Mostrando 361–380 de 402 resultados

PALÁCIOS E CASAS SENHORIAIS DE PORTUGAL

PALÁCIOS E CASAS SENHORIAIS DE PORTUGAL

É quase impossível percorrer Portugal de Norte a Sul sem me deparar com um palácio ou uma casa senhorial que me deslumbre com a sua beleza, grandiosidade e capacidade de me fazer sonhar com o passado e com a nossa Historia. O Palácio dos Duques de Cadaval, em Évora, faz parte de mim, daquilo que sou. Na minha família há mais de 600 anos, é aqui que estão as minhas origens e representa uma parte incontornável da minha vida. Mas há tantos edifícios nobres por este país… Falar do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, é também relembrar a rainha D. Maria Pia, que fez dele a sua casa e que ali deixou tantas memórias. O Palácio das Necessidades estará para sempre ligado à Família Real portuguesa, à morte de D. Pedro V e à partida de D. Manuel II, o último rei de Portugal, para o exílio. No Palácio dos Duques de Bragança, em Vila Viçosa, vivem memórias da Restauração da Independência e de D. João IV. Mas há joias escondidas que muitos não conhecemos. Qual não foi a minha surpresa ao visitar o Paço de Calheiros, em Ponte de Lima, e descobrir uma casa senhorial lindíssima e recheada de Historias com uma vista deslumbrante, ou voltar à Casa de Água de Peixes, no Alvito, que pertence à Família Cadaval e é um tesouro oculto na planície alentejana? Neste livro levo-o por uma visita guiada pelos palácios e casas senhoriais de Portugal. Por aqueles que são incontornáveis no património arquitetónico português, mas também pelos que me trazem memórias de infância, recordações de momentos vividos em família ou com amigos, pelos que se encontram na Casa Cadaval há várias gerações ou que considero pontos de passagem obrigatórios num passeio por Portugal. Estes palácios e casas senhoriais destacam-se pela sua arquitetura imponente, mas se olharmos bem para eles e percorrermos os corredores do passado, descobrimos uma parte fundamental da nossa Historia – além das Historias de pessoas que construíram e deram alma a estes lugares mágicos e surpreendentes.

HERÓIS DO MAR

HERÓIS DO MAR

No dia 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, pelas nove horas da manhã, os militares revolucionários desceram da Rotunda, em direcção à Praça do Município para assistir, vitoriosos, à Proclamação da República, que tinham acabado de implantar. Avenida da Liberdade abaixo, aclamados pelos populares, a marcha triunfal é feita ao som da Portuguesa. E, à passagem pelo Rossio, no alto do castelo de São Jorge, ondulava, já, uma bandeira verde e vermelha. Há uma Historia antes e uma Historia depois. Mas este é, política e simbolicamente, o momento fundador. Da bandeira e do hino, que mais de um século depois, ainda hoje, continuam a ser os símbolos de Portugal. Mas como é que um pedaço de pano se transforma numa bandeira nacional? Como é que um simples canto se transforma num hino nacional? E como é que o desfraldar de uma bandeira ou um canto em uníssono de um hino, podem provocar tamanha emoção, incendiar tanta paixão e mobilizar tanta força? Ou seja, o que são e como funcionam os símbolos nacionais? Nuno Severiano Teixeira responde a estas questões explicando os símbolos nacionais no contexto histórico do Portugal contemporâneo; as suas origens e o seu significado, a suas funções social e política; enfim, a evolução da relação dos símbolos nacionais – a bandeira e o hino – com o Estado e a nação, Portugal e os portugueses.

PALABRA DE HANNAH ARENDT

PALABRA DE HANNAH ARENDT

Sofía es una universitaria en crisis que se está planteando dejar la carrera de Económicas y Derecho a pesar de sus brillantes calificaciones. Tras ver una película sobre la filósofa y periodista Hannah Arendt, decide escribir a su tía Teresa, experta en la pensadora judía, para que la ayude a tomar una decisión.
En un intenso intercambio de emails, tía y sobrina van profundizando en la figura de Arendt como periodista y en la influencia del ejercicio del periodismo en su producción ensayística como filósofa política. Paralelamente, van apareciendo las claves del «oficio» periodístico en nuestros días, en los que pareciera que basta un ordenador y conexión a Internet para ejercer la profesión.
El libro profundiza ampliamente en los reportajes que realizó Arendt sobre el juicio en Jerusalén contra el verdugo nazi Adolf Eichmann, publicados por The New Yorker y recogidos posteriormente en el ensayo Eichmann en Jerusalén, que conllevaron para la escritora un sinfín de controversias y enemistades.

