal, para questões tais como a Emigração, a Depressão, o Trabalhismo, mas envolve a Elegia como também a Discussão Poética perante o Poeta e a Sociedade. Numa linguagem pura, no entanto forte, encontrando a simplicidade revestida num rigor transparente da expressão Poética.

O VOO DA FLOR

O VOO DA FLOR

Este livro é um voo poético em melodia, tantas vezes utópico e imaginário, com toques sensuais, humoristas e guerreiros, no seu seguimento com algumas marcas quiméricas e idealistas em respeito à mulher, tem gritos de força, fé e futuro, por onde o sonho se transporta. Além de sonhar recorda a menina, a terra, o rio, o mar, veste a pele da mulher no seu fado, por onde a melodia, a poesia, a amizade e o amor são todos um alimento à alma, e ainda se entranha nas injustiças de tantas. Verseja a flor mulher e menina com toda a sua beleza e força única. Para quem me quiser ler: «Sou apenas num segundo, um impulso solto numa imensidão.»

VIVEIRO DE PALAVRAS

VIVEIRO DE PALAVRAS

Durante mais de dez anos procurei publicar o meu primeiro livro. Aquele que escrevi ao longo de toda a minha vida. O primeiro a ser registado. No entanto, tenho de reconhecer que todos os meus esforços fracassaram. Depois de tantos anos e completamente desiludida, desisti de o publicar. Com dois livros registados no I.G.A.C., um conto infantil escrito, um livro de crónicas e um outro, que não está ainda terminado, eu acreditava que se tinha de publicar seria sempre pelo princípio. Depois da decisão de não o fazer, uma onda de criatividade e vontade inundou-me de maneira indescritível. Nem sequer foram os poemas que eu mais amei. Nem sequer foram os mais trabalhados, mas eu deixei-os ficar como eles apareceram e foram escritos. Muitas vezes em guardanapos de papel. Alguns em papel da máquina de comprovativo de entrega da lavandaria onde trabalhava. Tive momentos em que escrevi nas casas de banho e claro que o papel era o que existia. Alguns foram escritos com o carro parado na beira da estrada. Alucinadamente, as palavras entraram e saíram de mim, como plantas de um viveiro para transplantar. Da mesma maneira que as palavras me inundavam, também a minha vida se desenvolvia e conspirava para a concretização da publicação deste livro, que eu percebi imediatamente ter de ser o primeiro. Não poderia ter outro título. ?Viveiro de Palavras? é o livro que a vida me deu em semente e que eu espero ver crescer e florescer nas mentes e nos vossos corações de quem o ler.

E SE TIVESSES UMA COMPANHEIRA BIPOLAR?

E SE TIVESSES UMA COMPANHEIRA BIPOLAR?

Após múltiplos relacionamentos frustrados, Diogo sonhava com o dia em que iria encontrar o grande amor da sua vida. Esse dia chegou quando conheceu Heloísa, uma jovem e linda mulher, esbelta, sorridente, melancólica e triste no olhar. Ao longo de um ano de vivência em comum, Diogo observa que Heloísa manifesta comportamentos fortemente depressivos alternados com fases de grande euforia. Ideias megalómanas, alucinações, delírios, compras supérfluas, discursos incoerentes e contraditórios, insensibilidade, frieza, egocentrismo, que contrastavam com dias enfiada no leito, desinteresse pela alimentação, pelo trabalho e pela higiene.

HOLOCAUSTO LUNAR

HOLOCAUSTO LUNAR

Serina é uma menina da Lua, filha de um herói de uma revolução socialista e irmã de um soldado do Exército Vermelho. É uma menina protegida pelo sistema mas à sua volta outras crianças não o são, pois são vítimas de perseguição religiosa e de recrutamento forçado? Luanda, uma menina de 8 anos, a quem Serina chama de irmã, é recrutada à força como criança-soldado; sem conseguir ficar indiferente a esta injustiça, Serina acompanha-a voluntariamente na convicção que a consegue a salvar. Mas mais vidas estão em jogo?

ESTREMECIMENTOS DE ALMA

ESTREMECIMENTOS DE ALMA

é na noite que levanto asas nas minhas mãos e olho nas minhas entranhas o mundo de palavras que as faz mover, e aí encontro o enigma do jamais escrito… e nos vestígios que escolho, brota sempre a saudade do instante, de todos os instantes.

DEFINIR METAS E ALCANÇAR OBJETIVOS

DEFINIR METAS E ALCANÇAR OBJETIVOS

Este livro é um amigo, um motivador que o vai impulsionar para o mais alto sucesso. O objetivo deste livro é motivar os leitores a superarem os seus desafios e alcançarem o sucesso que desejam. A sua leitura, associada a dinâmicas, contribui para o desenvolvimento pessoal e empresarial dos leitores. Ao longo deste livro são apresentadas algumas Historias que nos fazem tomar consciência de como o nosso comportamento comanda todo o nosso universo. Termos consciência dos nossos objetivos, estarmos motivados para os alcançar, arranjar as melhores estratégias, é muito importante para obtermos mais sucesso. Porém, não menos importante é forma como nos comportamos e comunicamos. Ao longo deste livro transmitem-se algumas dicas e conceitos, que nos fazem tomar consciência do nosso comportamento. Muitas vezes queremos mudar algumas coisas no nosso comportamento, mas primeiro temos de tomar consciência do que somos, de como agimos e do que queremos mudar. Também queremos ter muito sucesso, mas nem sempre sabemos em quê. Cada pessoa é que traça o seu próprio destino, por isso é muito importante trocarmos o que está menos bem na nossa vida, por situações boas, que nos façam sentir felizes. Para haver esta troca tem de haver mudança e a mudança tem de partir de nós.

NUNCA SE ESTÁ SÓ

NUNCA SE ESTÁ SÓ

Fred passa por uma experiência terrível: um acidente deixou-o preso a uma cadeira de rodas. Um dia encontra o livro Nunca Se Está Só numa estante e folheia-o. Ao lê-lo, sente que mesmo sem se mexer, pode viajar pelos lugares que são referidos na obra. Passando de uma narrativa para outra, surge a descrição de vários locais e de várias personagens. Tudo começa algures nos Picos da Europa, numa montanha onde vivem Tomás, o seu pai e as suas cabras, que estão sempre vigiados pelo fantasma de Aléxis. Naquele lugar habita também uma comunidade de seres especiais, as Xanas. Sempre sobressaltadas e atormentadas pelo fantasma de Aléxis, acabam por viver em harmonia com Tomás e a sua família. A misteriosa montanha possui atributos muito cobiçados, que acabam por inspirar muitas personagens que entram na Historia, assim como o próprio Fred. A montanha fomentará contendas e divisões no seio da comunidade, que apesar da evolução dos tempos continuará misteriosa.

VOZ SEM NINGUÉM

VOZ SEM NINGUÉM

O sofrimento grita no olhar do povo, porém a boca permanece em silêncio com medo de opressão, uma criança vindo de um país de terceiro mundo carrega com ela o choque entre a realidade cultural e devassidão causadas pelo tempo, a marca de um país onde ser mulher é pouco mais do que ser um animal irracional.

SENTIRES POÉTICOS

SENTIRES POÉTICOS

As experiências proporcionadas por encontros e desencontros, alegrias e tristezas, conquistas e frustrações, ânimos e revoltas, explicam a vida. O amor, a paixão, a solidariedade e o humanismo, são o tempero da própria vida. O medo, as angústias, as desilusões e desencantos são o preço por viver-se. E a pena da poeta, qual cineasta, oferece-nos uma película de palavras que nos ilustra a vida, dando-nos a conhecer os seus sabores e o preço que temos de pagar por vivê-la.

O TEU LUAR DE ONTEM

O TEU LUAR DE ONTEM

Naqueles tempos já longínquos, e todavia marcantes, da acção política de resistência, o Pedro esteve na primeira linha da intervenção. É difícil nos dias de hoje imaginar o que isso verdadeiramente significou, pelo que exigiu de coragem e determinação. No caso concreto da luta anti-colonial, um tema escolhido por muitos como uma espécie de prioridade e de urgência, o Pedro Onofre teve papel de relevo em muitas iniciativas, mas sobretudo como elemento de ligação entre grupos, o que o levou à dura experiência da prisão. Luís Moita O Pedro vivia, sonhava e defendia os seus ideais, mesmo que mil vezes discutidos, com o mesmo entusiasmo de sempre, com aquele encantamento quase infantil que sempre me seduziu, pois o mundo era mais bonito visto pelos seus olhos. Ana Costa “Há pessoas que passam por nós e deixam ficar uma tal impressão da sua grandeza que não nos podemos esquecer delas. Ana Estorninho Na sua rara personalidade, distinguiam-se a empatia natural, a simplicidade, a serenidade invulgar, a paciência, o saber escutar, a palavra e o gesto genuínos do afecto e respeito que adultos e crianças lhe mereciam. Ana Vieira de Almeida Tecedor de teias de amizades ia ao fundo de cada um, subtil, generoso, procurando fixar na sua infatigável paixão pela fotografia aquele momento sempre único que nunca se repetiria. Irolinda Oliveira? “

O QUE A MINHA CANETA ESCREVEU

O QUE A MINHA CANETA ESCREVEU

Há quem guarde as memórias e quem necessite relembrar Historias para colocar pontos finais no passado. O QUE A MINHA CANETA ESCREVEU, é uma forma de encerrar algumas Historias, relembrar outras com saudade e retornar a locais do passado que a memória foi incapaz de apagar, numa viagem, com muitas viagens dentro, sem distâncias nem tempo.

AS FOLHAS APÓS O VENDAVAL

AS FOLHAS APÓS O VENDAVAL

O meu sonho é uma serena tempestade que desce do céu… numa linha de luminosidade de onde o pensamento se agarra para saber o tempo de estar ou parar… se alguém ainda me sabe sentir… não me siga nem se deixe ficar para trás… caminhe ao meu lado com o regaço a florir sementes de outono na invernia sentida da intempérie… efémera… na permanência de sentir a emoção de um coração que vibra nas mãos no verbo amar conjugado de companheirismo em todas as estações do ano… nos séculos da eternidade numerada por afetos a sorrir nas lágrimas de um destino onde se permanecerá em plena construção… Continuarei sempre perdida de certezas em busca das incertezas… acompanhada ou solitária… continuarei! Deste lado da linha com as folhas que ficam após o vendaval!