LA GRAN REVOLUCIÓN AMERICANA

LA GRAN REVOLUCIÓN AMERICANA

Uno de los campos en los que es difícil que se dé en nuestros días una confrontación pacífica de ideas es el del análisis de las políticas de los Estados Unidos en el ámbito exterior, ya que se suelen tomar habitualmente como punto de partida unos cuantos lugares comunes y prejuicios que hacen muy difícil cualquier posibilidad de debate mínimamente riguroso.
Este libro permite un acercamiento a esta cuestión alejado de los estereotipos habituales, intentando desentrañar de forma seria y ponderada cómo, a lo largo de su historia, desde su Independencia hasta el presente, la política exterior norteamericana se ha ido rigiendo por una serie de principios ideológicos y tradiciones políticas que la han hecho fluctuar, a lo largo del tiempo, entre unas posiciones marcadamente aislacionistas y otras de carácter claramente internacionalista.
La presente obra del investigador Pedro F. R. Josa nos ayuda, además, no sólo a comprender las posiciones, discursos y acciones de la política exterior de Estados Unidos en el momento actual, en el que sigue siendo un actor imprescindible, sino también a lanzar hipótesis sobre los posibles desarrollos de la misma en el marco global del siglo XXI.

SER ESCLAVO EN ÁFRICA Y AMÉRICA ENTRE LOS SIGLOS XV Y XIX

SER ESCLAVO EN ÁFRICA Y AMÉRICA ENTRE LOS SIGLOS XV Y XIX

Entre los siglos XV y XIX, más de 12 millones de africanos fueron llevados como esclavos a las Américas para trabajar en las industrias que abastecían a los mercados europeos. En esta obra, Catherine Coquery-Vidrovitch y Éric Mesnard, dos de los mayores especialistas en la materia, ofrecen un atractivo enfoque de la historia internacional de la esclavitud que rompe con las claves de interpretación eurocéntricas hasta ahora dominantes y otorga un papel central al continente africano y sus habitantes, esclavistas o esclavos.

Además de reconstruir la experiencia de la esclavitud a partir de los relatos de vida y la literatura administrativa que se conserva, los autores exploran las formas de resistencia material y simbólica que los esclavos desarrollaron frente a su situación y se adentran en realidades poco conocidas como la esclavitud en las propias sociedades africanas, la trata en el Índico o las tempranas y estrechas relaciones de ida y vuelta que mantuvo el África “portuguesa” con Brasil. El resultado es una síntesis particularmente novedosa de los conocimientos más recientes sobre la esclavitud entre África y América, complementada con una presentación de José Antonio Piqueras que incide en el papel que jugó la MonArquia española y sus colonias en este comercio de seres humanos.

GENOCIDAS

GENOCIDAS, CRUZADOS Y CASTRADORES

La memoria oficial se construye sobre el relato de los vencedores y, frecuentemente, sobre el silenciamiento del pasado de los vencidos. Como nos recuerda Esteban Mira, a los derrotados “no solo les robaron sus vidas, sino también su memoria”. El historiador Miquel Izard se propone en este ensayo desenmascarar los mitos de la historia tradicional desde una perspectiva novedosa, que busca aproximar y comparar las atrocidades perpetradas en la conquista de América y las de la guerra civil y la posguerra; muestra así cómo el relato de estos dos episodios convirtió ambos genocidios en cruzadas gloriosas con las que desde un exacerbado nacionalismo se buscó magnificar y escamotear el pasado de los vencidos. Con amplias fuentes documentales, su autor reconstruye el plan sistemático de exterminio y represión urdido por los nacionales contra el adversario. Sin menoscabar el apoyo de la Iglesia católica, explica que esta fue un elemento clave para la justificación de la insurrección militar como “cruzada cristiana” y el modo en que contribuyó a forjar la imagen de “una nueva patria ultranacionalista, tradicionalista y católica”, truncando el proyecto reformista republicano.

EXPERIENCIAS REPUBLICANAS EN LA HISTORIA DE ESPAÑA

EXPERIENCIAS REPUBLICANAS EN LA HISTORIA DE ESPAÑA

¿Qué sabemos de? republicanismo y de los republicanos en la historia de España? ¿En cuántos libros no se enfoca la Segunda República española como la antesala de una guerra civil, como si llevara en su misma proclamación el germen del fratricidio? ¿Por qué la idea de federalismo se ha convertido en sinónimo de separación y caos nacional? Los monárquicos que en 1874 dieron un golpe militar contra la primera República fueron los propagadores iniciales de esa imagen de caos que luego cultivaron, a lo largo de cuarenta años de martilleo constante, quienes trataron de justificar su insurrección violenta contra la legalidad de la segunda República. Sin embargo, una importante nómina de historiadores, ajenos a cualquier mitificación, ha replanteado la complejidad y el significado de las trayectorias y aportaciones del republicanismo español en los siglos XIX y XX. A esas investigaciones rigurosas y objetivas se suma ahora este libro, cuyos autores documentan y explican las teorías y prácticas, no siempre unánimes, de un republicanismo que fue mucho más allá del cambio en la jefatura del Estado, a la vez que subrayan, sin argumentos partidistas, la riqueza de la cultura republicana, que convierte la garantía colectiva de los derechos individuales en el primer asunto público. Por eso es necesario conocer cómo y en qué condiciones se han desarrollado en España las experiencias republicanas, con sus intrigas y fracasos, con sus contribuciones y logros, siempre con el afán de abrir horizontes de democracia y de organizar un porvenir más justo para todos los ciudadanos.

EL EXTERMINIO DE LA MEMORIA

EL EXTERMINIO DE LA MEMORIA

Resulta difícil saber cuántas personas desaparecieron durante la guerra civil española y la primera etapa del franquismo, pero se estima que cerca de 300.000 fueron ejecutadas por el bando franquista. Si esta parte de la historia permanece enterrada es porque, desde el inicio de la Transición, se estableció un acuerdo asimétrico entre vencedores y vencidos basado en “el perdón y el olvido”. La mayoría de las fosas comunes permanecen intactas —tengamos en cuenta que España es el segundo país del mundo con mayor número de fosas tras Camboya—, muchas personas siguen sin saber qué pasó con sus familiares desaparecidos y siguen impunes los responsables de aquellos hechos, que no dejan de ser crímenes de lesa humanidad. El siglo XX ha estado marcado por crímenes de guerra y violaciones de los derechos humanos tras los que las comunidades buscan mecanismos de justicia transicional que permitan lograr la reconciliación y la convivencia pacífica. Esta es la función de las comisiones de verdad, justicia y reparación que se han puesto en marcha en más de cuarenta países. Analizando algunas de estas experiencias (Argentina, Sudáfrica, Chile, Guatemala, Brasil, Alemania, Francia e Italia), podemos sacar importantes conclusiones sobre cómo se podría crear en España una comisión de la verdad que permita clarificar los crímenes franquistas sin resolver y así lograr, como dice María Garzón en el prólogo, una auténtica reparación que sirva de base para la convivencia pacífica y democrática.

EL ENSANCHE SUR

EL ENSANCHE SUR

Entre 1860 y 1931, Madrid pasó de ser la “villa y corte” encerrada en los estrechos límites de sus cercas y puertas a convertirse en una moderna metrópoli europea que crecía vertiginosamente en tamaño y población, merced a un ambicioso proyecto de ampliación urbana cuya realización fue, sin embargo, bastante más caótica de lo que se preveía sobre el papel. Al actual distrito de Arganzuela —el Ensanche Sur— le tocó ser el principal laboratorio de la transformación industrial de la ciudad. De zona receptora de jornaleros inmigrantes, donde la pobreza se codeaba con la más absoluta miseria —de ahí la denominación de barrios negros—, pasó, en los albores de la República, a ser una auténtica tierra de oportunidades, habitada por clases medias y obreros cualificados y con un rico tejido empresarial. Las historias de vida de los habitantes del Ensanche Sur, que el autor reconstruye a través de los padrones municipales, constituyen la mejor prueba y el retrato más vívido de las profundas transformaciones que España y su capital experimentaron a lo largo de esos setenta años.