A INTERVENÇÃO MOTORA EDUCACIONAL

A INTERVENÇÃO MOTORA EDUCACIONAL

A presente coletânea de textos reúne grande parte dos conceitos, pressupostos teóricos, metodologias e estratégias em que o autor Pedro Soares Onofre ancorava a sua prática no plano da Intervenção Motora Educacional. O seu pensamento transporta-nos à importância da Motricidade na promoção de uma expressão global mais rica e diversificada e de uma personalidade mais equilibrada e relativamente constante no agir, no pensar e no sentir, resultante da integração e apropriação ao longo da vida de influências hereditárias, ambientais e do significado que atribuímos às experiências que vivemos. Há uma ideia transversal em todos os seus textos. É com veemência que o autor chama a atenção para a necessidade de por a criança em movimento e dar importância à motricidade, pelo seu poder preventivo, pela importância na recuperação dos défices sejam eles de que natureza forem e pela influência, mais que provada, no quadro da sua educação em geral e da escolarização em particular. O Movimento faz parte das necessidades fundamentais da vida, ao mesmo nível que o Ar e os Alimentos. Pedro Soares Onofre :: Dados Curriculares – Licenciado em Educação Física pela Universidade Técnica de Lisboa, na FMH. – Especialista de Intervenção Educacional ao nível da Psicomotricidade das Crianças com Dificuldades de Comunicação e de Desenvolvimento. – Promotor de uma Nova Perspectiva Metodológica da Psicomotricidade, designada de Intervenção Motora Educacional. – Formador de Educadores, Professores, Psicólogos, Médicos, Enfermeiros e outros profissionais afins, a nível da Formação Permanente e Universitária (ESES, FMH e ISPA etc…), em Portugal (Continente, Madeira e Açores) e na República da Guiné-Bissau. – Responsável pela Direcção e Orientação de Grupos Permanentes de Estudo Multidisciplinar, a nível da Reflexão Pedagógica e Terapêutica. – Sócio Fundador da Sociedade Portuguesa de Educação Física da Associação Portuguesa de Psicomotricidade, do Centro Europeu de Cinema para a Infância e Juventude e do Centro Doutor João dos Santos. – Responsável por conferências e trabalhos em Congressos sobre Temas Pedagógicos, em geral e mais especificamente, de Motricidade, Expressão e Criatividade. :: Publicações e outras actividades Profissionais Actividades de Interesse

O ARRAIS

O ARRAIS

O Mar é uma outra coisa, não se vive nele com pressa nem se sobrevive a ele com medo. E ninguém sabe isso melhor que os Homens do Mar que navegam por águas tantas vezes revoltas sem saber se de lá saem incólumes ou se esses mesmos mares serão afinal a sua derradeira morada. A vida no Mar é hostil, dura e perigosa. Ainda assim estes bravos Homens quando obrigados a ficar em terra sentem-se como peixes fora de água. Aquela vida entranha-se pela sua pele e parece que deixam de saber viver quando não estão na faina. É vê-los fitando o Mar com olhares perdidos. E que coragem e que loucura é que leva um Homem a, perante um Mar revolto, se enfiar por ele adentro em embarcações que comparativamente à dimensão dos oceanos mais não parecem que diminutas cascas de nozes? O Arrais é uma Historia ficcionada mas ainda assim tão rente da realidade quotidiana destes Homens e com descrições contemplativas de beleza e harmonia que permitem encontrar Poesia onde antes, por mais insistentes olhares que deitássemos a essas vidas, víamos apenas aspereza e agruras. A escrita de Alves dos Santos neste O Arrais envolve o leitor, transportando-o para a vida das personagens, numa transparência íntima e em ambientes de céu e luz que se vão alterando passo a passo como se fosse o balanço do Mar. Este é um livro que é também, claramente, uma sentida homenagem do Autor a todos os Homens do Mar e em particular aos de Machico, a sua terra.

DIAS DE POESIA

DIAS DE POESIA

há dias em que sinto uma estranha força dentro de mim não é amor não é dor não é alegria não é tristeza é como se eu pudesse dar o meu coração a todos os que precisam

A VIDA NÃO ESTÁ PARA NETOS

A VIDA NÃO ESTÁ PARA NETOS

Lisboa, Bairro da Bica, ano de 1962 ou 1963. Celestino Comprido, durante o dia encarregado do Armazém de Leilões da Alfândega de Lisboa, durante a noite agenciador de bilhetes de claque no Parque Mayer, está radiante. Rebenta-lhe a alma num êxtase de felicidade. É avô! Lina, a escultural companheira do seu filho Toninho, acaba de dar à luz um belo rapagão, orgulho do pai e, claro está, também deste avô vaidoso. Com os seus amigos e companheiros? o bate-chapa André do Boné, o polícia sinaleiro Lucas Dançarino, o condutor do ascensor da Bica Sebastião Canhoto e o tesoureiro das alfândegas Martim Martins?, e sob a vigilância acurada dos agentes da PIDE Mendes e Antunes, Celestino comemora na tasca do galego Barnabé o ditoso acontecimento. Noutro lado da cidade, na Rua da Guiné, no Bairro das Colónias, Toninho, o pai da criança, consome-se no louco afã da sua absorvente profissão de ajudante de despachante. Conta com a disponibilidade do simpático vizinho do quarto independente, o afável senhor Chico, vendedor de passamanarias, para acompanhar e amenizar a solidão fastidiosa da sua bela Lina? A VIDA NÃO ESTÁ PARA NETOS comporta ainda a originalidade de a narrativa em tom irónico ser acompanhada por inúmeras notas de rodapé que reportam, em registo paralelo, ruas, sítios, monumentos, costumes antigos, profissões extintas, acontecimentos, músicas e ambientes do século passado, que a voracidade do tempo fez esquecer.

SUBSÍDIO PARA UMA LEITURA NOVA DO ROMANCE FANGA

SUBSÍDIO PARA UMA LEITURA NOVA DO ROMANCE FANGA

A portada deste livro deixa claramente transparecer o objectivo que o norteia, ou seja verter para letra de forma uma acepção ou leitura nova, aliás, inédita de Fanga, romance de Alves Redol. E, assim, o autor postergou o carácter apologético do romance, já exaustivamente glosado, para exaltar a vertente antropológica da obra. Isto com manifesto e vultuoso ganho para a Historia social da vila da Golegã, na década de quarenta. Redol como, de resto, o autor, na sua esteira, fundaram este inventário de memórias e reminiscências no testemunho presencial e na tradição oral, uma forma não despicienda de reconstrução do passado. O mais que se vê deste livro é um glossário apenso, prontuário auxiliar ou vade mecum indispensável na leitura e compreensão do romance. E também um rol das alcunhas dos habitantes da vila, condimento essencial para a contextualização dos sucessivos andamentos da obra.

PENÚLTIMA ESPERANÇA

PENÚLTIMA ESPERANÇA

Mónica Ruivo isola-se em Porto Covo, para recuperar da dor causada pela morte do seu pai. Simultaneamente enfrenta também um desgosto de amor. Ali conhece um estranho empresário do mundo da moda que não a deixa em paz enquanto ela não aceita ser uma das suas modelos. Acabando por se envolver demasiado com ele. Deixando para trás a vida simples que levava, rapidamente se torna numa modelo famosa. Quando reencontra Alexandre, o seu grande e único amor, tudo pode voltar a acontecer. Sentimentos escondidos, numa paixão por resolver, o erotismo e o amor têm uma intensidade única. Numa equívoca contradição aos seus sentimentos mais profundos, depois de perder tudo o que tinha conquistado até ali, o amor consegue dar forças para vencer todas as batalhas. Recomeçou de novo. Numa penúltima esperança. Só que o destino tira-lhe o que ela tem de melhor na vida dando-lhe uma outra vida. Terá ela ainda forças para enfrentar todos os desgostos?

SELVA HUMANA COM MÁSCARA DEMOCRÁTICA

SELVA HUMANA COM MÁSCARA DEMOCRÁTICA

Desde os primórdios da Humanidade, sendo ainda dominantes, as comunidades monofamiliares e tribais originárias do mesmo tronco hereditário comum, em vias de extinção, baseiam o relacionamento entre si em relações humanas de cooperação solidária e de complementaridade de aptidões e de competências individuais, garantes da coesão social, que caracteriza qualquer comunidade humana algo civilizada. Em determinados momentos da Historia humana, tribos originárias de troncos hereditários diferentes entraram em conflito pela disputa do território que cada uma ocupava, bem como dos recursos de subsistência naturais que nesses territórios existiam. Do resultado dessas lutas, a tribo vencedora reduzia os vencidos à condição de escravos absolutos ou de animais domésticos, tendo surgido o primeiro conceito de Estado organizado – o Estado esclavagista. No entanto, em consequência de frequentes e violentas revoltas dos escravos contra os esclavagistas, estes foram concedendo direitos legítimos aos escravos, dando origem ao Feudalismo e ao Capitalismo, no entanto esses progressos sociais nunca excluíam a segregação social. Perante este quadro socialmente discriminatório, filósofos da Grécia Antiga conceberam um modelo de organização socioeconómico e político, que pusesse termo às referidas desigualdades sociais, designado por Democracia, definido nos seguintes termos: Democracia de um povo é o governo desse povo ser eleito pelo voto pessoal, livre e direto de todas as pessoas responsáveis desse mesmo povo, para o bem comum (sem excluir quem quer que seja). É evidente que neste conceito não têm cabimento relações humanas de competição, nem a existência de corporações de interesses específicos, típicos de uma relação de competição, violadora do conceito de Democracia, como são os partidos políticos. E assim, ainda atualmente se subverte o conceito de democracia, em nome da própria Democracia.

PONTO SEM RETORNO

PONTO SEM RETORNO

Giselle Levy é meio-bruxa e vive isolada do mundo com o seu avô, escondida do olhar do rei. É cuidadosa e astuta, contudo, numa tentativa de sobreviver, foi apanhada e chantageada por um dos príncipes de Kendrad, Cristian, que promete não a entregar, se ela for trabalhar para o palácio. Num dilema, ela coloca em perigo a sua identidade e passa a trabalhar no palácio, onde terá de lidar com as constantes tentativas de sedução do príncipe Cristian, os misteriosos olhares de príncipe Eli, os encontros escondidos com o seu melhor e único amigo, Rylan, e um rei desumano com segredos obscuros. Giselle vive numa constante incerteza e angústia de ser descoberta, amargurada pelo facto de não poder ser livre, encontra uma misteriosa sala, com um poderoso encantamento que poderá mudar tudo. Assertiva, inteligente e defensiva, irá deparar-se com uma escolha que mudará para sempre a sua vida e a ideia que tem si própria.

É URGENTE O AMOR

É URGENTE O AMOR

É urgente o amor É urgente um barco no mar É urgente destruir certas palavras, ódio, solidão e crueldade, alguns lamentos, muitas espadas. É urgente inventar alegria, multiplicar os beijos, as searas, é urgente descobrir rosas e rios e manhãs claras. Cai o silêncio nos ombros e a luz impura, até doer. É urgente o amor, é urgente permanecer. Eugénio de Andrade, in Até Amanhã””

FUI COMO ERVAS

FUI COMO ERVAS

As páginas seguintes reúnem memórias e emoções da minha vida entre 10 de Dezembro de 1976 e algum tempo depois de 24 de Julho de 1991. São pouco mais de 14 anos de vida? Exactamente os mesmos que tinha quando escrevi o primeiro verso. Só agora me apercebo desta matemática de vida, eu que gosto tanto de ciclos que se fecham, de linhas que se encontram e de simetrias que se eternizam. Em 2009, dezoito anos depois, decidi trazer à luz estas recordações. Desta vez a matemática não se cumpriu mas senti que tinha que fechar um ciclo. Todas estas memórias celebram o Amor: o Amor Romântico, o Amor Amizade, o Amor à Família, o Amor a dois, o Amor ao Semelhante, o Amor a Deus. E se aos 14 anos despertei para o amor romântico, aos 28 perdi o Amor da minha vida quando a minha alma gémea subiu ao céu, não sem antes ter mergulhado nas profundezas do oceano Atlântico sem me ter permitido dizer-lhe o último adeus. Hoje celebro outros Amores. O ciclo é outro. Esta obra está enriquecida com as surpreendentes ilustrações de João Lamego. As várias décadas de vida que nos separam são uma extraordinária ponte entre as vivências de uma jovem do século XX e a leitura que delas faz um outro jovem já no século XXI. (18 de Outubro de 2016)

POEMA MULHER

POEMA MULHER

este é um trabalho de poesia com obras de diversos autores com as mais diversas tendências estéticas. Procuramos dar a palavra à pluralidade, com ela criámos este livro que todos vão gostar de ler.

A BESTA

A BESTA, 2º EDIÇÃO

Os primeiros animais marinhos surgiram há 500 milhões de anos; o homo sapiens, antepassado do homem, há 200 mil anos; o homem moderno tem, apenas, cerca de 50 mil anos!… O homem é, afinal, o animal menos evoluído e o mais perigoso do reino animal. Esta peça é uma fábula satírica que tem por objetivo demonstrar a pequenez do poder do homem no reino animal; a revolta dos animais contra a forma como são tratados pelo homem; a necessidade de proteção da natureza e, em especial, do reino animal.