OS NÚMEROS DA NOSSA VIDA

OS NÚMEROS DA NOSSA VIDA

Por que é que os institutos de estatística tentam medir as gorjetas que damos aos taxistas e as drogas que consumimos? Como é que uma noitada em Paris nos anos 80 determina a austeridade que nos é imposta? Por que não basta estar sem trabalho para ser considerado desempregado? Como é possível que aquilo que é dito pelo presidente do Banco Central Europeu influencie a prestação da nossa casa? Como é que as agências de rating se tornaram tão poderosas ao ponto de fazerem cair governos? Sem darmos por isso, a nossa vida é governada por números que nos são impostos e cuja origem desconhecemos. Ouvimos diariamente falar de “rating”, “PIB”, “saldo externo” ou “default”, mas uma grande fatia da população não entende a mecânica que está por trás desses conceitos, o que limita a sua capacidade de perceber e criticar opiniões e decisões do governo, dos partidos da oposição e das instituições internacionais. Nesta viagem pelo mundo dos números que ditam a nossa vida, numa linguagem acessível e recorrendo a exemplos do dia-a-dia e da Historia recente de Portugal, o jornalista Nuno Aguiar explica-nos as origens e implicações dos indicadores que vemos todos os dias serem repetidos nos telejornais e que invadiram o nosso discurso público. Só compreendendo a sua Historia, a forma como são calculados, aquilo que nos dizem e o que não nos revelam, seremos capazes de os questionar.

A MINHA PRISÃO

A MINHA PRISÃO

Em 2013, o presidente da Câmara Muncipal de Oeiras foi preso na sequência de um processo polémico relacionado com fraude fiscal. Metade do País aplaudiu a detenção deste homem poderoso, ex-ministro e ex-militante de topo do PSD, vendo-a como um claro exemplo de independência da Justiça; mas a outra metade indignou-se pela humilhação inflingida a um dos autarcas mais competentes de Portugal, de um líder com obra feita, relacionando a sua condenação com perseguição política.
Isaltino Morais ficaria preso uns longos 429 dias. Habitou a cela colectiva 407 da Carregueira, numa ala onde todos os presos eram mais novos e cumpriam penas maiores do que ele. De resto, entre os 750 homens que constituiam a população prisional, o autarca era o único condenado por fraude fiscal, em contraste com o grande número de violadores, pedófilose homicidas. Tratado por «Presidente» ou «Tio Isaltino», cruzou-se diversas vezes nos corredores e no pátio da prisão com Vale e Azevedo, Carlos Cruz ou Ferreira Diniz. Assistiu à morte de um companheiro de cela por falta de intervenção médica, testemunhou numerosas cenas de violência, foi sujeito a revistas todo nu nas rusgas em busca de droga e telemóveis e sentiu as adversidades da cadeia duplicarem com as sucessivas greves dos guardas. O recluso n.º 721 deu-se bem com todo o tipo de homens e até fez amigos, como o muçulmano a quem ofereceu secretos de porco inadvertidamente. Provou aguardente clandestina, encontrou consolo nas centenas de cartas que recebeu e ansiou pelo momento das visitas da família, sobretudo as do filho Afonso, de 11 anos. Enquanto isso, tornou-se vegetariano por necessidade, percorreu quilómetros em círculos para cansar o corpo e vencer as insónias. Refugiou-se na fé, na contemplação da natureza e nas raras boas notícias que lhe foram chegando. Foi atrás das grades que assistiu à vitória eleitorial do movimento político com o seu nome e que escreveu um extenso diário, do qual ressalta a desumanidade da prisão e os sentimentos de revolta decorrentes da injustiça de que diz ter sido alvo. Com o dedo apontado a magistrados e políticos, denunciando as grandes falhas do sistema judicial e penal, A MINHA PRISÃO é um livro contundente. É o relato da descida ao inferno de um homem com um carisma invulgar e um testemunho crú a que nem os admiradores nem os adversários de Isaltino Morais poderão ficar indiferentes.