MARIAZINHA CALCINHA DE RENDA

MARIAZINHA CALCINHA DE RENDA

Sou Mariazinha, calcinha de renda, o livro que reflecte saudades e recordações das ilhas do meio do mundo. Atravessando os tempos e mares, estendo-me entre uma infância distante e um presente de distância. Do mercado ?Feira Grande?, onde ao soar a buzina das cinco, Mariazinha saia de gamela na cabeça, pés descalços, para voltar no dia seguinte as cinco da manhã e onde o homem da bandeja de bolo, também ele de pés descalços, arrumava a bandeja vazia para voltar no dia seguinte as dez da manhã com ela cheia de bolo e cheiro a farinha quente, até uma correria, as seis da tarde, em plena praça de Rossio para não perder o comboio que leva a lado nenhum. Acompanhe-me neste ir e vir entre o ontem e o hoje, entre o quente calor tropical e o frio das manhãs de Dezembro, entre a imensidão do Tejo e a frescura do cantarolar do Rio Papagaio e da Sé guardando a foz do Água Grande.

AGRIDOCE

AGRIDOCE

Ana Luísa, uma advogada jovem e dinâmica, é a imagem da beleza e do sucesso. O altruísmo e a doçura que a caracterizam são a chave mestra que a todos encanta. Vive um amor descomplicado junto de Edgar, contudo os dias de felicidade podem estar contados. Separados por um esquema ardiloso de Clarisse, muito há a esclarecer Enquanto isso, numa experiência agridoce, aguarda, maravilhada, o nascimento do filho não planeado, mas que por si só é o alento que a ajuda a reerguer-se do abismo em que a sua vida mergulhou na noite em que, sem nada o prever, desapareceu da vida de Edgar. Conseguirá este derrubar os muros que ela ergueu à sua volta? Será o amor mais forte que a dúvida?

A POESIA E A VIDA

A POESIA E A VIDA, 4ª EDIÇÃO

Manuel José Cerqueira da Silva, mais conhecido por Zé Manel da Lixa , nasceu na freguesia de Santão, concelho de Felgueiras, a 13 de outubro de 1949. Na sua terra natal, frequentou a instrução primária na Escola do Hospital. Em 2011, termina o terceiro ciclo do ensino básico. Iniciou a sua carreira profissional ainda em tenra idade, como aprendiz de torneiro mecânico. Atualmente, é empresário no mesmo setor. O seu serviço militar foi prestado em Angola, de onde regressou em 1973, fixando residência em Vila Cova da Lixa, onde constituiu família. Nestes 63 anos de vida, dedicou uma parte deles à poesia. Em 2009, publica Encantos e recantos da cidade da Lixa, sendo a sua primeira obra publicada e dedicada à sua terra amada. Ao longo dos anos, tem mantido diversas colaborações com publicações periódicas locais, como o Semanário de Felgueiras ou o Jornal da Lixa. É frequente receber convites para participar em tertúlias poéticas ou para declamação de poemas de sua autoria, em diversos eventos ou festividades.

OLHOS DE CHINESA

OLHOS DE CHINESA, 2ª EDIÇÃO

Não é um livro de viagens, nem tão pouco um roteiro turístico, antes um manancial de emoções que as cidades e os lugares despertam quando olhados e vividos com a alma aberta, olhos postos nas pessoas que são a matéria única que vale a pena sentir. Talvez se aprenda a entender melhor o ser humano, talvez consigamos, alheando-nos da crítica feroz despida de fundamento, olhar os chineses como gente ferozmente trabalhadora que merece ter agora o seu tempo, o tempo de que não pode usufruir durante largos anos de revoluções culturais e pobreza. A Rota da Seda, a China das montanhas e dos vulcões adormecidos, a China das grandes cidades, a China dos lugares perto do céu, a China das florestas, a China de uma cultura ancestral, a China da gente, desses oceanos de gente infinita que labora de manhã à noite, a China de futuros promissores que quer mudar o mundo e criar impérios perdidos. A extrema beleza dos lugares só é sumptuosa se preenchida com gente que nos acolhe e para quem somos capazes de sorrir. As trocas, sejam elas quais forem, movem o mundo e os sentimentos, transformam momentos, provocam mudanças. Quero que me acompanhem e que vivam em horas de leitura todas as emoções que foram o dia-a-dia destas viagens fascinantes que ainda não terminaram.

PEDAÇOS DE HISTORIA

PEDAÇOS DE HISTORIA

PEDAÇOS DE Historia é um conjunto de narrativas que têm por especial referência a mobilidade do Povo Português Mobilidade a que estão profundamente ligados sentimentos de humanismo e de patriotismo herdados da cultura judaico-essénia afirmada e desenvolvida pelos Cavaleiros do Templo, a quem se deve a fundação de Portugal, bem como a difusão da Língua Portuguesa pelos Quatro Cantos do Mundo. Nesta obra o autor dá especial realce à saga das gentes da Murtosa na sua diáspora pelo Mundo, cuja influência no processo de globalização a que se assiste é traduzida na chave do soneto Cidadão do Mundo, em ?MAIS ALÉM?, que se transcreve: ?Sou murtoseiro, logo, português, Por conseguinte, cidadão do Mundo? Miguel Cirne

DO POUCO

DO POUCO, O MUITO

A relatividade é o fio condutor das Historias deste livro. Para além do tamanho reduzido em palavras (micro Historias ou Historias curtas) não abdicam da sua natureza de Historias albergando uma imensidão de pensamentos, opiniões e visões acerca do mundo que nos rodeia e da qual todos fazemos parte, seja como espectadores assíduos ou como intervenientes activos. O objectivo não foi reproduzir a realidade nua e crua mas questioná-la, através do sentido crítico e da imaginação.?Pequenas ou grandes, não importa o tamanho. Todas as Historias merecem ser contadas, até as mais absurdas.

GRAPHEIN

GRAPHEIN

Serei sempre fábula, representação, ideias e até mitos! Vanda Oliveira

INFINITO / SOMOS FEITOS DA MESMA TERRA

INFINITO / SOMOS FEITOS DA MESMA TERRA

A Historia Chamo-me Maria. O meu nome pouco importa para esta Historia. Sou mulher! Sou única, e igual a tantas outras. Sem idade, sem cor, sem peso nem altura? Sou vida! Sou mulher. Apenas uma mulher cheia de sentimentos e emoções lutando para sobreviver. Rejo-me pelo amor: Pelo amor-próprio, pelo amor ao outro, pela vida? Aqui desabafo o que o meu coração já não aguenta. Aqui me exponho de corpo e alma? É amor, aquilo que me move! Sou mulher! Sou Amor! E esta é a minha Historia, Também é a vossa?

TARROEIRA

TARROEIRA

Pastelaria Suíça. Desde 1922 que a Casa Suissa Lda” dá à praça do Rossio um toque de requinte seletivo. Refugiados do centro da Europa por ali passaram assim como vítimas e intervenientes da Segunda Guerra Mundial ali se cruzavam cada um com os seus interesses. Cenas de filme de espionagem ali foram filmadas. Elites e castas ali se reuniram e reúnem para cozinharem os seus interesses da melhor forma. “

A BESTA

A BESTA

Os primeiros animais marinhos surgiram há 500 milhões de anos; o homo sapiens, antepassado do homem, há 200 mil anos; o homem moderno tem, apenas, cerca de 50 mil anos!… O homem é, afinal, o animal menos evoluído e o mais perigoso do reino animal. Esta peça é uma fábula satírica que tem por objetivo demonstrar a pequenez do poder do homem no reino animal; a revolta dos animais contra a forma como são tratados pelo homem; a necessidade de proteção da natureza e, em especial, do reino animal.

ACÁCIA E OS FANTASMINHAS

ACÁCIA E OS FANTASMINHAS, 3ª EDIÇÃO

Ana Catarina, Luana, Zé, David e Luísa são muito travessos, mas também muito unidos. São os Fantasminhas. Andam sempre acompanhados de Bobi, o cãozinho preto e branco, à procura de novas aventuras. Um dia, Acácia, uma menina doce, de olhos azuis e cabelos cor de avelã, diferente de todas as crianças, chega à turma. A sua coragem e determinação vão cativá-los e levá-los a verem o mundo com outros olhos, mostrando que tudo é possível no reino da amizade.

LAÇOS E ENTRELAÇOS

LAÇOS E ENTRELAÇOS

Milão é a cidade de todas as cores e de todos os encantos. É nesta cidade italiana que Alessandra Bertinelli vai descobrir a sua grande paixão, a Joalharia, dando asas e explorando minuciosamente esta arte, numa vertente muito particular, especial e delicada. Aos trinta e cinco anos, após uma infância, uma adolescência e um início de vida adulta encantadores, o mundo desaba aos seus pés e é forçada a reaprender a viver. As luzes entre a cidade de Milão e a cidade de Bolonha desapareceram como fumo naquela noite, que tinha tudo para ser a mais brilhante e a mais espetacular de todas… Será que Alessandra vai conseguir «sobreviver» e continuar a encantar os seus clientes com a beleza das suas obras? Todos se vão lembrar dela? e de como a vida é fugaz, impermanente, espantosa, sublime, dolorosa, cruel, deliciosa, impiedosa e doce! A jovem e talentosa Alessandra vai ajudar o leitor, impulsionando-o positivamente nos seus piores momentos de adversidade? pela sua Fé, ternura, coragem e muita persistência.

DÊ CORAÇÃO DE NATAL

DÊ CORAÇÃO DE NATAL

Aqui, posso dizer realmente que cada um de nós deu o seu coração e não foi só de Natal. Demos o nosso coração como pão de cada dia e de todos os dias através de palavras! Através de Historias cheias de bom exemplo e de poemas que sublimam a decoração do verbo SER e não do verbo TER.

O VIOLADOR DO  MISSISSIPI

O VIOLADOR DO MISSISSIPI

Jack, o velho fazendeiro da propriedade dos Doyles, vê-se enredado numa teia de mentiras e segredos que ele mesmo construiu num passado distante e que, no momento presente, o coloca perante a justiça da esposa. O facto remonta há trinta anos, quando Jack montou uma cilada à esposa para provar que ela era realmente uma mulher infiel. Mary, a antiga criada dos Doyles, vê o momento oportuno para se libertar desse passado obscuro, carregado de traições e medos. Assim, através de um jogo de palavras, trocas de acusações, agressões físicas e violência psicológica, a infidelidade e a expiação servem de pretexto neste exercício dramático, em que os sentimentos e os pensamentos das personagens são escalpelizados até que a verdade surja à luz do dia, sem subterfúgios. A ação decorre no Estado do Mississippi (EUA), nos meados do século XX.

FUI TELEFONISTA

FUI TELEFONISTA

Este livro de saudades é dedicado a todas as minhas colegas pelo que vivemos juntas e a todos que de outra maneira fizeram parte da minha vida. O meu obrigada. Mavilde Guerreiro

ENTRE EU

ENTRE EU, TU E A MENTE

Porque escolhemos quem escolhemos? Qual a influência da herança parental? Que resultados esse património produz na nossa vida? E de que maneira isso condiciona o nosso comportamento? Como é que dessa rama nascem as nossas representações do mundo? Sabemos que o ser humano elabora o seu horizonte através de subtis estratégias que foram instaladas muito precocemente. Sabemos também que ao longo da vida essas estratégias vão sendo ativadas sem que haja propriamente uma consciência disso. Sabemos ainda que é a partir daí que se organizam as experiências que pouco a pouco se fundem com os pensamentos. A partir daí surgem os pequenos ?Eus? ditadores, distorcidos e são estes os responsáveis que nos afastam da realidade. Esta obra foi concebida como um convite à reflexão. O primeiro mergulho para nos sintonizarmos com o nosso interior e pararmos de procurar causas no exterior. Uma nova abordagem para encarar a vida, as relações e tudo o que se pode aprender com elas?