PORTUGAL À VENDA

PORTUGAL À VENDA

Nos últimos seis anos, empresas e investidores portugueses alienaram ativos num valor superior a 30 mil milhões de euros, mais de 20% do Produto Interno Bruto. Grandes empresas nacionais, como a PT, EDP, Tranquilidade, ANA ou CTT, deixaram de ser portuguesas. Ainda têm a sede em Portugal, mas o capital passou para o domínio de investidores estrangeiros. Chineses e angolanos são os mais conhecidos, mas também há brasileiros e franceses. Para muitos observadores, era um desfecho inevitável perante a vulnerabilidade financeira do Estado, a fragilidade da banca e dos empresários endividados e a absoluta necessidade de atrair capital à economia. Mas este argumento, ainda que sustentável, não chega para explicar todas as Historias que estão por trás destes negócios: – A venda da Vivo por 7500 milhões de euros foi o maior negócio em valor realizado por uma empresa portuguesa. A PT não queria vender, o governo também não, mas o preço falou mais alto. O negócio concretizado em 2010 acabou por conduzir, cinco anos mais tarde, à alienação da própria PT Portugal. – Em 2012, o governo deu ordem à Caixa Geral de Depósitos para alienar as ações na Cimpor, viabilizando a oferta da brasileira Camargo Corrêa. A decisão, tomada em apenas meia hora, foi o golpe final na nossa única multinacional com centro de decisão em Portugal. – A ANA foi a privatização que mais receita deu ao Estado. Mas em troca dos 3080 milhões de euros, os franceses da Vinci ganharam o monopólio dos aeroportos nacionais por 50 anos e o direito de aumentar as taxas em Lisboa. Estas são algumas das Historias que a jornalista Ana Suspiro revela em Portugal à Venda, explicando quem são os «novos donos» de Portugal, para que serviram estas operações e quais os valores envolvidos. Para já, os gestores que lideram as maiores companhias são portugueses. Mas quanto tempo vão permanecer nos lugares de topo? E como vão estas grandes empresas reajustar a sua estratégia em resposta aos interesses dos seus atuais proprietários? Perguntas que se impõem numa época de transição.

OS COMBATENTES PORTUGUESES DO «ESTADO ISLÂMICO»

OS COMBATENTES PORTUGUESES DO «ESTADO ISLÂMICO»

Saiba como o «Estado Islâmico» se tornou o mais poderoso grupo terrorista mundial. Esta é a Historia dos seus protagonistas e dos portugueses que contam aqui porque decidiram viver e morrer em nome da sua bandeira negra. Quando o fotojornalista John Cantlie regressou ao Reino Unido, após uma semana de cativeiro na Síria, no Verão de 2012, revelou às autoridades um dado inquietante: entre os seus raptores havia vários britânicos. Após alguns meses de investigações, os serviços secretos identificaram um grupo de portugueses residentes em Londres, convertidos ao Islão, que tinha viajado para a região. A probabilidade de estarem envolvidos no rapto do repórter era grande. Um desses homens continuava na zona, a circular através da fronteira entre a Turquia e a Síria. Informados pelos britânicos, desde então que os serviços e forças de segurança portugueses seguem a actividade de Nero, Celso, Edgar, Fábio, Sandro, das suas mulheres e de alguns amigos também com nacionalidade portuguesa. Um deles chegou mesmo a ser detido em Janeiro de 2013, no aeroporto de Gatwick. Esta vigilância permitiu identificar transferências de dinheiro para Lisboa e a sua entrega em mão a candidatos a jihadistas que passaram por Portugal a caminho da Síria. A eles juntaram-se outros combatentes portugueses. Filhos de emigrantes, nasceram em França, Holanda e Luxemburgo e formam o contingente de cidadãos com passaporte nacional a combater nas fileiras do «Estado Islâmico». O que leva cidadãos aparentemente pacíficos a transformarem subitamente a sua vida e ingressar num mundo de violência e terrorismo? E como foram recrutados para o «Estado Islâmico»? Porque se converteram ao Islão? Qual o seu papel na estrutura do grupo? O jornalista Nuno Tiago Pinto responde a estas e a outras perguntas ao longo de um livro inquietante sobre uma realidade mais próxima de nós do que muitas vezes pensamos.