O ZÉ DA BOMBA

O ZÉ DA BOMBA

Narra a Historia de um menino, nascido numa aldeia da Serra, cuja mãe morreu no parto. Depois de ter sido pastor de ovelhas, passou por vários empregos, entre os quais num posto de abastecimento. Conseguiu, à custa de muito esforço, sacrifício e força de vontade, doutorar-se em medicina, chegando mesmo a ser um médico famoso. Já em França, onde viveu parte da sua vida, alcançou fama e prestígio. Mais tarde, deixa para trás uma carreira notável e parte como voluntário para África, em busca de preencher um vazio desconhecido para o qual não tem explicação. Esse alívio espiritual, encontra-o, finalmente, dois anos depois, quando regressa a Portugal. Um retrato de muito sofrimento, amores e desamores”, mistério e horror, traição e romance… muito romance, à mistura com algumas curiosidades esotéricas, que poderão fazer pensar pessoas mais sensíveis. De leitura fácil e agradável, leva os leitores a conhecerem o drama do isolamento social das aldeias, os problemas de emigração e, acima de tudo, a luta pela concretização de um sonho quase impossível… “

EMINENTES TRANSPARÊNCIAS

EMINENTES TRANSPARÊNCIAS

MAR SEM NOME… A tua essência, não se perdeu… Que bom que é para mim, escutar-te… Perceber nos teus lábios, as minhas pulsações… Naquilo que é lícito em ti, entender… Saber de cor a suavidade da tua pele… Sentir o teu cheiro; também ele sem nome… Quero gastar-me contigo, até alcançar as nuvens… Dar braçadas, desfrutando os momentos por impulso… Colado a essa linha eterna, que define o horizonte… Perceber que caminhas descalço entre as rochas… Tu, transparente memória azul, sem letras… Pintura a óleo, que tens muito mais do que sal, nas tuas veias… Tu que cresces intenso, acostado ao premonitório… Esse amparo tão forrado de sinais… Como um grito de revolta por dizer… Olho para ti… Qual poça de vento… Qual folha de água, que na minha imaginação flutua… Assomas-te maré cristalina… Quero-te mesmo sem precisar de ter sede… Preciso muito do teu sorriso, mesmo que esteja ausente… Sobretudo, enquanto me sentir seguro de SENTIR!…

DANNY

DANNY

«Acho que a vida não me deu muitas oportunidades. Sempre tive dificuldades em estudar, obter livros e essas coisas todas… Um ano após a morte da minha mãe, já eu tinha 14 anos, arranjei um pequeno trabalho no atelier Mar, onde comecei a comprar os meus utensílios escolares com o meu próprio dinheiro. Desde essa altura, acho que cresci muito dentro de mim, porque sempre quis ser alguém na vida. O meu tempo era preenchido ouvindo música, vendo televisão e, às vezes, resolvendo palavras cruzadas, que eram oferecidas por voluntários de luta contra o cancro, bem como revistas e jornais. Já disse inúmeras vezes, e não me canso de referir, quão importantes foram para mim e para os outros doentes o trabalho, o humanismo, a ajuda e a amizade de todos quantos trabalham no hospital. Tenho tanta vontade de regressar a S. Vicente para ver a minha família e amigos! Para poder fazer tudo o que gostava e que me deixava feliz, as pequenas coisas do dia a dia. Quando penso nisso tudo, aperta-se-me o coração com um sentimento que eu sabia existir, mas que nunca imaginei que fosse assim tão forte. E, com esses pensamentos, o meu rosto ficava banhado em lágrimas. No dia em que chegar perto das pessoas que adoro, se me permitirem, nunca mais me afastarei delas. E cada momento vivido aqui em Portugal será recordado e acompanhar-me-á para o resto da vida.»

NOS BRAÇOS DE UM ANJO

NOS BRAÇOS DE UM ANJO

Baseado numa Historia verídica de sobrevivência e de luta contra o cancro da mama. Além de relatar factos reais desta temível doença, é também englobada numa Historia de pura ficção, que nos leva ao reencontro com o nosso íntimo para nos questionar sobre o mistério da vida. Principais temas: Fé, Amor, força, coragem, vontade de viver, positivismo, esperança e uma viagem dentro da alma que dará que pensar?

O OLHAR COLONIAL EM EÇA DE QUEIRÓS

O OLHAR COLONIAL EM EÇA DE QUEIRÓS

O olhar colonial em Eça de Queirós enquadra o testemunho queirosiano na expansão europeia em África na segunda metade do século XIX. Este romancista português, ao incluir na sua produção literária variadas referências às diferentes etapas do imperialismo, tornou-se uma testemunha modelar da disputa colonial da sua época. Oscilando segundo o quadro mental e a conjuntura política de cada década, as alusões africanas contidas na prosa de Eça de Queirós vão evoluindo ao longo da sua carreira jornalística e literária. As implicações geopolíticas decorrentes dos acontecimentos ultramarinos estão presentes nos textos queirosianos, chegando até a associar personagens ficcionais aos principais conflitos coloniais. Este livro, dividido em três partes, começa por enquadrar a vida de Eça nas transformações do século XIX. De seguida, apresenta o conceito queirosiano de colonização, a compreensão do imperialismo pelos diferentes grupos sociais e os interesses económicos intrínsecos à ocupação africana. Por fim, analisa-se a abordagem de Eça de Queirós aos problemas coloniais nas diversas regiões africanas.

FECHAMENTO DE CICLO E RENASCIMENTO

FECHAMENTO DE CICLO E RENASCIMENTO

A existência humana passa por constantes atualizações, às quais não podemos fugir. A questão crucial são as modificações necessárias, que muitas vezes não acompanhamos. Quando isto acontece, tornamo-nos incoerentes e contraproducentes, vivendo uma vida ultrapassada, sem sentido e significado. Precisamos evoluir, melhorar e progredir. A pior coisa que existe na vida é permanecermos estacionados, numa situação que passou ou que já não existe. Precisamos ter a coragem de deixar para trás a bagagem que já não nos serve. Chegou o momento de olhar para dentro de nós mesmos e de nos questionarmos se está na hora de nos renovarmos. Portanto, não espere que as coisas mudem. Não espere que o tempo resolva. A mudança começa em nós e a partir de nós.

AGORA CONTO EU

AGORA CONTO EU

Carlos estava feliz pelo seu rapaz e não resistiu a festejar com os amigos do trabalho e, depois, com os da terra, apanhando uma bebedeira tal que, quando chegou a casa, não conseguiu tomar conta da filha, de quem forçosamente teria de cuidar, já que a mãe estava na maternidade e a avó só cuidava dela durante o dia. Esta, já com 5 anos, estava em casa quando o pai entrou e, apesar da idade, viu bem o desarranjo em que se apresentava. Não era a primeira vez. Ouviu-o falar e cantar até que lhe apeteceu, sem entender nada do que dizia. Viu-o atirar-se vestido para cima da cama e adormecer rapidamente, sem lhe dar qualquer importância. Era como se ela não existisse. Beatriz já o conhecia de outras vezes e assim, mesmo sem comer, recolheu-se no seu quartito frio e desaconchegado com um naco de pão na mão e lá ficou até que, de manhã, a avó apareceu e lhe contou que ela já tinha um irmãozito. Beatriz não gostou da ideia de ter esse irmão. Por causa dele, o pai não lhe tinha dado atenção, nem jantar, não falara nada com ela, e fizera tanto barulho toda a noite que a assustara. Ela, como era forte e destemida, comera um pedaço de pão e refugiara-se no que considerou um castigo. De manhã, Carlos ainda dormia vestido em cima da cama. Naquele dia não foi trabalhar. A avó, sem o acordar, pegou na menina e levou-a com ela, sempre a balbuciar: ? Volta sempre ao mesmo, não vai ter cura se não se internar. Teimoso como um burro. É sempre a mesma coisa, não tem emenda. Já sei como é, não tenha eu lá um exemplo em casa. A minha filha vai ter um tormento, ai, isso vai. ? Que vais a dizer, avó? ? Olha, vou a dizer que me valha Deus, que se não for Ele ninguém nos pode acudir, nem a mim, nem à tua mãe, nem ao teu pai, nem ao mundo, porque está tudo perdido.

PORTUGAL ECONÓMICO

PORTUGAL ECONÓMICO, POLÍTICO E SOCIAL

Aqui, é Portugal (Anónimo) Esta é a ditosa pátria minha amada (Luís de Camões) Eis aqui, quase cume da cabeça De Europa toda, o Reino Lusitano, Onde a terra se acaba e o mar começa E onde febo repousa no oceano (Luís de Camões) A Minha Pátria É a Língua Portuguesa (Fernando Pessoa) Aqui ao leme sou mais do que eu: Sou um Povo que quer o mar que é teu; E mais que o mostrengo, que me a alma teme E roda nas trevas do fim do mundo, Manda a vontade, que me ata ao leme, De El-Rei D. João Segundo! (Fernando Pessoa)

DESVELADO

DESVELADO, AHORA

¿Qué llevará a creyentes y a no creyentes a andar detrás de las apariciones y de las señales extraordinarias, en un intento de descubrir secretos, y a interesarse por María? ¿Y quién será esa interesante y misteriosa persona rodeada de secretos? ¿Qué nos revela el tan polémico ?Secreto de Fátima?? Realizando el recorrido con María de Nazaret hasta Medjugorje, pasando por Fátima, el lector se envuelve en su ?Secreto? y obtiene respuesta a muchas interrogaciones que les surgen a escépticos y creyentes. Pero sólo ahora, con la renuncia del Papa Benedicto XVI y la llegada del Papa Francisco, se desvela lo que faltaba del ?Tercer Secreto de Fátima?.

O PREÇO DA NOIVA

O PREÇO DA NOIVA

Afinal, todos, todos nós somos filhos da emigração: ou lusodescendentes às origens regressados; ou descendentes de velhos imigrantes que há milénios aqui se fixaram, provenientes de outras paragens; ou novas gerações de outros que vão continuar a fixar-se. Vertentes afins do mesmo fenómeno, caminhos diferentes que numa mesma e inelutável realidade convergem: ser português e, em consequência, cidadão do Mundo.

FRAGMENTOS DO QUOTIDIANO

FRAGMENTOS DO QUOTIDIANO

Fragmentos do Quotidiano é uma obra poética que agarra no nosso quotidiano contemporâneo, frequentemente trivial, frenético, inconsequente, desconexo, e através das palavras poéticas e inspiradoras de Alves dos Santos, que nos transformam em viajantes dos terrenos desconhecidos da génese humana e nos forçam a confrontarmo-nos com os nossos medos e a irrompermos alma adentro para desvendarmos as nossas mais profundas verdades e os nossos segredos mais bem guardados, ganha uma outra dimensão onde a própria existência não é mais questionável e a nossa presença hoje, aqui, agora, é imprescindível no nosso percurso para alcançarmos a nossa realização plena, que apenas através dos mais genuínos e autênticos Sentimentos se pode consubstanciar.

NO POIAL AO ENTARDECER

NO POIAL AO ENTARDECER

Quando o sol se preparava para esconder no horizonte, os avós sentavam-se à porta de casa contando aos seus netos as suas Historias, principalmente do passado. Desta forma se passavam conhecimentos de geração para geração. Uma peça de teatro que pode ser representada pelos jovens da sua terra, tal como foram pelos de Grândola.

TRANSMUDAÇÃO

TRANSMUDAÇÃO

Transmudação reúne palavras em forma de poesia que pronunciam a mudança, a transformação de tempos e lugares assim como de corpos e afectos que os habitaram. Ou habitam?

A VIAGEM

A VIAGEM

O que foi a experiência de vários dias de voluntariado e solidariedade em Invinha de um grupo de Escuteiros de Fafe e Vieira do Minho.

PALAVRAS (CON)SENTIDAS

PALAVRAS (CON)SENTIDAS

Livro colectivo de contos, não infantis. A principal regra estava em não ser possível usar mais de 1.500 caracteres. Com 90 textos de 75 autores, foi com toda a certeza uma aposta ganha.

O CANTE ALENTEJANO NO CANCIONEIRO DO PADRE MARVÃO

O CANTE ALENTEJANO NO CANCIONEIRO DO PADRE MARVÃO

Clara Santana Rita, natural de Amareleja, conhece os hábitos e tradições do Baixo Alentejo; ama e sente o Cante Alentejano como coisa sua. Neste livro ? resumo adaptado de um trabalho universitário ??revela-nos um dos primeiros cancioneiros alentejanos veículo do reportório do Cante: O Cancioneiro do Padre António Marvão, distinto etnólogo e musicólogo amarelejense (1903-1993). Com formação em Línguas e Literaturas Modernas / Românicas, a autora esteve ligada durante duas décadas à Universidade Autónoma de Lisboa, quer como docente, quer como investigadora no Centro de Estudos Linguísticos, Comparados e Multimédia. Leccionou diversas unidades curriculares nas áreas de Literatura e Cultura Portuguesas e Francesas, bem como o Seminário de Metodologia do Trabalho Científico. Além de várias participações em conferências e colóquios nacionais e internacionais, publicou mais de uma dezena de artigos em revistas da especialidade: nos Anais de Línguas e Literaturas da UAL, na revista da Sociedade da Língua Portuguesa e, ainda, na revista electrónica E-scrita. A autora integrou o júri do Grande Prémio Internacional de Linguística Lindley Cintra em 2000; pertenceu à Direcção da Sociedade da Língua Portuguesa de 2002 a 2008; pertence ao Corpo Editorial Consultivo da revista electrónica E-scrita, UNIABEU, Brasil, desde 2010.

A MENINA PÉ DE VENTO

A MENINA PÉ DE VENTO, 3ª EDIÇÃO

Para as gentes simples da aldeia, o desconhecido reveste-se sempre de mistério e de obscurantismo. Quando um vento do norte, chegado antes do seu tempo próprio, resolve habitar no corpo de uma bebé recém-nascida, os pais a tudo recorrem para que a sua filha seja apenas uma criança normal. São os saberes e poderes ocultos de uma anciã que conseguem fazer sair o vento de dentro da criança e deixá-lo partir? O que parecia ser apenas uma Historia de faz de conta, afinal até pode ter algum fundo de verdade. Toda a fantasia tem inspiração no mundo real que nos rodeia e esta é uma Historia que mistura a fantasia com a realidade, transportando o leitor para um mundo de ilusão.

VAGAMENTE MARÍTIMO

VAGAMENTE MARÍTIMO

Vagamente Marítimo é uma coletânea de poemas que abrange outras paisagens para além do mar. Transcende o amor e outros sentimentos e desemboca numa expiral de objectos mais ou menos figurativos. Na verdade e por um lado, desenvolve-se a sensação de um cenário marítimo, oceanico, embala no escuro impressões por vezes confusas, instáveis, da incerteza constante do amor. Por outro lado, o livro descreve também paisagens e cores terrenas agarradas por necessidade a uma paleta mais assertiva, com que o autor vai pintando o ecrã da vida.

OUTROS DIAS

OUTROS DIAS

OUTROS DIAS percorremos alguns caminhos saltámos outros, quando o verde dos campos nos fazia sonhar tivémos dias claros agora, outros dias de melancolia de calmaria de meia tarde de encanto de meias palavras agora a música embala os nossos sonhos

NINGUÉM MERECE

NINGUÉM MERECE

Escrever sobre violência é difícil. Acho que pode ser até violento. Mas escrever sobre a violência que acontece dentro das casas, entre as famílias. Entre aqueles que deviam supostamente amar-se, é como desferir um golpe profundo. Daqueles que rasgam. São palavras que não nos deixam ficar imóveis. Serenos. Apanham-nos pelos braços e não nos deixam fugir. Agarram-nos pelos cabelos e não gritamos. Escrever sobre esta violência é também um acto de amor. De coragem. Pode ser até a âncora daquela ou daquele que se reconhecem em cada entrelinha; que encontram nos advérbios de modo e nos parágrafos a sua salvação.

O CASTIGO

O CASTIGO

1 Pressentindo ora em mim juvenescer Mui exaltante voz que bem conheço, Decidi aceder-lhe sem saber Seu actual valor e justo preço. Espero não me vir a arrepender De toda a confiança e muito apreço Nela depositados, pois quis Deus Que não retrocedesse os passos meus. 2 Mostrando-se convicta e sedutora, Acenou-me com nova dimensão. Rendido, o percebi, julgando agora Dever ao canto dar outra feição. Cedi ao seu encanto naquela hora, Tocado de inefável sedução, Sem poder resistir ao som da Lira, Que afinada tanger tão bem ouvira.

ALMANAQUE DA DIVERSÃO 2ªEDIC.

ALMANAQUE DA DIVERSÃO 2ªEDIC.

Neste apanhado de Historias pretendo mostrar o lado divertido e positivo que podemos retirar dos acontecimentos diários. A vida por vezes é cinzenta e triste pela nossa tendência natural para dramatizar as situações mais do que elas são. Não pretendo minimizar os problemas, apenas desejo transmitir que através da boa disposição talvez consigamos ter uma visão mais positiva da realidade. É minha intenção que se divirtam tanto a ler este livro como eu a escrevê-lo e que este possa servir de inspiração e motivação para dias mais felizes. Nota: O nome das personagens é fictício para preservar a identidade e privacidade das mesmas.

A VERDADE NO AMOR

A VERDADE NO AMOR

Vê-la assim, em roupa íntima, foi o suficiente para Alberto se aproximar e começar, como era seu hábito, por um abraço, envolvendo-a, e depois, com mil carícias e beijos e outras meiguices, atraí-la, até que Camila perdeu o controlo completo de si, deixando-se cingir num doce enlevo, perdendo-se naquele bem-querer, como se aquele fosse o último dia da sua vida. Bastava uma mão de Alberto tocar o seu corpo, que ela tremia, e se ele continuasse, a cada toque, ela desejava outro, e esse toque fazia-a, nesse instante, esquecer aquele outro que na sua face lhe doeu amargamente, mas era só nesse momento. ******* Apesar de ainda há pouco Alberto a ter coberto de carícias, seria um elixir ouvir a voz da mãe. Precisava de ouvir a voz da sua mãe, para tranquilizar. Pela primeira vez tinha saudades do seu regaço. Se pudesse, naquela hora, o que lhe saberia melhor era falar com ela pessoalmente, pousar a cabeça no seu colo, contar-lhe os seus problemas e sentir os afagos que ela lhe costumava fazer no cabelo, quando era mais menina. Mas nunca contaria à mãe o que se passava entre ela e o marido, não ia preocupá-la com os seus problemas.

VIAGEM AO FIM DO MUNDO

VIAGEM AO FIM DO MUNDO

Já de há algum tempo a esta parte que vimos assistindo à emergência e à afirmação da temática da emigração na literatura guineense e, mais concretamente, na litertura guineense da diàspora, e curiosa e essencialmente, da parte de guineenses emigrantes radicados em França

QUADRAS DE AMOR

QUADRAS DE AMOR, VOL I

Muitas vezes, os constrangimentos que a sociedade nos habituou a aceitar como naturais não nos deixam margem para expressar o que sentimos verdadeiramente. A voracidade do quotidiano frenético que somos obrigados a viver faz pensar que ter tempo para sentir é um verdadeiro luxo. A solidão, tantas vezes vista como uma praga social, é-nos apresentada neste livro como um escape para a lucidez de sermos honestos connosco e com os outros através de um ato tão isolado como a escrita, sem refúgios ou subterfúgios. Emoção, paixão, solidão, mas sobretudo, amor. Páginas e páginas recheadas dos mais nobres, elevados e ? não raras vezes ? inexplicáveis sentimentos humanos traduzidos na linguagem universal da poesia, que conta uma Historia e, ao mesmo tempo, ilustra-a.

O MEU NOME É CAMILA

O MEU NOME É CAMILA

O meu nome é Camila é o registo escrito de múltiplos acontecimentos na vida de uma mulher, durante quase quatro décadas. Aos 25 anos Camila decide começar a registar o que de importante lhe vai acontecendo, momentos que de alguma forma tiveram impacto emocional sobre ela. Durante 32 anos Camila teve uma relação com Manuel e no seu diário registou alguns momentos do namoro, do casamento, do ruir da relação e do divórcio. Os últimos anos do diário são registos de uma mulher solitária que tenta viver a vida, numa dualidade de emoções, desligada racionalmente de Manuel mas presa emocionalmente, para sempre, ao homem com o qual partilhou mais de um terço da sua vida expectante.

PAPIRO SEM LETRAS

PAPIRO SEM LETRAS

Cansado de um casamento sem mel, Jonatas decide, após a reforma, seguir a sua vida num lugar que lhe dê sossego. Refugiado na Casa dos Castanheiros, descobre um tesouro. Com a ajuda da sua filha Eduarda e movido pela curiosidade que este achado lhe desperta, vai seguir-lhe a sua Historia. Enquanto investigam o passado histórico, Eduarda e Gonçalo, seu namorado, vivem uma linda Historia de amor. Mas, no meio deste enredo amoroso, quem será José Maria? E Margarida? As personagens tiveram a necessidade de decifrar um papiro e, durante a investigação do significado deste, percorreram um longo caminho que os levou até às invasões napoleónicas e à forma inusitada como o povo lusitano combateu?

SARA

SARA

SARA começou por ser apenas a força que ditava as letras aqui escritas. Mas, aos poucos, foi manifestando a sua personalidade, carácter e forma de encarar o mundo. Tornou-se numa miúda – doce e mimada, afoita e atrevida, sonhadora e apaixonada pelo amor – que usa a voz da sua poesia para sorrir por entre lágrimas, gritar sentimentos e desafiar sentidos, traçar ilusões e amar. As suas características psicológicas foram-se desenhando nos seus traços físicos e a SARA, personagem que existe dentro do silêncio de cada um de nós, nasceu.

O SAPINHO VERDE

O SAPINHO VERDE

Cabe-me a tarefa honrosa de apresentar este livro ao público e falar um pouco da sua autora. Há alguns tempos os nossos caminhos cruzaram-se através da música e com muito interesse me apercebi do desenvolvimento paralelo de uma carreira sólida na escrita infantil. A escrita da Margarida é rica e transmite o à vontade com que lida com a língua portuguesa e com as crianças. Surgindo esta nova estória após uma outra muito bem conseguida, os leitores fiéis galgarão as minhas palavras com rapidez na expectativa de começar a ler as peripécias do Quininho e do Tom. Depois das aventuras de Valdemar, o gafanhoto alentejano que procura o seu espaço entre os lugares que lhe dão o nome – o vale e o mar -, surge-nos agora uma fábula sobre o crescimento e a amizade. A personagem principal é um sapinho que desta feita não é um ser vivo, mas sim uma figura animada pela imaginação das crianças e que tem muita vontade própria. A estória que se desenrola inicialmente dentro da família de Quininho e das suas relações familiares ternas, evolui para uma descrição colorida do ambiente rural do sul de Portugal, dos seus sons, cheiros e paisagens. Eu espero que gostem deste livro tanto quanto eu, que tive o privilégio de o ler antes de ser publicado, e que contém todos os ingredientes para encantar qualquer leitor. João Martins Colónia, 20 de março de 2015

NO VERDE DO ALENTEJO

NO VERDE DO ALENTEJO

Um sonho: Ser Médica! Uma cidade ? Lisboa. Uma colocação inesperada ? Odemira. Uma vez perguntaram-me com alguma malicia: ? O que é que fazem no Hospital de Odemira? ? Milagres todos os dias! ? Respondi convicta? Um texto autobiográfico, que retrata a experiência profissional e vivência pessoal de uma médica, colocada como Médica de Família, no Concelho de Odemira. O desconhecimento da realidade do meio rural, aliada ao facto de “não querer estar ali”, traduzem-se em peripécias entre hilariantes e dramáticas, que acompanham duas épocas do desenvolvimento do próprio concelho. Aventura, Historias, romance, fazem desta narrativa, uma chamada de atenção ao Serviço Nacional de Saúde, que celebra 35 anos, e ao esforço de uma geração de profissionais que para ele contribuíram, com uma única motivação: “Melhorar os cuidados de saúde das populações” “

COLECIONADOR DE CICATRIZES

COLECIONADOR DE CICATRIZES

Colecionador de cicatrizes nasce da necessidade de desabafar o que fica por dizer, o amor, a raiva e a desilusão, elementos guardados que nos marcam, pessoas que nos magoam, cicatrizes que os olhos não vêm quando o sorriso falsamente os ofusca. Usa sabiamente as tuas palavras, Para não magoares ninguém, Porque as palavras que usas para ferir, Podem-te ser ditas também.