O OUTRO LADO DA GUERRA COLONIAL

O OUTRO LADO DA GUERRA COLONIAL

As peripécias e as boas recordações dos militares portugueses no ultramar. Entre 1961 e 1974, o regime português enviou para áfrica uma geração inteira de jovens inexperientes na vida e no manejo das armas. Que realidade encontraram naquele continente desconhecido? O que faziam no tempo livre? Que episódios trouxeram para contar? O cabo domingos, conhecido como belle dominique, rapidamente percebeu que a vida fora do quartel tinha mais encanto e arranjou maneira de só lá ir uma vez por mês. No resto do tempo, gozava a vida e pagava aos colegas para o substituírem nos turnos do quartel. Um dos pontos altos dessas escapadas foi um certo desfile de misters em trajos femininos em casa de um amigo… um outro soldado não morreu afogado porque conseguiu abraçar-se a um peixe moribundo que flutuava rio abaixo. Ou seja, o animal – mesmo morto – tinha salvado um homem… o ator joão maria pinto fez a guerra com armas alternativas. Combateu no ultramar, sem dúvida, e com todo o empenho, mas as armas que usou foram a voz e a guitarra. A autora, que entrevistou mais de 50 militares de carreira, milicianos e também artistas como rui mendes, vítor norte, manuela maria ou io apolloni, mostra-nos que ainda há muito por contar sobre o conflito português no ultramar: as Historias insólitas, divertidas ou caricatas, as condições logísticas e o “desenrascanço”, as namoradas e as prostitutas, os acidentes e a vida boémia, as saudades de casa e o convívio com povos e costumes tão diferentes dos portugueses.

HISTORIA NÃO OFICIAL DE PORTUGAL

HISTORIA NÃO OFICIAL DE PORTUGAL

Divirta-se com a nossa Historia desde a fundação de portugal até aos dias de hoje esta Historia de portugal é diferente de todas as outras. Conta os factos de forma informal e divertida, desmistificando ideias feitas e traz muitos episódios que estão por contar: – viriato não era propriamente português e os lusitanos não foram os nossos únicos antepassados. – o «eterno» d. Afonso henriques muito provavelmente não era filho do conde d. Henrique e, de certeza, não batia na mãe. – os portugueses que em 1385 consolidaram a independência, derrotando os castelhanos em aljubarrota, não passavam de um grupelho de punks (considerados uns aventureiros pelos bem-pensantes) e o próprio d. João i chegou a ponderar se havia de se mudar para o lado do inimigo. – não fomos nós que, no início do século xix, derrotámos os franceses de napoleão, mas sim os nossos aliados ingleses, que eram mais aliados deles próprios do que nossos. – o 15 de janeiro de 1920 ficará para sempre na Historia, pois num só dia foram constituídos 3 governos, que caíram consecutivamente, e um deles durou apenas 5 minutos. O jornalista luís almeida martins, editor da revista visão Historia, depois do sucesso do livro 365 dias com Historias da Historia de portugal, traz-nos uma obra essencial para percebermos que a Historia do nosso país é também feita de episódios desconhecidos, caricatos e insólitos e que muitos dos acontecimentos que já conhecemos podem ser vistos a partir de uma nova perspetiva.

EUROPA

EUROPA, UN SALTO A LO DESCONOCIDO

Escrito con un ágil estilo periodístico, este relato de no ficción recrea la década en la que tuvo lugar el nacimiento de las Comunidades Europeas (1948-1957), a través de algunos de los principales protagonistas de la construcción europea –Jean Monnet, Robert Schuman, Konrad Adenauer, Alcide De Gasperi y Paul-Henri Spaak, los llamados «Padres de Europa»–, que van cobrando vida en las páginas de este libro. Capítulo a capítulo el lector se va convirtiendo en testigo de su trayectoria vital, sus valores, sus relaciones personales, acuerdos y discusiones, todos ellos elementos claves para comprender cómo y por qué se tomaron en su momento decisiones que hoy afectan a cerca de 500 millones de europeos.
Los hechos, datos y conversaciones aquí expuestos son fruto de un exhaustivo trabajo de investigación basado en las memorias de los Padres de Europa, los artículos de prensa de la época, los discursos públicos y los archivos Historias de las diferentes instituciones y, de forma particular, en una serie de entrevistas realizadas por la autora a personas que conocieron y trabajaron estrechamente con los protagonistas del libro.