PAITITI

PAITITI

1628 Dois meses após a captura da incalculável Frota da Prata pelos Holandeses em Havana, Filipe IV de Espanha e Portugal, ao receber a notícia, refugia-se durante três dias na biblioteca do seu palácio. Por um mero acaso, descobre uns papéis catalogados como secretos por um dos seus antecessores. Aprofundando a leitura dos mesmos, verifica tratar-se de, entre muitas coisas ligadas à vida pessoal, uma espantosa confissão do famoso humanista frei Bartolomeu de Las Casas. No leito da morte, o clérigo confessa ao seu escriba o facto de ter visto, com os próprios olhos, a lendária cidade perdida dos Incas: Paititi. Sem demoras, o monarca espanhol envia ao Novo Mundo, mais concretamente a Chiapas, o capitão Garmendia Gutierrez, com o objectivo de descobrir o máximo de informações e, se possível, a localização da cidade. Mas numa época de intrigas e, principalmente, de espiões, a informação chega com celeridade a alguém que a recebe com tremendo desagrado: o Papa Urbano VIII. Resta-lhe agir de imediato, fazendo uso da sociedade secreta criada para o efeito, a Imperator Custodes (Guardiães do Imperador), dado que um dos segredos mais bem guardados da Igreja vai ser vasculhado por Espanha. A (há muito) conhecida localização de Paititi por parte de Roma, e não só…

A GRANDEZA DA MÃE

A GRANDEZA DA MÃE

A mãe vive com a convicção de que o seu dever de mãe não está cumprido, o que a leva a agir com o sentimento perene de estar em falta. Porque não retribuímos tudo em devido tempo, por vezes tentamos fazê-lo quando já não a temos e nada pode receber, a não ser o sentimento de gratidão. Deste pensamento nasceu o poema A GRANDEZA DA MÃE, mas, para tal, foi preciso voltar ao passado, recordá-lo e registá-lo para não voltar a perdê-lo. Esse envolvimento com o passado activou memórias que bateram à porta dos sentidos, e saíram dando voz aos restantes poemas deste livro, descrevendo acontecimentos e vivências que marcaram uma vida e temas com ela relacionados. A GRANDEZA DA MÃE, que dedico à minha mãe, musa deste livro, como objecto de um pensamento de gratidão, é também uma homenagem às mães, que não sendo minhas, são mães.

ESPIRITO SELVAGEM

ESPIRITO SELVAGEM

Alexandra resolve pôr fim a um relacionamento de sete anos, que mantinha com João. Refugia-se no Gerês. Conhece um amor inocente que lhe dá forças para o perigo que terá de enfrentar nas mãos do seu ex-namorado. Depois de uma luta desgastante pela sua liberdade. O medo e os maus tratos. O viver depois da perda. O renascer? deixando vir à tona um espírito selvagem adormecido. Depois de tudo, ser capaz de amar. Sempre por aquele amor inesquecível. Na calmaria desse amor, alcançou sonhos escondidos. Uma comovente Historia, mesclada de suspense e desgostos.

ÉIRE

ÉIRE

A crise em Portugal atinge níveis aterrorizantes. Cada vez mais, o fantasma do desemprego, os elevados impostos e o galopante custo de vida atiram para a penúria milhares de famílias, espalhando pobreza e precaridade por todos os sectores da sociedade. Afogado em tanta austeridade, o português vive os seus dias entre o desespero de lutar contra as adversidades e o desalento de saber que poderá nunca conseguir sair do abismo. Cansada de tanto adiar os seus sonhos, Beatriz Saldanha decide trocar a soalheira Lisboa pela taciturna Dublin, em busca de um futuro, uma carreira, uma vida digna e, talvez, um pouco da felicidade que o seu país lhe negou durante muitos anos. Desde o primeiro minuto, está sozinha numa luta contra tudo e todos para vingar numa sociedade tão diferente da sua, numa cidade de tão vincados contrastes e entre gente com uma mentalidade tão díspar. Por entre momentos de pura comédia e verdadeira angústia, a jurista vai abrindo caminho na direcção pretendida. Mas nem tudo são rosas. Há muitos espinhos pelo meio de uma conquista que não pode parar. Mas será esta suficiente para alcançar o sucesso que ela há tanto tempo persegue? Ou estará condenada a voltar para Portugal completamente frustrada? As aventuras, desventuras e experiências de uma mulher que representa, de forma poderosa, uma geração inteira de portugueses talentosos, e cuja Historia e coragem além- fronteiras mostram uma via alternativa para a mais variada gama de profissionais, que se recusa a baixar os braços e a viver resignada. Uma narrativa que serve de exemplo a quem é português e (ainda) vive por cá.

MATILDE

MATILDE, A NOITE E A LUA

Matilde é uma menina inteligente, bonita e com uma grande imaginação. Não é por natureza desobediente, mas é curiosa ? muito curiosa ? do alto dos seus caracóis dourados? Numa aventura, Matilde, conhece Noite ? uma gata encantadora. A Gata Noite viaja pelo céu, tem sete vidas, tem um sexto sentido e poder de batizar estrelas. Noite ensina a Matilde o seu segredo: como não ter medo da noite! Matilde apresenta Lua ? uma cadelinha toda branquinha ? à Noite. E ensina à Noite o valor da amizade: ter milhares de amigos é ser milionária. ?A Família e os amigos são a nossa maior riqueza?. Envolva-se com Matilde e os seus amigos. Descubra os seus segredos, numa Historia que nos faz viajar até ao mundo da espontaneidade, onde tudo é possível, incluindo ser autêntico. Bem-vindo ao mundo infantil e à sua magia. Este livro é dedicado à Matilde que existe em todos nós e a todas as crianças deste mundo, vítimas da fome, da guerra e da opressão, e que só podem ser crianças na sua imaginação.

VIDA(S)

VIDA(S)

«Nas asas da imaginação», a poetisa, «grávida de escrita», voa «sem destino?». Procura «palavras luz / E muita emoção?». Tal como um pintor passeia as cerdas do pincel pela tela, faz deslizar a alma pela folha de papel, pintando «Realidades? Sonhos», à sua maneira. Encontra, no mar e «na cor verde», «força anímica / liberdade?», «paz, sonho, esperança?», «para os males espantar?» e, na «folha de papel», «impressões?» deixar? Com o «pincel», pinta de verde a VIDA, «cristal brilhante», «poema em construção». Veste «a(s) Vida(s) / De tons claros ou escuros / Intensos ou ténues», «com amor e esperança?». «O chilrear dos pássaros / o cheiro fresco da relva acabada de cortar / Despertam-lhe os sentidos», ansiando «ventos de mudança?», tal como as «verdes árvores», com os braços erguidos «para o céu?». Chegada a hora do primeiro parto, dá «à luz» VIDA(S), com emoção.

MORTO PARA TE VER

MORTO PARA TE VER

Pareceu-lhe ver um vulto em cima da cama, e sentiu-se ignorado. Irritado, tacteou a parede à procura do interruptor e acendeu-o com gestos bruscos. Ao olhar para a cama, porém, estacou. A mulher jazia na cama, de pernas e braços abertos. Estava vestida com uma diminuta camisa de noite, e os olhos fitavam o vazio, sem realmente o ver. Um pedaço de tecido estava enrolado na…

JANTEI ONTEM EM SEATTLE

JANTEI ONTEM EM SEATTLE

Historia de um casal que se conhece na adolescência e se apaixona. Por motivos externos ao par, separam-se sempre. Vivem cada um, as suas vidas, casam, descasam, têm filhos, progridem nas respectivas profissões, perdem o rasto um do outro, até que por um acaso, já idosos se voltam a encontrar e continuam a conversa de sempre como se se tivessem separado na véspera, como se nada lhes tivesse mudado o físico e o intelecto, como se fossem intemporais e inalterãveis. A aceitação mútua das características e das opções, das marcas do tempo e dos rasgões da vida são a prova cabal do seu amor, que se manifesta por quase imperceptível é delicada ternura entre ambos. O que é verdadeiro e eterno não necessita de ornamentos.

LENINEGRADO

LENINEGRADO

«Inserido no contexto da II Guerra Mundial, LENINEGRADO retrata o drama social vivido por um grupo de personagens que, durante o cerco movido pelas forças nazis à cidade russa, se vê obrigado a tomar decisões relativamente ao seu futuro. O seu enredo, todo ele desenvolvido numa atmosfera de intriga e conflito e a exigir uma reflexão atenta acerca dos valores universais que a situação histórica põe em causa, é partilhado por uma bailarina russa, uma jovem judia, um jovem militar, um empresário metalúrgico e um negociante de arte, partidário da ideologia nazi. Movidas por interesses e ambições pessoais, as personagens procuram sobreviver à guerra, encontrando no amor e nas paixões desenfreadas uma esperança que lhes permita não só um sentido para a vida como uma garantia de futuro. Mais do que contar uma Historia ou revisitar a Historia, este exercício textual alerta-nos para o perigo de o processo histórico ser dramaticamente perturbado por ideologias nacionalistas eivadas de fanatismo e preconceito.»

DANÇAR A VIDA

DANÇAR A VIDA

É fundamental unificar as aprendizagens que adquirimos nos livros académicos e no grande livro da vida. Com ambas, aprendemos a caminhar na direcção do individual para o colectivo. Aprendemos a recriar-nos e a ser o próprio autor na ressignificação da nossa Historia pessoal. É um projecto intra e inter-relacional do sentir, pensar e criar ? unificar o Self físico e psíquico, articulados pelo sonho imanente de um coração ousado que expressa no mundo externo a magia do seu mundo interno. Este livro é um convite a dançar a vida dentro e fora de nós através da Arte, com diferentes materiais e diversos recursos técnicos e artísticos. A autora, num modo próprio, usa a metáfora do desenvolvimento humano para estruturar a obra. Num primeiro momento, parte de imagens para a palavra. Depois, num processo de reversibilidade, parte da palavra para as imagens. É a viagem da heroína que, pelo sonho, desperta, canta e dança a vida nas múltiplas tonalidades do sentimento AMOR. A unidade de menina-mulher apresenta-se na sua multiplicidade de sentimentos contraditórios entre alegria e tristeza inerentes à natureza humana, presentes na dualidade de energias planetárias e cósmicas. É um caminho dinâmico para descobrir e aprender com a canção da alma, dançando-a através de encontros e desencontros, olhares que descobrem o sentir para a liberdade de ser. É a integração de conhecimentos ancestrais, encontros entre deusas e deuses que se inscrevem na árvore da vida, nos estágios da menina-donzela, da mãe e da anciã, no misterioso eterno renascer. A representação é uma das maiores expressões da alma que convida a aceitar o envelhecimento na poesia da vida e no Todo que ela é. É um convite a despertar sonhos numa viagem de imagens bidimensionais e tridimensionais. São processos reversíveis e reparadores que se entrelaçam de formas, texturas e cores por matérias inertes e matérias vivas. É dar a conhecer que, num Atelier Criativo, aos níveis individual e grupal, a presença empática entre quem faz e testemunha potencia alcançar uma consciência biopsicofisiológica. Este é um processo vivencial, sentido como Auto-Arte-Terapia. Só a idiossincrasia de cada ser pode conhecer e promover as transformações desejáveis para alcançar maior satisfação com a vida.

UM CRIME NO PARQUE DAS NAÇÕES

UM CRIME NO PARQUE DAS NAÇÕES

Este não é um livro de acção, mas para dedução. O inspector Martinho faz gala em usar gravatas que têm como critério nunca combinarem com qualquer outra peça de roupa. Apesar da sua figura um pouco caricata, é arguto. Acrescente-se a este breve retrato o seu apreço pela sabedoria popular, enunciando provérbios e adágios a propósito das circunstâncias, enquanto decorre a investigação de um suposto suicídio! A acção encontra-se inserida no contexto da crise vivida em Portugal e desenvolve-se entre o Parque das Nações e Sesimbra, passando pela Casa de Bombordo, em Cascais.

PÁSSAROS SEM NINHO

PÁSSAROS SEM NINHO

PÁSSAROS SEM NINHO Isto que escrevo, que não se entende, enraizada árvore que me brota do chão da alma, erva que grassa e por campos se estende, não são palavras, nem poemas, nem desamor, nem dilemas… mas pássaros sem ninho, experimentando asas e alisando penas em desalinho! Isabel Branco

EU VOU COM AS AVES

EU VOU COM AS AVES

Atravessa os decénios de 60 e 70 do século XX e tem como pano de fundo a atmosfera da emigração portuguesa para França, odisseia para muitos dolorosa, sobretudo para os que iam ?a salto?. O percurso de Tiago, o protagonista, teve contornos distintos, como se estivesse predestinado a outros voos. ?EU VOU COM AS AVES? mostra Tiago em três espaços geográficos emblemáticos: a sua aldeia natal, Lisboa e Paris. Neles se vai sedimentando a sua aprendizagem – da infância, da adolescência e da vida adulta -, oscilando entre momentos de equilíbrio e momentos de ruptura.

FRUTOS VERMELHOS

FRUTOS VERMELHOS

Dentro de mim Estou num leve pensamento, numa paz compensadora No momento em que enfrento a minha própria pessoa. Numa nesga de sonho silvestre como as amoras Encanta-me o olfato dos desvairados perfumes, que se misturam em transe quando se cruzam. Num momento estou ali, presente em forma física, noutro vagueio por lugares tão mágicos que a razão desconhece. Deixo-me levar como brisa de vento, como andorinha na Primavera que revisita os mesmos lugares teimosamente. Como a gaivota estridente. Como as ondas do mar que teimam em beijar, a areia fina e pálida. Veem-me, sim. Mas eu mesma não me vejo, sinto-me. Sinto-me fora de onde estou. O pensar vai longe, tão longe. É omnipresente, e inconsciente. Não tem forma, não tem cor. Mas o quente da luz que o ilumina dá-lhe um aspeto tão suave quanto a ilusão que me absorve. E os olhos não mentem, sentem, veem. Eles estão distantes de tudo aquilo e tão perto do nada. Nada para os outros seres que não entendem a luxuria de vaguear dentro de si mesmo.

REGRESSO A ANGOLA

REGRESSO A ANGOLA

Se o tema da guerra colonial lhe diz algo, quer directa quer indirectamente, este livro poderá interessar-lhe. Foi meu objectivo fazer um pequeno trabalho sobre as minhas vivências no período da guerra colonial, procurando reunir alguns factos inéditos e outros que tiveram como consequência a continuação da ?guerra? até aos dias de hoje. É meu entendimento que a valia deste meu depoimento ( real) é mostrar as mazelas que vivem em muitos que tiveram de passar por cenários de guerra – guerra que continua a matar, pouco a pouco, em tempo de paz”: pelo álcool, tabaco e doenças (algumas ligadas ao stress pós-traumático), sem esquecer as crises de pânico que tanto limitam o dia a dia de muitos. Por tudo passei. Gostaria assim que estas vivências pudessem ser dadas a conhecer ao maior número de pessoas, já que considero injusto o esquecimento colectivo de que são vítimas os que lutaram (e continuam a lutar) e os tornam numa classe social “incómoda”. Serão para muitos os “coitados da guerra” e para uma maioria em crescendo uns ?ilustres desconhecidos?.”

O PAI NATAL PARTIU UMA PERNA

O PAI NATAL PARTIU UMA PERNA

A Marta nasceu com Osteogénese Imperfeita (O.I.), Uma docença rara de origem genética, ou seja, já nasce com os bebés. A O.I. faz com que os ossos sejam muito frageis e por isso partem-se com muita facilidade. Quando um osso se parte, diz-se que fez uma fratura, por isso as perssoas com O.I. têm muitas fraturas ao longo da vida. No entanto, os tratamentos e cirugias que realizou, permitiram que Marta crescesse com uma infancia alegre e feliz. Atualmente com 14 anos, a Marta já conhece a sua doença e consegue adaptar-se bastante bem às dificuldades do dia-a-dia, o que nem sempre é fácil, mas nada a impede de gozar a vida como as outras crianças da sua idade.

METAMORFOSE MENTAL

METAMORFOSE MENTAL

Com o término de uma relação afectiva, o autor entra numa fase de sofrimento e angústia interior, provocada pelas consequências do fim dessa relação ? vive a ressaca da mesma. Assim, o autor projecta sobre estas páginas inúmeros estados de espírito, sentimentos, prazeres e desprazeres que o assolam nesse estado de ressaca.

MAR DE SENTIDOS

MAR DE SENTIDOS

Mar de Sentidos é uma obra poética, que reporta a um período de criatividade, nos últimos vinte anos. Apresenta pela primeira vez, prosa poética, que poderá indiciar um novo ciclo nos futuros trabalhos. Quem sabe, juntando outra arte às palavras que se mostram. Neste livro, juntam-se três formas de poetar. O rasgar da palavra, nos sulcos do amor humano e de ( im) possível partilha a dois, a eterna observação do mar cúmplice e, a visão urbana e paisagista de momentos próprios.

GIRASSOL

GIRASSOL

É um conjunto de poemas soltos que pintam sentimentos ou momentos do autor, umas vezes de cor vivas, outras de cinzento. ?Assim, sou um pequeno girassol que gira Em torno da sua megalómana luminosidade E quer absorver todos os gestos corporais, As tuas encantadoras e únicas palavras, O teu altivo, provocador e indagador olhar, Os teus nobres,

ESSÊNCIA DE MULHER 3ª EDIÇÃO

ESSÊNCIA DE MULHER 3ª EDIÇÃO

A Historia deste livro aborda questões interessantes, seja qual for a época, do relacionamento entre jovens na sua adolescência, das relações com os pais e do seu inevitável contacto com o mundo real, cuja paleta se apresenta sempre de cores vivas, realçando a alegria da vida, mas também muito escuras, equivalentes a situações dolorosas? Traz-nos o amor de Tiago e Carmem, que marcam indelevelmente os papeis principais. E cedo aprendem que essencialmente a vida não é fácil. Num percurso de altos e baixos, num curso, numa atividade profissional ou numa vida familiar, nada se conquista por mero acaso. Antes pelo contrário, quando um objetivo é conquistado, tal obedeceu à persistência, ao entusiasmo e à convicção que cada um colocou na vida de todos os dias, numa luta corajosa por aquilo que lhe é mais querido. Desde o dia em que se conheceram, até à estabilidade do casamento, Tiago e Carmem tiveram de ultrapassar diversos obstáculos, contudo o amor, que desde cedo os uniu, foi a alavanca fundamental para superarem obstáculos sempre desagradáveis. Como tónico de leitura, a Historia atravessa o período da expansão do «sonho português» em África, passando pela fase revolucionária do «25 de Abril». Tempos que foram muitos difíceis, sem dúvida. Mas que, por isso mesmo, carimbam esta Historia com a dureza em que a vida, muitas vezes, nos é fértil.

ELOQUÊNCIA PORTUGUESA

ELOQUÊNCIA PORTUGUESA

É um poema da harmonia perfeita conseguida no canto das grandezas passadas com a morte e depois a ressaca deste Portugal. Que se reflectem no futuro e ensinamentos pelo povo de gente de um passado já passado. Uma narrativa poética que transforma e reduz à sua expressão mais simples e elementar, de um pensamento concentrado a mordomias e mentiras a enganos próprios, com a ousadia e mensagem de na aproximação da verdade, seja o despertar e o assumir daquilo que é, foi e pode vir a ser. Uma acção central do acomodar que o poeta separa, oferece e narra no transferido sentimento de uma figura perfeita para outros profetas e clara lucidez, desta gente destes costumes.

E O MESTRE DISSE MATA

E O MESTRE DISSE MATA

Laura é promovida, e decide surpreender o marido antecipando o seu regresso do estrangeiro. Chega a Lisboa, ouviu barulho no quarto, e pensou que eram ruídos da televisão. Entrou e não quis acreditar no que estava a ver, o seu marido estava na cama, a ter relações sexuais com outro homem. Ambos deviam estar no cúmulo da excitação. Fugiu e foi dormir para um hotel. Quando olhava para o telemóvel, passou distraidamente por umas imagens. Eram as imagens do marido a ter relações. Jurou que se ia vingar e não perdeu tempo. Quando se reuniram para discutirem a separação do património, mostrou as imagens ao marido e disse que para começar queria tudo o que estava na lista que lhe entregou, e que continha um conjunto de exigências totalmente leoninas. Este contou ao companheiro ? Gustavo – o que se tinha passado. Ele convenceu-o que ia tratar de tudo e nunca mais se teria de preocupar com a Laura. Só havia uma maneira de resolver o problema: matando-a, ou levando as pessoas a acreditar que ela tinha enlouquecido. Conseguirá o Gustavo desequilibrar uma mulher, ao ponto de a levar a odiar os homens, e a matar por diversas vezes, convencida que são ordens que recebe de uma ?O MESTRE?. Será que o Gustavo consegue ficar impune de tudo aquilo que fez?

DIÁRIO DE UMA PITA

DIÁRIO DE UMA PITA

Este livro é para quem sempre quis saber como é a vida de uma pita. Aborda praticamente tudo: A relação com as amigas, os amigos bonitos, os amigos com abdominais bem definidos, os amigos com abdominais mal definidos (isto aborda muito pouco), os amigos feios que a ajudam nos testes. Como é ir para a escola e sair à noite. O álcool e o sexo. Os gajos que pagam bebidas. Como ignorar os gajos que pagam bebidas, depois de pagarem bebidas. O quê, ninguém quer saber? Então mas é a vida de uma pita, como é que podem dizer que isto não interessa? O diário de uma pita é uma sátira à forma como as pitas escrevem e se comportam. Não deve ser levado a sério nem serve para humilhação ou insulto. Tem apenas a função de entreter! E de vos dar trabalho a ler. Especialmente isso.

DIÁLOGO ENTRE A VIDA

DIÁLOGO ENTRE A VIDA, DEUS E O ESTEVES

A minha obra, simplesmente, é uma anti-obra, escrita por alguém que não existiu. Um eu forjado por um dom dado, o eterno dom de sonhar. Só assim deste modo seria possível ser criado o que quer que fosse. Se algo a obra tem de seu, é tudo o que, em circunstâncias normais, nunca poderia ter sido erguida, nunca poderia sequer ser algo. Assim, tal como a própria obra em si, os respectivos personagens são produto de uma não realidade, uma realidade exterior ao nome que possam vir a ter. São produto da capacidade produtiva para criar, somente criar o que já foi criado. Ou seja, a sua existência já existia. A única criação exterior a essa já concebida, foi a maneira como, irreais, essas personagens se diluíram da essência que as assemelha: criação do sonho. Todos esses personagens têm vidas próprias dentro deles, vidas que dariam uma mútua realização do seu mundo, o mundo do real em que o Homem está muito longe de o vir, literalmente, a conhecer, literalmente a desvendar. Todos eles dariam, certamente, matéria de investigação para muitos bons e largos anos, cada um na sua própria contingência, na sua própria índole onírica. Todos são parte integrante de um eu disperso, um eu vário resumido numa unidade elementar. Um eu múltiplo como o universo.