EL ENSANCHE NORTE. CHAMBERÍ

EL ENSANCHE NORTE. CHAMBERÍ

Madrid ha sido víctima durante mucho de tiempo de las plumas de escritores e historiadores que la describieron como un “poblachón” manchego mal construido, ciudad parasitaria que vive de la burocracia, anclada en el pasado y en el casticismo zarzuelero, lejos del progreso de las grandes capitales europeas. Y, sin embargo, el Madrid que llegó a 1931 era una metrópolis moderna.

OS SEGREDOS DO III REICH

OS SEGREDOS DO III REICH

O III Reich durou apenas doze anos, mas marcou profundamente a Historia alemã e mundial. Nas últimas décadas muito se tem descoberto sobre este regime que semeou o terror e a morte por toda a Europa. Mas muito estava ainda por desvendar. Guido Knopp, jornalista especializado em Historia alemã, revela-nos neste livro muitos dos segredos do III Reich desconhecidos até agora. As verdadeiras origens familiares de Hitler, sobre as quais tentou criar um verdadeiro mito; a proveniência do dinheiro que permitiu ao Führer financiar as suas campanhas e sustentar uma vida luxuosa; ou os mistérios sobre as suas mulheres, uma Historia que começa com a estranha morte da sua sobrinha e termina com o suicídio de Eva Braun. Mas também outras figuras do regime estavam envoltas em mistério: as lendas que envolvem a Historia de Erwin Rommel, as mentiras a partir das quais Albert Speer construiu a sua biografia de «bom nazi» ou a vida privada de Himmler, as suas fantasias, os crimes por si cometidos e a sua enigmática morte. Um livro indispensável para compreender melhor o fenómeno do nazismo e a tragédia da Segunda Guerra Mundial.

O DIA-A-DIA EM PORTUGAL NA IDADE MÉDIA

O DIA-A-DIA EM PORTUGAL NA IDADE MÉDIA

Como se nascia e se vivia em Portugal, na Idade Média? Que preocupações havia na educação dos filhos? Como era o poder do rei e a sua relação com os grupos sociais privilegiados? Como se sentia a religião nesta época? Como era a saúde e a doença e como se tratavam os vários males? Como conviviam os grupos minoritários, fossem eles religiosos, como os judeus e mouros, fossem sociais, como as mulheres mundairas? O que se festejava e como? Como se vivia e se morria? Estas são algumas das perguntas a que a historiadora Ana Rodrigues Oliveira responde ao longo de um livro fundamental para perceber o quotidiano em Portugal entre os séculos XI e XV. Partindo de exemplos concretos e num texto acessível e simples, oferece-nos uma visão abrangente desta época, desde a saúde, à política, passando pela religião, o casamento, a vida doméstica ou a prostituição. Porque a Historia não é contada apenas recordando os grandes feitos, mas também através da vivência e dos comportamentos de um povo ao longo dos tempos.

REGRESSO A ANGOLA

REGRESSO A ANGOLA

Se o tema da guerra colonial lhe diz algo, quer directa quer indirectamente, este livro poderá interessar-lhe. Foi meu objectivo fazer um pequeno trabalho sobre as minhas vivências no período da guerra colonial, procurando reunir alguns factos inéditos e outros que tiveram como consequência a continuação da ?guerra? até aos dias de hoje. É meu entendimento que a valia deste meu depoimento ( real) é mostrar as mazelas que vivem em muitos que tiveram de passar por cenários de guerra – guerra que continua a matar, pouco a pouco, em tempo de paz”: pelo álcool, tabaco e doenças (algumas ligadas ao stress pós-traumático), sem esquecer as crises de pânico que tanto limitam o dia a dia de muitos. Por tudo passei. Gostaria assim que estas vivências pudessem ser dadas a conhecer ao maior número de pessoas, já que considero injusto o esquecimento colectivo de que são vítimas os que lutaram (e continuam a lutar) e os tornam numa classe social “incómoda”. Serão para muitos os “coitados da guerra” e para uma maioria em crescendo uns ?ilustres desconhecidos?.”