CONVERSAS COM O MESTRE

CONVERSAS COM O MESTRE

Uma Historia entre um aluno e um mestre e as aventuras desse acordar. Onde se compreende que é crítico acordar quando se é sonâmbulo. Nunca se distingue quando se está mesmo acordado. Existe sempre o perigo da própria vida ser um sonho ou de se passar pela vida como um pesadelo. Acordar é sempre um malabarismo ardiloso. Porque acordar é mais difícil que administrar Sodoma na Primavera. Mais problemático do que desejar, abominar ou mesmo ignorar. Acordar é mais difícil do que tocar xilofone numa marcha popular. É mais intrincado do que traduzir Saramago para o tailandês. Acordar é um penitenciamento crítico. Acordar é mais difícil que insultar o leiteiro em latim. Acordar é algo horrivelmente ambíguo. Acordar é tão difícil quanto encontrar um amor perdido ou domar uma fobia alheia. Acordar é algo difícil e lento. Acordar é tão delicado como esquecer. Acordar é circunspecto no começo e o fim. Mas no meio também o é igualmente. Acordar é tão difícil quanto acertar as horas pelo sol da manhã. Ou fugir da chuva numa tarde quente de verão. Acordar é espinhoso porque se acorda o nosso espírito. Acordar e saber que se esta vivo. E saber a desejar e a encontrar a felicidade e não aquilo que ele imaginava que o podia fazer feliz.

CHÃO PORTUGUÊS

CHÃO PORTUGUÊS

Sonetos que cantam a gesta Nacional. A luta pela sobrevivência, contra a crise e sempre por Portugal.

CASOS DO CORAÇÃO

CASOS DO CORAÇÃO

Cada coração conta a sua Historia. Quando Ângela decide confessar os seus maiores segredos pela primeira vez, todo o seu mundo torna-se num lugar estranho aos seus olhos. Começa a construir uma nova visão em relação a todos os pecados cometidos, quando o adultério se tornou uma presença constante em sua vida, que acaba por ensinar-lhe uma lição valiosa. Uma fase chocante e misteriosa da sua vida, será então partilhada consigo, caro leitor.

BARRIGA DE POEMAS

BARRIGA DE POEMAS

Na ?Barriga de Poemas? encontramos mensagens que vêm do ventre. Esse rio subterrâneo onde se escondem os mistérios da MEMÓRIA e moram os FANTASMAS que nos oferecem companhia, onde nascem as eternas interrogações sobre o TEMPO e vivem os CORVOS que voando de lá nos visitam, onde fervilha o DESEJO antes sequer de o percebermos e é tecido

ATLÂNTIDA

ATLÂNTIDA

Através destas Historias e contos da guiné, Angola e Moçambique o autor revela-nos a multiplicidade de lusofonias existentes como parcelas do Império Português que foi mundo global. Assim, podemos ver a criação de vocábulos muito integrados na mitologia africana e que dão a cada povo, onde essa mitologia se integra, contextos diferentes em relação às frasealogias portuguesas. Pepetela e Mia Couto são, assim descendentes directos de João Augusto Silva. É mais uma obra de um autor consagrado pelas suas maravilhosas pinceladas africanas reveladas em ?África ? da vida e do amor da selva? e ?Selva maravilhosa.?

AS LENDAS DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO

AS LENDAS DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO

Na Literatura, sempre me entusiasmou a Literatura Infanto-Juvenil, pelo seu sentido estético, espontaneidade, simplicidade e sensibilidade muito peculiares, atendendo ao cariz do público receptor. Os textos desta vertente da Literatura têm uma mensagem de carácter universal que, desde sempre, seduziu adultos e crianças, porque instigam a compreensão da realidade e, conseguem, através do jogo de palavras e sons, projectar o gosto pela leitura, contribuindo definitivamente para a formação da personalidade e valorização dos sentimentos. Nesta universalidade literária, enquadra-se o património de tradição oral, onde a lenda, com as suas especificidades muito próprias, justifica a realidade e alimenta a imaginação. E, nos caminhos e encruzilhadas dessas (in)vulgares leituras, quiçá, não esteja a luz e o caminho que cada um deve descobrir e seguir… E, nessa tela da vida, talvez encontremos a capacidade para compreender a realidade e para descobrir que cada um de nós é uma pérola singular, que diariamente luta pelos seus sonhos.

AS GÔNDOLAS NAS GRANDES LUAS DE PLUTÃO

AS GÔNDOLAS NAS GRANDES LUAS DE PLUTÃO

Há quem te veja presa ao anoitecer dos ramos: os relâmpagos vão a escrever nos rosários, quando se despenham até às novas tabernas no centro de uma nuvem. Há quem te veja presa ao anoitecer dos ramos: perde-me outra vez, hoje, suavemente, perde-me os teus copos de lagos frágeis ou um altar de mães nestas estações rápidas; se fores pelos rios, verás o tardio Junho numa noite de casas, a dele, a nossa, uma estrela agarrada a um ramo quase a desfazer-se, luminosa, sobre a noite

APOCALIPSE 2031

APOCALIPSE 2031

Previsões do Profeta Zero de acontecimentos a nível mundial que ocorrerão até ao final de 2031.

Marcador

AMOR E ÓDIO

Que podem ter para nos dizer duas jovens de 15 e 16 anos. Pouco? dirão muitos. Enganam-se redondamente! Têm para nos dizer tudo o que nós também tivemos quanto tínhamos a idade delas e não fomos capazes de dizer. Ao ler este livro iremos com toda a certeza recordar muitos momentos da nossa juventude, os nossos amores e os nossos amores?

A LUA ESTÁ ALI 2ª EDIÇÃO

A LUA ESTÁ ALI 2ª EDIÇÃO

Folheando estas páginas, abre-se o mundo mágico da fantasia, aqui retratado em pequenas e deliciosas Historias ilustradas, com a musicalidade própria

A LUA ESTÁ ALI

A LUA ESTÁ ALI

Folheando estas páginas, abre-se o mundo mágico da fantasia, aqui retratado em pequenas e deliciosas Historias ilustradas, com a musicalidade própria que as rimas lhe conferem.

A CAMINHADA

A CAMINHADA

Decorre o ano 1470, reina em Portugal D. Afonso V, o africano, como fora apelidado pelas suas conquistas em África. É o tempo de um império em constante crescimento e de descobertas marítimas sobre um vasto mundo ainda desconhecido. Alheio às conquistas e desconhecendo completamente o mundo lá fora, Ismael, um jovem pastor, guarda o seu insignificante rebanho numa encosta esquecida do Alentejo profundo. Perdido nos seus devaneios, mitiga um pressentimento que o persegue há dias e acaba por descobrir que uma torre muito particular faz parte dessa sua premonição. Um sonho desconcertante sobre um tesouro e uma lenda ditam a partida forçada da sua terra natal, encaminhando-o para um rumo desconhecido e sempre cheio de sobressaltos. Inesperadamente vê-se envolvido em superstições antigas e em maldições conduzidas por lendas sem memória que o atiram para o passado? levando-o à caminhada para a descoberta do seu tesouro.

20 DIZER

20 DIZER

Lengalengas inéditas, para o público mais infantil repetir a cada verso após verso, quadra após quadra, para decorar e ensinar aos amigos na escola e nas

INTRANQUILA QUIETUDE

INTRANQUILA QUIETUDE

Honoré DuCasse é o pseudónimo e heterónimo de José Guerra, enquanto Escritor (romancista) e Poeta. Representa o seu lado introvertido e intimista. José Guerra nasceu em Lisboa, a 29 de Junho de 1969. É Psicólogo, Escritor e Poeta. Conta já com 7 obras literárias editadas. Honoré DuCasse é uma personagem literária imaginária, mas com uma personalidade demarcada e muito própria. Nasceu na Bretanha, França, a 29 de Junho de 1799 no rescaldo da revolução francesa. Cresceu sob influência do romantismo e do simbolismo que o marcaram profundamente. Revela uma tendência escapista e surrealista na sua escrita poética em prosa. O objectivo é evadir-se de si próprio na busca da liberdade e do seu ?eu? mais profundo. Conhece-se pelo outro na voz que as suas palavras lhe dizem. Viria a falecer em 1880, durante a 3ª República Francesa. No entanto, a sua alma liberta-se sempre que um poema acontece. Acorda nos livros no folhear ávido da prosa. José Guerra, dá-lhe essa continuidade. ?Viajo para que me retorne. Nesse hiato, sem memória, há um corpo que me consome, que me olvida da ausência que fui?

O FASCINIO DA PALAVRA

O FASCINIO DA PALAVRA

Palavra é definida como som ou conjunto de sons articulados com um sentido. Ou seja, as palavras dão sentido a tudo, definem tudo. Definem à primeira, a simbologia do amor, quando dizemos «Mãe» e «Pai». A simbologia da escrita serviu desde sempre para comunicar, essencialmente esse amor, esse eco de eternidade, que solta as palavras que se reúnem por vezes em volta da poesia e encontram o seu verdadeiro significado. Miguel Xavier

PATRIMONIO DO CRISTIANISMO NO JAPAO

PATRIMONIO DO CRISTIANISMO NO JAPAO

O objectivo deste livro e catálogo de fotografias é demonstrar como a Historia do cristianismo no Japão é vista no presente e a partir do Japão. Usei fotografias recolhidas durante o meu trabalho de campo pois retendo apresentar perspectivas de investigação actualizadas na área do património cultural imaterial e mostrar como é necessária uma atitude transdisciplinar para esta temática. No entanto este não é um livro para académicos. Procurei chegar a um formato de divulgação científica, acessível a todos. Pode até dizer-se que este pequeno livro é um portal multidimensional já que, para além da relação com as fotografias, liga-se também com as vídeo-conferências disponíveis no meu canal youtube e com ?Um longo Verão no Japão? (projecto cultural e página Facebook).

PROFESSOR DE MENINOS

PROFESSOR DE MENINOS

PROFESSOR DE MENINOS – Entre Alei e A Pedagogia é uma narrativa de factos que põe em contraste a dimensão humana da Pedagogia, levada a efeito na sala de aula entre professores e alunos, e a dimensão legalista da Burocracia, farisaicamente exercida nos gabinetes da Administração Pública. Escrita no período de agonia do regime do Estado Novo, foi acrescentada de novos factos ocorridos no regime vigente, os quais em nada diferem dos anteriores. A crise de valores que actualmente afecta o sistema escolar está na origem da sua edição..

ANTOLOGIA DO SILÊNCIO

ANTOLOGIA DO SILÊNCIO

Antologia do Silêncio tende a ser uma melodia que pretende refinar o silêncio da Alma em palavras e significações profundas do que podemos denominar de silêncio interior e exterior, no sentido da existência humana, do seu propósito, da sua essência e axiologia. Este livro é uma viagem entre a saudade e o seu silêncio, adjacente e permanente, um dinamismo complexo, profundo e empírico, que nos leva a querer entender o seu sentido e o paralelismo entre estes dois conceitos. Não obstante, o livro aborda temas multiplurais e sentimentos, porém, o seu objetivo primordial é colocar o leitor numa viagem longa, transcendente, pura e inocente, ouvindo o silêncio que, por vezes, é tão indispensável como o ar que respiramos a todo o momento!

A CARTUXA DE LAVEIRAS

A CARTUXA DE LAVEIRAS

Este ensaio nasce de um sentimento amoroso, por isso verdadeiro, que ao sair de dentro do peito quis revelar-se. Nessa trajetória expansiva até ao resultado final, o relato recusa a passividade e a inércia. A Historia liga-se a um tempo que percorre os séculos e chega até nós, e crê-se além do futuro, até mesmo quando os elementos estão inativos ou já desapareceram do contacto com o olhar. Ao respeitar os factos, quis guardar com fidelidade a palavra recebida dos testemunhos, recusando inventar ou ficcionar meandros sagrados ao sabor de uma literatura endémica e profanadora. Nunca se escreveu tanto, e muitos escritores tornam-se insidiosos vendedores de papel. Não ambiciono revelar nada oculto e atrair gentes para um sagrado impregnado de presunção individualista, anti qualquer coisa ou polémico. No entanto, não me impeço de manifestar as minhas raízes espirituais e as suas influências no meu pensamento. O que pretendo oferecer é parte de um encontro genuíno e de uma amizade silenciosa com os monges cartuxos.